Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


15 de Nov de 2018 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Mobilização de países árabes sobre Jerusalém é fachada, dizem analistas - Jornal Brasil em Folhas
Mobilização de países árabes sobre Jerusalém é fachada, dizem analistas


Os dirigentes árabes adotaram em uma cúpula uma postura firme contra a decisão dos Estados Unidos de reconhecer Jerusalém como capital de Israel e transferir sua embaixada para a Cidade Santa, mas os analistas duvidam que as palavras se traduzam em ações.

A 29ª Cúpula Árabe, que o rei Salman da Arábia Saudita chamou de Cúpula de Jerusalém, tachou de ilegítima a decisão adotada pelos Estados Unidos no fim de 2017.

Jerusalém Oriental continuará sendo a capital da Palestina árabe, afirmaram os dirigentes. O rei saudita anunciou a doação de 150 milhões de dólares para apoiar a administração dos bens islâmicos na parte leste (palestina) ocupada e anexada por Israel.

Na prática, os analistas consideram que nem a Arábia Saudita nem os outros países árabes parecem dispostos a ir além de declarações, e se colocarem contra Washington em um contexto de forte tensão entre Riad e Irã.

Em 6 de dezembro, o presidente americano, Donald Trump, enfureceu os palestinos ao anunciar o reconhecimento de Jerusalém como capital de Israel e a transferência da embaixada dos Estados Unidos de Tel Aviv para a Cidade Santa, rompendo com décadas de consenso internacional.

Os palestinos, que querem converter a parte oriental de Jerusalém na capital do Estado ao qual aspiram, congelaram os contatos com os responsáveis americanos.

Em termos gerais, as cúpulas da Liga Árabe têm mais retórica do que ação. Não acho que isso vá além de declarações. O essencial para a Arábia Saudita é a relação com Washington, afirma Denis Bauchard, especialista em Oriente Médio do Instituto Francês de Relações Internacionais (Ifri).

De fato, em coletiva de imprensa ao fim da Cúpula de Dhahran (leste), o ministro saudita das Relações Exteriores, Adel al-Jubeir, atenuou as críticas afirmando que seu país continuará tendo relações fortes e estratégicas com os Estados Unidos.

- Inimigo em comum -

No começo de abril, o poderoso príncipe herdeiro saudita Mohammed bin Salman, de 32 anos, considerou que os israelenses também têm o direito ao seu próprio Estado, no que se pode interpretar como um sinal de aproximação com Israel, com quem Riad compartilha o inimigo: Irã.

O governo Trump prevê inaugurar em maio a embaixada americana em Jerusalém para que coincida com o 70º aniversário da criação de Israel - 14 de maio no calendário ocidental.

Ghasan al-Jatib, professor universitário e ex-ministro palestino, considera que os dirigentes árabes não são capazes (de enfrentar Trump diretamente) e tampouco querem arriscar suas relações com os Estados Unidos.

A especialista palestina Nur Odeh concorda com ele: Levando em conta o alcance dos problemas no mundo árabe, nenhum governo enfrentará Trump.

Um responsável árabe, que pediu anonimato, resume: Tentam melhorar o máximo possível a posição dos palestinos, mas não chegarão ao confronto com os Estados Unidos.

- Ameaça iraniana -

Segundo Karim Biyst, do Instituto de Relações Internacionais e Estratégicas (Iris), os sauditas estão tão preocupados com a ameaça iraniana que se dão conta de que poderiam ter que coordenar os esforços anti-iranianos com Estados Unidos e Israel.

A Arábia Saudita (sunita) e o Irã (xiita) há anos estão envolvidos em conflitos na Síria, no Iêmen, Iraque e Líbano, nos quais apoiam partes que se enfrentam.

A cada ano, a cúpula rechaça as ingerências iranianas nos assuntos dos países árabes e denuncia as tentativas de romper a segurança regional.

A Arábia Saudita e os Emirados Árabes Unidos afirmam que o Irã aproveitou o acordo nuclear para agir na região, explica Khalil Harb, redator-chefe do Diario, um site especializado em assuntos do Golfo.

Donald Trump considera que este acordo apresenta lacunas e deu até 12 de maio às potências europeias para endurecê-lo, sob a ameaça de se retirar.

Em um contexto político como esse, Riad não quer colocar em apuros ou incomodar os Estados Unidos, conclui Harb.

 

Últimas Notícias

Presidente Díaz-Canel defende trabalho de médicos cubanos no Brasil
Ministério vai lançar edital para repor vagas de médicos cubanos
CFM afirma que há médicos suficientes para atender Brasil
Associação lança projeto para conscientizar população sobre diabetes 2
Transposição do S. Francisco está na pauta de prioridades da transição
Temer inaugura primeira etapa do acelerador de elétrons Sirius
Temer diz que decidirá “lá na frente” reajuste de ministros do STF
Só um governador do Nordeste participa de encontro em Brasília

MAIS NOTICIAS

 

Volume de vendas do varejo cai 1,3% em setembro
 
 
Gilmar Mendes suspende decisão que obriga bancos a ressarcir clientes
 
 
Prefeitos e secretários pedem para manter cubanos no Mais Médicos
 
 
Em depoimento, Lula nega que é dono de sítio em Atibaia
 
 
Mega-Sena acumula e pode pagar R$ 33 milhões no próximo sorteio
 
 
Enem: estudantes fazem hoje prova de matemática e ciências da natureza

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2019 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212