Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


17 de Fev de 2019 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Ex-presidente da Câmara Municipal de BH é considerado foragido - Jornal Brasil em Folhas
Ex-presidente da Câmara Municipal de BH é considerado foragido


Seis pessoas foram presas preventivamente hoje (18) na Operação Sordidum Publicae (Político Sujo), deflagrada pelo Ministério Público de Minas Gerais e pela Polícia Civil do estado. Elas são suspeitas de participar de um esquema criminoso na Câmara Municipal de Belo Horizonte. Duas pessoas estão foragidas, entre as quais o vereador Wellington Magalhães, ex-presidente da Câmara, identificado como líder da organização criminosa.

Segundo o Ministério Público, o vereador “mantém suspeito poder político e econômico junto a diversos órgãos públicos locais”. A suspeita é que ele tenha direcionado uma licitação para contratação de serviços de publicidade para a Câmara, em favor da empresa MC.COM, causando prejuízo de mais de R$ 30 milhões aos cofres públicos municipais.

De acordo com as investigações, com o produto dos delitos praticados, o vereador e sua ex-mulher adquiriram bens móveis e imóveis de luxo, veículos importados e fizeram viagens internacionais. “Ficou comprovado que todos os bens e serviços, totalizando quase R$ 5 milhões, foram adquiridos durante o mandato de vereador e presidente da Câmara Municipal de BH do investigado, em absoluta desproporção com a única fonte de renda do acusado constituída pelo subsídio de vereador”, informou o Ministério Público.

“A Polícia Civil continua no encalço desse indivíduo, estamos nos movimentando por toda a cidade no intuito de prendê-lo preventivamente ainda hoje”, disse o delegado da Polícia Civil Fernando Lima.

O outro foragido é Rodrigo Dutra, assessor do parlamentar. A ex-mulher do vereador, Kelly Jaqueline Maciel Magalhães, foi presa hoje, além de Marcus Ribeiro, Marcio Fagundes, Christiane Ribeiro, Frederico Ribeiro Guedes e Paulo Victor Damasceno Ribeiro.

A Agência Brasil buscou contato com a assessoria do vereador, que respondeu: nada a declarar. A reportagem continua tentando contato com a defesa dos demais suspeitos.

Edição: Nádia Franco

 

Últimas Notícias

Governadores pedem ao STF julgamento de processos sobre repasses
Ministro quer atrair investimentos privados para Jardim Botânico do RJ
Fies vai oferecer 100 mil vagas a juro zero para alunos de baixa renda
TJ libera R$ 13 milhões para Vale ressarcir gastos do governo mineiro
Vale pede mais tempo para analisar Termo de Ajuste Preliminar
Deputados do Rio presos podem ter posses suspensas
Vale suspende operação em barragem em Brucutu e de mina em Brumadinho
TRE-RJ mantém ex-deputado Paulo Melo inelegível até 2024

MAIS NOTICIAS

 

Sul do Chile enfrenta 45 focos de incêndios florestais
 
 
Governo de Minas oferece suporte psicossocial às vítimas de Brumadinho
 
 
Força Nacional de Segurança começa a deixar o Ceará
 
 
Licitação de ônibus em São Paulo tem contratos de R$ 71 bi em 20 anos
 
 
Força Nacional vai atuar em Belém na primeira quinzena de março
 
 
Fiocruz alerta para agravamento de doenças na população após tragédia

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212