Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


16 de Nov de 2018 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Síria e Venezuela monopolizam debates na Cúpula das Américas - Jornal Brasil em Folhas
Síria e Venezuela monopolizam debates na Cúpula das Américas


O temor de uma escalada militar no Oriente Médio após os ataques seletivos dos Estados Unidos na Síria e a situação da Venezuela monopolizaram a atenção da Cúpula das Américas, que se comprometeu a lutar contra a corrupção.

A maior parte dos governantes da região manifestou a sua preocupação pelo uso de armas químicas e alertou do risco de uma escalada no Oriente Médio, após o bombardeio ordenado na sexta-feira à noite pelo presidente americano, Donald Trump, contra alvos específicos do regime de Bashar al-Assad na Síria.

O presidente (Donald) Trump deixou claro que os Estados Unidos não tolerarão o uso de armas químicas contra homens, mulheres e crianças, disse o vice-presidente dos Estados Unidos, Mike Pence, em suas primeiras declarações públicas em Lima sobre o ataque coordenado com França e Grã-Bretanha na Síria.

Ausente em Lima, o grande protagonista desta 8ª Cúpula das Américas foi o presidente venezuelano, Nicolás Maduro.

A falta de democracia na Venezuela foi objeto de condenação e preocupação de boa parte dos países participantes, e houve clamor para que Maduro permita a entrada de ajuda.

Neste sábado, Maduro classificou o encontro de fracasso total.

Pretenderam nos excluir da Cúpula das Américas e o que fizeram foi fracassar (...). Foi um fracasso total!, disse Maduro durante um discurso dirigido a seus apoiadores, que marcharam em Caracas até o palácio presidencial de Miraflores.

Diante da impossibilidade de entrar em acordo para redigir na declaração da Cúpula uma condenação ao governo venezuelano e desconhecer as eleições de maio convocadas por Maduro, como vários países anunciaram, os 14 países do Grupo de Lima preparavam uma declaração independente.

De forma mais consensual, os governantes que participam da Cúpula em Lima aprovaram um compromisso contra a corrupção, tema principal deste encontro.

Adotemos ao início desta reunião o Compromisso de Lima Governabilidade Democrática Contra a Corrupção para expressar a firme vontade de acabar com esse flagelo, disse o presidente peruano, Martín Vizcarra, ao abrir a primeira sessão plenária da Cúpula.

Imediatamente, os presidentes aprovaram por aclamação esse documento, algo que tradicionalmente é feito ao fim de uma reunião e não em sua primeira sessão de trabalho.

O documento de 57 pontos, que não tem poder vinculante, mas fixa uma meta a ser alcançada por todos, havia sido acordado na sexta-feira em uma reunião de chanceleres, após ser negociado pelos países americanos durante sete meses.

O compromisso contempla avançar na luta contra a corrupção, em particular a prevenção e o combate dos subornos a funcionários públicos nacionais e estrangeiros, e adotar um marco legal para responsabilizar as pessoas jurídicas (entidades, empresas) por atos de corrupção.

Também promove a inclusão de cláusulas anticorrupção em todos os contratos do Estado (...) e estabelece registros de pessoas naturais e jurídicas vinculadas com atos de corrupção e lavagem de dinheiro para evitar sua contratação.

Propõe medidas que promovam a transparência nos gastos dos partidos políticos, principalmente de suas campanhas eleitorais, garantindo a origem lícita das contribuições, assim como sanções pela recepção de aportes ilícitos.

Reitero a convocação para conformar uma aliança regional contra a corrupção. E uma política de tolerância zero frente os corruptos, afirmou Vizcarra.

O Peru assumiu o desafio da luta frontal contra a corrupção. Essa é a prioridade do meu governo, acrescentou, em alusão a sua chegada ao poder há três semanas, após a renúncia de Pedro Pablo Kuczynski, envolvido em denúncias de corrupção.

Na sexta-feira, o Trump, que não foi a Lima para preparar uma resposta ao suposto uso de armas químicas pelo governo de Bashar al-Assad, ordenou atacar vários alvos sensíveis na Síria em coordenação com França e Grã-Bretanha, contando com o apoio da Otan.

Depois de aprovarem o compromisso contra a corrupção, os presidentes visitantes começaram seus discursos.

Neste sábado à tarde, Pence teve uma agenda cheia de reuniões bilaterais à margem do evento com os presidentes de Peru, Canadá, México, Colômbia, Argentina, Chile, e uma reunião multilateral com os líderes do Caribe.

A Cúpula termina neste sábado e, além da luta contra a corrupção, os presidentes poderiam discutir sobre a situação na Venezuela e um pedido americano para aumentar as sanções contra o governo de Nicolás Maduro.

 

Últimas Notícias

Presidente Díaz-Canel defende trabalho de médicos cubanos no Brasil
Ministério vai lançar edital para repor vagas de médicos cubanos
CFM afirma que há médicos suficientes para atender Brasil
Associação lança projeto para conscientizar população sobre diabetes 2
Transposição do S. Francisco está na pauta de prioridades da transição
Temer inaugura primeira etapa do acelerador de elétrons Sirius
Temer diz que decidirá “lá na frente” reajuste de ministros do STF
Só um governador do Nordeste participa de encontro em Brasília

MAIS NOTICIAS

 

Volume de vendas do varejo cai 1,3% em setembro
 
 
Gilmar Mendes suspende decisão que obriga bancos a ressarcir clientes
 
 
Prefeitos e secretários pedem para manter cubanos no Mais Médicos
 
 
Em depoimento, Lula nega que é dono de sítio em Atibaia
 
 
Mega-Sena acumula e pode pagar R$ 33 milhões no próximo sorteio
 
 
Enem: estudantes fazem hoje prova de matemática e ciências da natureza

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2019 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212