Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


20 de Fev de 2019 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Laboratório japonês testará detecção de câncer com amostras de urina - Jornal Brasil em Folhas
Laboratório japonês testará detecção de câncer com amostras de urina


Um laboratório japonês vai iniciar o que apresenta como os primeiros testes no mundo destinados a detectar o câncer por meio da análise de amostras de urina, o que facilitaria o diagnóstico da doença.

O grupo Hitachi desenvolve há dois anos uma tecnologia que pretende detectar o câncer de mama ou do colo a partir de exames de urina.

Agora a empresa vai começar a fase de testes com base em 250 amostras para determinar se estas podem ser analisadas a temperatura ambiente, informou o porta-voz da Hitachi, Chiharu Odaira.

Se este método for colocado em prática, será muito mais simples para as pessoas passar por exames para a detecção do câncer, já que não precisarão mais comparecer a um laboratório para um exame de sangue, completou.

O laboratório também trabalha na detecção de câncer nas crianças.

Esta técnica seria menos invasiva que os exames de sangue e revelaram ser promissores no diagnóstico de oito tipos de tumores antes de sua propagação para outras partes do corpo, segundo estudos publicados no início do ano nos Estados Unidos.

Os métodos comuns de diagnóstico do câncer de mama consistem em uma mamografia seguida de uma biópsia no caso de detecção de risco.

Para o câncer do colo é necessário um exame de fezes e uma colonoscopia para os pacientes de risco.

A tecnologia da Hitachi se concentra no estudo de biomarcadores, indicadores característicos de uma doença, nos resíduos encontrados na urina, explicou a empresa em um comunicado.

O procedimento tem por objetivo melhorar o diagnóstico precoce do câncer, para salvar vidas e reduzir os custos, explicou Odaira.

A experiência vai acontecer de abril a setembro em cooperação com a Universidade de Nagoya, no centro do Japão.

Nosso objetivo é utilizar esta tecnologia até 2020, mas isto dependerá de vários parâmetros, incluindo a obtenção das autorizações, completou Odaira.

 

Últimas Notícias

Brasil perdeu 7,2 milhões de linhas de celular no ano passado
Petrobras reduz em 3% GLP empresarial nas refinarias
Ministro do STJ nega pedido de prisão domiciliar a João de Deus
Escassez de chuvas leva governo a acionar termelétricas mais caras
Picciani, Paulo Melo e Albertassi serão julgados por Bretas
Suspensa permissão para deputada receber denúncias contra professores
MPT não descarta pedir bloqueio dos bens do Flamengo
Número de mortos identificados em Brumadinho chega a 151

MAIS NOTICIAS

 

Sul do Chile enfrenta 45 focos de incêndios florestais
 
 
Governo de Minas oferece suporte psicossocial às vítimas de Brumadinho
 
 
Força Nacional de Segurança começa a deixar o Ceará
 
 
Licitação de ônibus em São Paulo tem contratos de R$ 71 bi em 20 anos
 
 
Força Nacional vai atuar em Belém na primeira quinzena de março
 
 
Fiocruz alerta para agravamento de doenças na população após tragédia

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212