Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


16 de Jan de 2019 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Conheça os alvos dos ataques do Ocidente na Síria - Jornal Brasil em Folhas
Conheça os alvos dos ataques do Ocidente na Síria


Os ataques realizados neste sábado (14) na Síria por Estados Unidos, França e Grã-Bretanha se concentraram em contros de pesquisa e locais militares vinculados ao programa de armas químicas do governo de Bashar al-Assad, perto de Damasco e no centro do país.

Esses ataques foram lançados em reposta a um suposto ataque químico atribuído ao governo sírio, em 7 de abril, na cidade de Duma, que até então era o último reduto rebelde em Ghuta Oriental, a leste de Damasco.

- Três alvos precisos -

Washington indicou que os ataques ocidentais foram contra três alvos: um perto de Damasco e dois na província de Homs.

Nos arredores de Damasco, a capital, atacaram um centro de pesquisa, desenvolvimento, produção e testes de tecnologia química e biológica, explicou o chefe do Estado-Maior americano, o general Joe Dunford.

Um centro de pesquisa no bairro de Barzah, no limite nordeste de Damasco, foi alvo de mísseis que provocaram a destruição de um centro de formação e de laboratórios científicos, disse a agência oficial de notícias Sana.

Na província de Homs, atacaram um depósito de armas químicas, segundo afirmou o general Dunford. Estimamos que era ali onde se encontrava principalmente o gás sarin sírio e os primeiros equipamentos de produção, acrescentou.

O terceiro alvo, situado perto do segundo, foi um depósito para equipamentos de armas químicas e um importante posto de comando, continuou.

Os britânicos indicaram, por sua vez, que atacaram um complexo militar onde o regime supostamente conservava armas químicas, a 24 quilômetros a oeste da cidade de Homs.

Os ataques destruíram uma boa parte do arsenal químico do governo sírio, disse o chefe da diplomacia francesa, Jean-Yves Le Drian.

- Instalações conhecidas -

Segundo a organização Observatório Sírio de Direitos Humanos (OSDH), todos os alvos são sucursais do Centro de Estudos e Pesquisas Científicas da Síria (CERS), uma entidade que depende do Ministério da Defesa e suspeita de ser o principal laboratório a cargo de programas químicos, de acordo com os ocidentais.

No passado, os Estados Unidos acusaram esse centro de desenvolver gás sarin, uma arma que, segundo a ONU, foi usada em um ataque químico na localidade síria de Khan Sheikhun (noroeste), onde morreram mais de 80 civis em abril de 2017.

Depois desse ataque, os Estados Unidos anunciaram sanções financeiras contra 271 cientistas do CERS.

Mais recentemente, em janeiro de 2018, a França sancionou entidades e responsáveis de empresas diante da suspeita de que faziam parte das redes de aquisição desse centro.

- Sem atingir a Rússia -

Aliado do governo sírio, Moscou afirmou que nenhum dos ataques atingiu suas bases aéreas ou navais na Síria, situadas a noroeste do país.

A Rússia também indicou que, segundo as informações preliminares, não havia nenhuma vítima no seio da população civil, ou da armada síria.

De acordo com o OSDH, as instalações tidas como alvo estavam completamente vazias depois que as forças presentes foram evacuadas há mais de três dias.

A agência Sana indicou que três civis ficaram feridos em Homs depois que a defesa antiaérea síria desviou mísseis.

O Exército russo afirmou que a defesa antiaérea síria interceptou 71 dos 103 mísseis de cruzeiro lançados pelos Estados Unidos e por seus aliados.

 

Últimas Notícias

Mercado financeiro prevê inflação em 4,02% neste ano
Consultas de CPFs para vendas a prazo no comércio crescem 2,8%
Battisti ficará em isolamento por um ano em prisão na Sardenha
CNN Brasil será lançado neste ano
Toffoli nega habeas corpus preventivo para Battisti
ANP aprova credenciamento de empresa certificadora
Política de combate à inflação foi bem-sucedida, diz presidente do BC
Marcos Pontes: fusão de Embraer e Boeing preserva interesses do país

MAIS NOTICIAS

 

ANP aprova credenciamento de empresa certificadora
 
 
Política de combate à inflação foi bem-sucedida, diz presidente do BC
 
 
Marcos Pontes: fusão de Embraer e Boeing preserva interesses do país
 
 
Número de linhas de celular tem maior queda do ano em novembro
 
 
ANP: Petrobras pede prazo maior para definir quais campos vai explorar
 
 
Ex-presidente do Banco Central defende política econômica do governo

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212