Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


19 de Abr de 2019 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Não podemos contar com cenário favorável externo perpetuamente, diz Goldfajn - Jornal Brasil em Folhas
Não podemos contar com cenário favorável externo perpetuamente, diz Goldfajn


O cenário internacional ainda é favorável a economias emergentes como o Brasil, afirmou hoje (10) o presidente do Banco Central (BC), Ilan Goldfajn, em audiência na Comissão de Assuntos Econômicos do Senado.

“Em relação à economia internacional, o cenário externo tem se mostrado ainda favorável, na medida em que a atividade econômica cresce globalmente. Isso tem contribuído até o momento para manter o apetite ao risco em relação a economias emergentes. Apesar de o cenário internacional encontrar-se ainda benigno, não podemos contar com essa situação perpetuamente”, disse.

Goldfajn acrescentou que o Brasil “tem amortecedores robustos e, por isso, está menos vulnerável a choques internos ou externos”.

Ele citou as reservas internacionais, que correspondem a cerca de 20% do Produto Interno Bruto (PIB – soma de todos os bens e serviços produzidos no país), e um menor estoque de swaps cambiais, que funcionam como um seguro em momentos turbulentos do mercado de câmbio. “Com isso, o Banco Central dispõe de mais espaço para combater eventuais choques”, assegurou.

Inflação em queda

No ambiente doméstico, Goldfajn destacou a redução da inflação, a queda das taxas de juros e a recuperação da economia. A inflação, acumulada em 12 meses, foi reduzida de 10,7% em 2015 para 2,7% em março deste ano.

“Portanto, uma queda significativa. A inflação projetada para 2018 e para os próximos anos está sob controle, convergindo para as metas. Esse cenário tornou adequado o processo de flexibilização monetária: a taxa de juros Selic recuou [7,75 pontos percentuais] desde outubro de 2016, chegando a 6,50%, um mínimo histórico”, afirmou.

“O Brasil precisa continuar no caminho de ajustes e reformas, em especial, as medidas de ajuste fiscal e a reforma da Previdência, para manter a inflação baixa, a queda da taxa de juros estruturais e a recuperação sustentável da economia”, disse o presidente do Banco Central.

Edição: Kleber Sampaio

 

Últimas Notícias

Ex-presidente do Peru tenta se matar ao receber ordem de prisão
Ex-presidente do Peru está em estado grave após tentativa de suicídio
Governo argentino lança pacote de medidas para combater inflação
PRF apreende no Rio 300 mil maços de cigarros contrabandeados
Famílias de baixa renda de Brumadinho recebem auxílio emergencial
Governo autoriza uso da Força Nacional para segurança na Esplanada
Chega a 18 número de mortos no desabamento no Rio de Janeiro
Fachin pede manifestação de Moraes sobre inquérito de fake news

MAIS NOTICIAS

 

Copom inicia reunião nesta terça para definir taxa básica de juros
 
 
Mercado reduz projeção de crescimento da economia de 2,28% para 2,01%
 
 
Atividade econômica tem queda de 0,41% em janeiro, diz BC
 
 
Governo lança edital de estudos para concessão de 22 aeroportos
 
 
Governo do Rio anuncia rompimento da concessão do Maracanã
 
 
Conflitos e segurança poderão contar pontos na avaliação de escolas

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2019 - BRASIL EM FOLHAS S/A - EXPEDIENTE