Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


14 de Dez de 2018 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Capitão do tri de 70 fala sobre liderança e incentiva jovens para as Olimpíadas - Jornal Brasil em Folhas
Capitão do tri de 70 fala sobre liderança e incentiva jovens para as Olimpíadas


Com uma mensagem de “incentivo à garotada” que participará dos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro, de 5 a 21 de agosto, um dos líderes da seleção brasileira de futebol de 1970, que conquistou o tricampeonato mundial no México, Carlos Alberto Torres, falou hoje (15), no Rio, sobre sua experiência e a liderança que exerceu durante a carreira de jogador, tendo sido o mais jovem capitão a erguer o troféu da Copa do Mundo, na época com 25 anos de idade.

O ex-jogador do Fluminense e do Santos foi o palestrante da Super Rio Expofood, no Riocentro, em Jacarepaguá, zona Oeste da cidade. Carlos Alberto Torres disse que é sempre solicitado a falar da Seleção de 1970 porque, “até hoje, ela é reconhecida como o melhor time de seleção de todos os tempos” e a conquista do título de campeã mundial de futebol foi importante para o país naquele momento, disse.

Durante a carreira no futebol, ele jogou ao lado de craques como Pelé, Zico, Coutinho, Gilmar, Mauro e Pepe, entre outros. O normal, numa disputa de Copa do Mundo naquela época, eram capitães com mais experiência, com 28 a 29 anos de idade, “e eu, com 25 anos, fui capitão da seleção de 70 e já era, desde 1968, na seleção, quando tinha 22 anos”.

Como capitão, Carlos Alberto Torres foi adquirindo experiência e “soltando” suas atitudes: “Como capitão, você tem que ser uma pessoa expansiva, tem que falar para mostrar a liderança que possui. Era o meu caso. Sempre fui assim. Falava com meus companheiros. Por isso, as pessoas até hoje me reconhecem como capitão”. Hoje, as pessoas que encontra na rua o chamam pelo nome, “capitão”, ou “capita” e “Isso é gratificante pra burro!”

Mesmo os jogadores da atual seleção do Brasil, quando o encontram, o chamam de capitão: “Para mim, é muito bacana. Tenho orgulho de ter sido um bom capitão pela reação que tenho das pessoas e pelo carinho quando encontram comigo”. A liderança, segundo o “capita”, é uma coisa natural, como ocorreu com Pelé, que, embora não tenha sido capitão do time, foi respeitado pelos companheiros e ajudou o capitão a fazer seu trabalho com a equipe. “A pessoa ou é (líder natural), ou não é”, resume Carlos Alberto.

Nesta quarta-feira (16), a palestra será do campeão do ex-jogador da seleção brasileira de vôlei Nalbert Tavares Bitencourt, que falará sobre o tema A Jornada de um Líder. Na quinta-feira (17), o ex-presidente do Banco Central, Henrique Meirelles, falará sobre “As Tendências da Economia Nacional e Internacional”. O evento é promovido pela Associação dos Supermercados do Rio de Janeiro (Asserj).

 

Últimas Notícias

Deputado Marlúcio entrega título de Cidadã Goiana a cantora Joelma
Fundo Nacional do Idoso é aprovado na Câmara
Aval do TCU é suficiente para cessão onerosa, dizem técnicos da Corte
Acordo possibilitará investimentos privados em segurança pública
Vazamento de óleo afetará reprodução da fauna em mangue, diz ONG
Temer e Bolsonaro lamentam tragédia em Campinas
Jungmann coloca PF à disposição para apuração de caso de Campinas
Ministro da Cultura inicia comemorações aos 200 anos da independência

MAIS NOTICIAS

 

Novo crediário para cartão é estudado para 2019, diz Febraban
 
 
Demanda por bens industriais cresce 0,3% em outubro
 
 
Diálogo Brasil debate projeto Escola sem Partido
 
 
Brasileiro é eleito para Associação Internacional de Seguridade Social
 
 
Polícia e MP de Goiás vão apurar denúncias contra médium João de Deus
 
 
ONG homenageia policiais militares mortos no estado do Rio

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2019 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212