Assine Brasil em Folhas / Nuvem / Pressreader



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


21 de Sep de 2018 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade
 

...

...

 
Notícias
 Justiça nega prorrogação de contrato da Rodrimar no Porto de Santos - Jornal Brasil em Folhas
Justiça nega prorrogação de contrato da Rodrimar no Porto de Santos


A Justiça Federal negou o pedido da empresa Rodrimar de manutenção do contrato de arrendamento que tem no Porto de Santos (SP), junto à Companhia Docas do Estado de São Paulo (Codesp). O contrato de arrendamento da Rodrimar com a Docas está vencido, e a companhia solicitava sua prorrogação. A decisão é do juiz federal Décio Gabriel Gimenez, da 3a Vara Federal em Santos.

No pedido, a Rodrimar lembra que tornou-se arrendatária do terminal portuário Saboó em 1991, por meio do contrato 12/91, que previa a armazenagem e movimentação de mercadorias de importação e exportação, pelo Porto de Santos, com prazo de 10 anos e uma prorrogação por igual período. O arrendamento não impunha licitação para esse tipo de serviço.

A empresa argumenta, na solicitação, que a Codesp descumpriu cláusulas do contrato e que isso acarretou “déficits operacionais em razão do desequilíbrio econômico-financeiro do contrato”. Por isso, solicitava mais uma prorrogação contratual.

Na decisão, o juiz Décio Gimenez diz que o pedido “está em conflito com a legislação vigente e com os princípios aplicáveis à administração pública”. Segundo Gimenez, o Artigo 175 da Constituição Federal impõe que a prestação de serviços públicos mediante o regime de concessão seja sempre precedida de licitação. “Assim, por qualquer ângulo que se analise a questão, a pretensão de prorrogação contratual à revelia da legislação vigente e em detrimento da modernização dos serviços portuários, da realização de licitação e de outorga do objeto ao vencedor é ilegal, abusiva e contraria o interesse público”, diz o juiz.

Para Décio Gimenez, se houve algum desequilíbrio econômico-financeiro em consequência do contrato de arrendamento, a empresa poderia pedir uma indenização, e não a prorrogação de contrato.

Em nota, a Rodrimar afirma que respeita a decisão da Justiça Federal e que apresentará recurso, assim que for intimada. A empresa diz ainda que suas operações continuam normalmente até decisão final da Justiça”.

Edição: Nádia Franco

 

Últimas Notícias

Deputado Marlúcio promove caminhonetadas em várias regiões de Aparecida
Dia da Árvore: desmatamento vem caindo, mas ainda há desafios
Brincar com os quatro elementos da natureza ajuda a criança a se desenvolver melhor
Meninas que praticam esportes, cuidado com a alimentação!
Indústria paulista fecha 2,5 mil postos de trabalho em agosto
Aneel descarta revisão de bandeira tarifária em conta de luz
BNDES: empréstimos para Cuba e Venezuela não deveriam ter sido feitos
Brasil amplia investimento em educação infantil, diz OCDE

MAIS NOTICIAS

 

Toffoli toma posse hoje na presidência do STF
 
 
Chanceler do Paraguai visita Brasil para negociar construção de pontes
 
 
Indústria recua em oito dos 15 locais pesquisados pelo IBGE em julho
 
 
Brasil amplia investimento em educação infantil, diz OCDE
 
 
México investiga caso de deputadas forçadas a renunciar
 
 
A série de ataques de 11 de Setembro completa 17 anos

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212