Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


21 de Fev de 2019 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Ataques a tiros em escolas explodiram em 20 anos, aponta estudo - Jornal Brasil em Folhas
Ataques a tiros em escolas explodiram em 20 anos, aponta estudo


Ataques a tiros em escolas americanas estão se alastrando rapidamente, matando mais pessoas nos últimos 18 anos que em todo o século XX, apontou uma pesquisa da Revista de Estudos da Criança e da Família.

O estudo analisou ataques a tiros em massa - eventos nos quais pelo menos um atirador matou ou feriu intencionalmente pelo menos quatro outras pessoas - e as taxas de mortalidade em escolas americanas para crianças e adolescentes de 5 a 18 anos desde 1940.

Foram desconsiderados tiroteios envolvendo gangues, ou ataques em universidades.

Os Estados Unidos não tinham ataques que se encaixassem em nosso critério até 1940, quando o diretor júnior de uma escola de Ensino Médio matou o superintendente, o diretor, o gerente de negócios do distrito e dois professores, antes de tentar se matar, porque achava que seria demitido ao fim do ano letivo, afirma o estudo.

Os pesquisadores não encontraram ataques a tiros nos anos 50 e 60, seguidos de um crescimento estável iniciado com um ataque a tiros em 1979 orquestrado por uma adolescente de 16 anos com deficiências mentais, que começou o ataque em uma escola primária, matando dois adultos e ferindo oito estudantes e um adulto , explica.

Desde então, os anos 90 foram um pico, quando 36 pessoas foram mortas em 13 ataques com armas de fogo, aponta.

Entre 2000 e 2018, pesquisadores somaram 66 mortes em 13 ataques a tiros em massa em escolas. O volume é mais alto que os 55 mortos em 22 ataques nas seis décadas de 1940 a 1999.

Em menos de 18 anos, já vimos mais mortes relacionadas a ataques a tiros em escolas que em todo o século XX, disse o autor principal, Antonis Katsiyannis, da Clemson University.

Uma tendência alarmante é que a ampla maioria dos atiradores do século XXI eram adolescentes. Isso sugere que hoje é mais fácil para eles terem acesso a armas e que eles sofrem mais frequentemente de deficiências mentais ou capacidades limitadas de resolução de conflitos.

Sessenta porcento dos ataques a tiros em escolas nos Estados Unidos no século XX foram conduzidos por adolescentes com idades entre 11 e 18 anos. No século atual, foram 77%.

O estudo alertou que o número de mortes e de tiroteios não oferecem uma ligação clara para mais problemas de adolescentes, ou armas de alta potência, como causalidade, mas disse que as tendências devem ser observadas.

A violência com armas de fogo no país é uma epidemia, que deve ser resolvida, conclui o estudo. A pesquisa pede maior pesquisa de antecedentes, proibição de armas de assalto e maior apoio para tratamentos psiquiátricos.

 

Últimas Notícias

Brasil perdeu 7,2 milhões de linhas de celular no ano passado
Petrobras reduz em 3% GLP empresarial nas refinarias
Ministro do STJ nega pedido de prisão domiciliar a João de Deus
Escassez de chuvas leva governo a acionar termelétricas mais caras
Picciani, Paulo Melo e Albertassi serão julgados por Bretas
Suspensa permissão para deputada receber denúncias contra professores
MPT não descarta pedir bloqueio dos bens do Flamengo
Número de mortos identificados em Brumadinho chega a 151

MAIS NOTICIAS

 

Sul do Chile enfrenta 45 focos de incêndios florestais
 
 
Governo de Minas oferece suporte psicossocial às vítimas de Brumadinho
 
 
Força Nacional de Segurança começa a deixar o Ceará
 
 
Licitação de ônibus em São Paulo tem contratos de R$ 71 bi em 20 anos
 
 
Força Nacional vai atuar em Belém na primeira quinzena de março
 
 
Fiocruz alerta para agravamento de doenças na população após tragédia

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212