Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


19 de Fev de 2019 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Fuga de valores predomina em momentos de radicalismo, diz ator - Jornal Brasil em Folhas
Fuga de valores predomina em momentos de radicalismo, diz ator


No momento de polarização na política, em que os ânimos estão permanentemente acirrados, o ator Leonardo Miggiorin, de 36 anos, diz que a peça que está em cartaz O louco e a camisa é um alerta necessário. Nela, o ator faz o papel de um filho que a família esconde por ser o louco. Porém, a trama mostra que o louco é o sensato, que adverte sobre hipocrisia humana e fuga de valores. O desabafo de Miggiorin é o ponto alto do programa Conversa com Roseann Kennedy, da TV Brasil, que vai ao ar nesta segunda-feira (23), às 21h15

Não é só a questão cultural que tá difícil, né? O Brasil tá difícil! Parece que a gente tá passando por uma catarse, com essa coisa da purificação. Então vamos tirar a poeira de baixo do tapete, primeiro olhar para essa poeira e ver como a gente vai limpar isso. Então é um processo longo, de décadas”, afirmou Leonardo Miggiorin, que tem carreira no teatro, no cinema e na TV.

Em tempos de superexposição nas redes sociais, ele adverte sobre a intolerância.“Eu penso antes de falar, penso antes de postar alguma coisa. Mas acho que todo mundo tem necessidade de ter voz. Então, a rede social hoje preenche uma lacuna. Hoje todo mundo pode falar. Não sei se todo mundo vai ser ouvido, se todo mundo vai ser lido, porque tá todo mundo mais interessado em postar do que ler”, diz.

Nos palcos há 24 anos, ficou conhecido ao atuar como o tímido Zezinho, na minisérie “Presença de Anita”. Na entrevista com Roseann Kennedy, ele defende a arte como meio de contestação e crítica. A minha fala é através da arte. A bandeira que eu levanto é a bandeira humanista, de agregar, não de segregar. Tá na hora de a gente se mexer e fazer um mundo melhor.”


Nascido em Barbacena (MG), Miggiorin é psicólogo de formação, mas foi na arte que se encontrou. Além de atuar, ele pinta e toca teclado e violão. A psicologia está na minha vida e sempre esteve. Até pelos meus personagens, pelas histórias todas que eu gosto de contar e de estudar”. E complementa: “Acho que o que me fascina no mundo são as relações, as pessoas, as emoções, toda a experiência humana. Tanto na arte como na psicologia. Mas, na arte, eu me expresso emocionalmente e extravaso as minhas emoções. Eu transformo a mim mesmo primeiro e, com essa transformação, eu posso vir a transformar alguém”, afirma.

Reflexivo, Maggiorin sintetiza o que representa o momento atual, parafraseando o escritor Guimarães Rosa: O senhor sabe o que é o silêncio? É a gente mesmo demais!”

Edição: Graça Adjuto

 

Últimas Notícias

Brasil perdeu 7,2 milhões de linhas de celular no ano passado
Petrobras reduz em 3% GLP empresarial nas refinarias
Ministro do STJ nega pedido de prisão domiciliar a João de Deus
Escassez de chuvas leva governo a acionar termelétricas mais caras
Picciani, Paulo Melo e Albertassi serão julgados por Bretas
Suspensa permissão para deputada receber denúncias contra professores
MPT não descarta pedir bloqueio dos bens do Flamengo
Número de mortos identificados em Brumadinho chega a 151

MAIS NOTICIAS

 

Sul do Chile enfrenta 45 focos de incêndios florestais
 
 
Governo de Minas oferece suporte psicossocial às vítimas de Brumadinho
 
 
Força Nacional de Segurança começa a deixar o Ceará
 
 
Licitação de ônibus em São Paulo tem contratos de R$ 71 bi em 20 anos
 
 
Força Nacional vai atuar em Belém na primeira quinzena de março
 
 
Fiocruz alerta para agravamento de doenças na população após tragédia

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212