Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


18 de Dez de 2018 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Indígenas de mais de 100 etnias fazem mobilização em Brasília - Jornal Brasil em Folhas
Indígenas de mais de 100 etnias fazem mobilização em Brasília


A partir de hoje (23), representantes de mais de 100 etnias estão reunidos no 15º Acampamento Terra Livre (ATL), no Memorial dos Povos Indígenas, em Brasília. A expectativa é que mais de 3 mil pessoas participem do encontro. Os indígenas apelam por mais atenção à demarcação de terras, cuidados com saúde e educação, assim como investimentos específicos.

Os apelos ocorreram em meio às divergências sobre a instalação do acampamento: os indígenas defendiam na Esplanada dos Ministérios, ao lado do Teatro Nacional Cláudio Santoro, mas o Governo do Distrito Federal não autorizou. Houve confusão e, depois, foi definido o local. Os indígenas deverão usar tendas de lona no Memorial.

O Acampamento Terra Livre é considerada a maior mobilização de indígenas do Brasil. Doutorando em Direito, o líder indígena Dinamam Tuxá pediu que as autoridades públicas invistam em um sistema de educação menos conservador. Segundo ele, é necessário respeitar o indígena de tal forma que não seja tratado como um ser exótico. De acordo com ele, o preconceito vem na infância, nos livros escolares, em que os indígenas aparecem nus e alheios à tecnologia.

Casada com um branco, a líder Telma Tapirapé é considerada uma rebelde entre os indígenas. Indiferente às críticas, ela incentiva a participação feminina nas mobilizações e elogiou a atuação das mulheres kaingang. Entre os indígenas, há o costume de ouvir apenas as lideranças, nem todos falam. Telma rompeu este hábito.
Brasília - Mulheres indígenas de todo o Brasil chegam ao Acampamento Terra Livre

Mulheres indígenas de todo o Brasil chegam ao Acampamento Terra Livre (Marcelo Camargo/Agência Brasil)

Se jogasse um alfinete no meio do salão, você o ouvia cair. Tava todo mundo calado. Eu disse: Agora, tão aqui as mulheres e elas precisam falar. Quando terminei, todo mundo aplaudiu e eu saí. Veio um branco e disse: Meu Deus, você acaba de quebrar um protocolo aí, contou Telma Tapirapé referindo-se a reuniões anteriores.

Consciente dos problemas que perpassam entre os indígenas e brancos, Telma Tapirapé costuma abordar a necessidade de ações de combate à dependência química e álcool, assim como o fortalecimento do empoderamento feminino. Segundo ela, uma das suas preocupações se concentram no atendimento às mulheres vítimas de violência de gênero.

Até o próximo dia 27, há programações intensas no Acampamento Terra Livre com reuniões plenárias, rituais, rezas, danças, lançamentos de publicações e a projeção de filmes e documentários.

Edição: Fernando Fraga

 

Últimas Notícias

Receita paga hoje as restituições do último lote do IRPF 2018
Mercado mantém estimativa de inflação em 3,71% este ano
BC anuncia que atividade econômica cresce 0,02% em outubro
Embraer e Boeing aprovam termos para fusão
Leilão da Ceal é adiado para o dia 28 de dezembro
Tesouro quitou no ano R$ 4,19 bi de estados e municípios inadimplentes
Paulo Guedes diz que pretende cortar até 50% das verbas do Sistema S
Com intervenção do BC, dólar começa semana em queda

MAIS NOTICIAS

 

Paulo Guedes diz que pretende cortar até 50% das verbas do Sistema S
 
 
Documentos de Ghosn são recolhidos de apartamento em Copacabana
 
 
COP24: países definem regras para implementar Acordo de Paris
 
 
Crise na Nicarágua se agrava, diz Comissão de Direitos Humanos da OEA
 
 
Regulamentação do mercado de carbono será decidida somente na COP 25
 
 
Coreia do Norte adverte EUA que sanções podem impedir desnuclearização

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2019 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212