Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


20 de Nov de 2018 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Democratas pedem a Trump que pare de tuitar sobre ataques à Síria - Jornal Brasil em Folhas
Democratas pedem a Trump que pare de tuitar sobre ataques à Síria


Legisladores democratas recriminaram nesta sexta-feira (13) o presidente americano, Donald Trumo, por usar as redes sociais para postar sobre ataques em potencial à Síria, advertindo que sua linguagem imprudente e irônica coloca em perigo as tropas americanas.

Nove membros da Câmara de Representantes, todos eles veteranos das Forças Armadas, pediram ao presidente que pare imediatamente com suas provocações, que essa semana aumentaram após um aparente ataque com armas químicas na cidade de Duma, onde o governo britânico considera que até 75 pessoas morreram.

Como veteranos militares, estamos profundamente preocupados com o imprudente uso pelo presidente do Twitter e de outros fóruns públicos para discutir o uso da força militar na Síria, escreveram Mike Thompson, Ted Lieu, Seth Moulton e outros em uma declaração conjunta.

O grupo reconheceu que devem avaliar ataques contra a Síria dados os horrores do bombardeio, que a Casa Branca atribui diretamente ao governo de Damasco.

Mas os legisladores declararam que a linguagem irônica e superficial de Trump deve parar.

Analisamos os horrores da guerra e sabemos que o lançamento de mísseis é um assunto sério, afirmaram. Sabemos que a estratégia do presidente é imprudente e irresponsável, e que coloca em perigo nossos homens e mulheres no terreno.

Na quarta-feira, Trump aumentou drasticamente as tensões depois que o aliado mais poderoso de Bashar al-Assad, a Rússia, ameaçou com represálias se lançarem mísseis americanos na Síria.

Prepare-se, Rússia, porque chegarão lindos, novos e inteligentes mísseis, tuitou o presidente.

Antes de ser presidente, Trump falou contra os governos americanos que divulgaram seus planos militares. Durante a campanha de 2016, criticou o ex-presidente Barack Obama e sua adversária eleitoral, Hillary Clinton, por serem muito transparentes sobre como usariam as forças americanas, ou reagiriam às ameaças militares.

 

Últimas Notícias

Atos em Brasília marcam os 50 anos da Receita Federal
Temer pede que brasileiros reflitam sobre questão racial
Grafiteira faz mural de 500 m2 no Rio para homenagear mulheres negras
Dia da Consciência Negra é comemorado no Rio com homenagem a Zumbi
Estados poderão decidir se darão aulas a distância no ensino médio
Moro escolhe delegados da Lava Jato para PF e departamento do MJ
Estudante poderá escolher área a ser avaliada no segundo dia do Enem
PF prende suspeitos de ligações com facções criminosas em sete estados

MAIS NOTICIAS

 

Estimativa do mercado para inflação cai pela quarta vez seguida
 
 
Autoridades de Cuba anunciam retorno de médicos antes do fim do ano
 
 
Guatemala monitora atividades de vulcão que pode ter novas erupções
 
 
Ex-CEO da Nissan é preso no Japão suspeito de reduzir próprio lucro
 
 
Governador eleito do Rio promete nova concessão para o Maracanã
 
 
Relatório alerta que há 45 barragens sob ameaça de desabamento

 


 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2019 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212