Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


16 de Dez de 2018 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Não podemos contar com cenário favorável externo perpetuamente, diz Goldfajn - Jornal Brasil em Folhas
Não podemos contar com cenário favorável externo perpetuamente, diz Goldfajn


O cenário internacional ainda é favorável a economias emergentes como o Brasil, afirmou hoje (10) o presidente do Banco Central (BC), Ilan Goldfajn, em audiência na Comissão de Assuntos Econômicos do Senado.

“Em relação à economia internacional, o cenário externo tem se mostrado ainda favorável, na medida em que a atividade econômica cresce globalmente. Isso tem contribuído até o momento para manter o apetite ao risco em relação a economias emergentes. Apesar de o cenário internacional encontrar-se ainda benigno, não podemos contar com essa situação perpetuamente”, disse.

Goldfajn acrescentou que o Brasil “tem amortecedores robustos e, por isso, está menos vulnerável a choques internos ou externos”.

Ele citou as reservas internacionais, que correspondem a cerca de 20% do Produto Interno Bruto (PIB – soma de todos os bens e serviços produzidos no país), e um menor estoque de swaps cambiais, que funcionam como um seguro em momentos turbulentos do mercado de câmbio. “Com isso, o Banco Central dispõe de mais espaço para combater eventuais choques”, assegurou.

Inflação em queda

No ambiente doméstico, Goldfajn destacou a redução da inflação, a queda das taxas de juros e a recuperação da economia. A inflação, acumulada em 12 meses, foi reduzida de 10,7% em 2015 para 2,7% em março deste ano.

“Portanto, uma queda significativa. A inflação projetada para 2018 e para os próximos anos está sob controle, convergindo para as metas. Esse cenário tornou adequado o processo de flexibilização monetária: a taxa de juros Selic recuou [7,75 pontos percentuais] desde outubro de 2016, chegando a 6,50%, um mínimo histórico”, afirmou.

“O Brasil precisa continuar no caminho de ajustes e reformas, em especial, as medidas de ajuste fiscal e a reforma da Previdência, para manter a inflação baixa, a queda da taxa de juros estruturais e a recuperação sustentável da economia”, disse o presidente do Banco Central.

Edição: Kleber Sampaio

 

Últimas Notícias

Instituições financeiras reduzem previsão de déficit primário em 2018
Valor do seguro obrigatório cairá 63,3% em 2019
Eletrobras: suspensão de leilão se estende a Amazonas Energia
BNDES voltará a subscrever ações de empresas
Juros do cheque e empréstimo pessoal em 2018 foram menores que em 2017
São Paulo fecha ano com 9,9 milhões de empregos formais no comércio
Governo libera 100% de capital estrangeiro nas aéreas nacionais
BNDES fecha o ano com desembolsos de R$ 71 bilhões

MAIS NOTICIAS

 

Mega-Sena sorteia hoje prêmio de R$ 36 milhões
 
 
Câmara aprova incentivos fiscais a Sudene, Sudam e Centro-Oeste
 
 
Governadores discutem hoje segurança pública; Moro deve participar
 
 
Doria diz a Moro que estados precisam de recursos para a segurança
 
 
João de Deus afirma estar à disposição da Justiça
 
 
CGU recupera R$ 7,23 bilhões para os cofres públicos este ano

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2019 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212