Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


19 de Mar de 2019 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Família de Marielle Franco participa de missa no centro do Rio - Jornal Brasil em Folhas
Família de Marielle Franco participa de missa no centro do Rio


Uma missa celebrada hoje (14) na Igreja de Nossa Senhora do Carmo da Antiga Sé, no centro do Rio, na data em que marca um mês do assassinato de Marielle Franco, reuniu amigos e parentes da vereadora do PSOL. O pai de Marielle, seu Antônio Francisco da Silva, disse que tem sido difícil seguir adiante, mas as homenagens e o apoio de amigos têm ajudado a amenizar o sofrimento. “Calaram a voz da minha filha covardemente. Sempre vou dizer covardemente, porque não deram nenhuma chance de defesa para a minha filha. Então, eles foram muito covardes nesse ato”, disse após a missa.

A mãe de Marielle, Marinete da Silva, falou sobre a angústia da espera pela elucidação do assassinato: “É duro. São 30 dias nessa espera, com a expectativa de que vai conseguir resolver de alguma maneira. Para mim, para a sociedade, para a família toda. A gente espera uma resposta porque não tem explicação para o que fizeram com a minha filha. Foi cruel. Acho que para todos que conheciam a história dela e para mim, como mãe, é muito difícil. Tem sido dias de muita dor e muito luto para a gente

Para Marinete, o assassinato da filha além de ser cruel foi “macabro”. “Não se cogita em época nenhuma se enterrar filho e eu enterrei minha filha de uma maneira precoce, trágica e dolorosa demais pelo que fizeram”, disse.

As manifestações e homenagens que estão ocorrendo mundo a fora também são motivo de força para a família. “A gente tem se apegado muito a isso e é unir forças mesmo. Enquanto o mundo clamar, vamos esperar por uma resposta. A gente quer e precisa, disse Marinete ao ressaltar que confia no trabalho de investigação: Eu confio muito no trabalho que está sendo feito e vou confiar sempre que eles vão resolver [o crime]”.

Anielle Franco, irmã de Marielle, disse que as manifestações que tem ocorrido no Brasil e fora do país mostram que houve um reconhecimento do trabalho da irmã, embora infelizmente isso tenha ocorrido apenas após a morte dela. “A gente espera por justiça e a gente espera mais do que quem fez, mas quem mandou fazer. Queria muito saber, porque a pessoa arquitetou muito bem esse crime. Quem foi o autor intelectual desse crime e por quê? Ela dialogava tanto, porque não tentar o diálogo?”, questionou.

Anielle falou também sobre a falta que Marielle faz para a família. Ela contou que sua filha Mariah, de 2 anos, sempre pede para que ligue pelo celular para falar com a tia. “Ela era aquela que chegava, eu ficava realmente atrás dos panos e esperava ela decidir em alguns momentos. Vamos almoçar onde? A gente vai sair? Já marquei tudo, já reservei e a gente só ia na onda. Tem sido complicado. Ela, além de tudo, era uma amigona para quem eu ligava nos momentos desesperados da vida. A gente tem tentado juntar os cacos para tentar seguir a vida”, disse.
Rio de Janeiro - A irmã de Marielle, Anielle Franco, com a filha Mariah de dois anos, na missa celebrada por ocasião de um mês do assassinato da vereadora, na Igreja Nossa Senhora do Carmo da Antiga Sé, no centro do Rio

A irmã de Marielle, Anielle Franco, com a filha Mariah de dois anosCristina Indio do Brasil/Agência Brasil

A irmã da vereadora disse que a família não pediu qualquer medida de proteção e nem tem intenção de sair da cidade ou do país, até mesmo porque não sabe a motivação do crime. “A gente não sabe de onde veio e não tem nem condição financeira de mudar a família toda. Eu tenho uma filha. A Luyara [filha de Marielle] passou agora para uma universidade pública. Como a gente pega e sai de um lugar, de uma cidade, de um país? Mas a gente não tem tido proteção nenhuma. Estamos mantendo a rotina normal, não sei se deveríamos, mas é o que estamos fazendo”.

A assessora que estava no carro com Marielle no momento do crime se mudou do país junto com a família.

Missa

A atriz Sophie Charlotte e o marido, o ator Daniel Oliveira, também acompanharam a missa e levaram o filho Otto. Para Sophie, a morte de Marielle não pode ficar esquecida. “Foi há um mês. Ainda não foi solucionado o caso. Os responsáveis ainda não foram encontrados e acho que nossa presença aqui também é uma maneira de mostrar que estamos atentos”, disse.

A família de Anderson Gomes, que dirigia o carro em que a vereadora estava e morreu com três tiros nas costas não estava presente. Segundo Anielle os parentes do motorista estão em um retiro espiritual.

Edição: Denise Griesinger

 

Últimas Notícias

Sul e Sudeste se unem e formam consórcio para ações conjuntas
Copom inicia reunião nesta terça para definir taxa básica de juros
Mercado reduz projeção de crescimento da economia de 2,28% para 2,01%
Atividade econômica tem queda de 0,41% em janeiro, diz BC
Governo lança edital de estudos para concessão de 22 aeroportos
Governo do Rio anuncia rompimento da concessão do Maracanã
Feiras em São Paulo oferecem oportunidades de intercâmbio no exterior
Treze de 16 docentes relataram casos de agressão na escola de Suzano

MAIS NOTICIAS

 

Sul do Chile enfrenta 45 focos de incêndios florestais
 
 
Governo de Minas oferece suporte psicossocial às vítimas de Brumadinho
 
 
Força Nacional de Segurança começa a deixar o Ceará
 
 
Licitação de ônibus em São Paulo tem contratos de R$ 71 bi em 20 anos
 
 
Força Nacional vai atuar em Belém na primeira quinzena de março
 
 
Fiocruz alerta para agravamento de doenças na população após tragédia

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212