Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


22 de Mar de 2019 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Capitão do tri de 70 fala sobre liderança e incentiva jovens para as Olimpíadas - Jornal Brasil em Folhas
Capitão do tri de 70 fala sobre liderança e incentiva jovens para as Olimpíadas


Com uma mensagem de “incentivo à garotada” que participará dos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro, de 5 a 21 de agosto, um dos líderes da seleção brasileira de futebol de 1970, que conquistou o tricampeonato mundial no México, Carlos Alberto Torres, falou hoje (15), no Rio, sobre sua experiência e a liderança que exerceu durante a carreira de jogador, tendo sido o mais jovem capitão a erguer o troféu da Copa do Mundo, na época com 25 anos de idade.

O ex-jogador do Fluminense e do Santos foi o palestrante da Super Rio Expofood, no Riocentro, em Jacarepaguá, zona Oeste da cidade. Carlos Alberto Torres disse que é sempre solicitado a falar da Seleção de 1970 porque, “até hoje, ela é reconhecida como o melhor time de seleção de todos os tempos” e a conquista do título de campeã mundial de futebol foi importante para o país naquele momento, disse.

Durante a carreira no futebol, ele jogou ao lado de craques como Pelé, Zico, Coutinho, Gilmar, Mauro e Pepe, entre outros. O normal, numa disputa de Copa do Mundo naquela época, eram capitães com mais experiência, com 28 a 29 anos de idade, “e eu, com 25 anos, fui capitão da seleção de 70 e já era, desde 1968, na seleção, quando tinha 22 anos”.

Como capitão, Carlos Alberto Torres foi adquirindo experiência e “soltando” suas atitudes: “Como capitão, você tem que ser uma pessoa expansiva, tem que falar para mostrar a liderança que possui. Era o meu caso. Sempre fui assim. Falava com meus companheiros. Por isso, as pessoas até hoje me reconhecem como capitão”. Hoje, as pessoas que encontra na rua o chamam pelo nome, “capitão”, ou “capita” e “Isso é gratificante pra burro!”

Mesmo os jogadores da atual seleção do Brasil, quando o encontram, o chamam de capitão: “Para mim, é muito bacana. Tenho orgulho de ter sido um bom capitão pela reação que tenho das pessoas e pelo carinho quando encontram comigo”. A liderança, segundo o “capita”, é uma coisa natural, como ocorreu com Pelé, que, embora não tenha sido capitão do time, foi respeitado pelos companheiros e ajudou o capitão a fazer seu trabalho com a equipe. “A pessoa ou é (líder natural), ou não é”, resume Carlos Alberto.

Nesta quarta-feira (16), a palestra será do campeão do ex-jogador da seleção brasileira de vôlei Nalbert Tavares Bitencourt, que falará sobre o tema A Jornada de um Líder. Na quinta-feira (17), o ex-presidente do Banco Central, Henrique Meirelles, falará sobre “As Tendências da Economia Nacional e Internacional”. O evento é promovido pela Associação dos Supermercados do Rio de Janeiro (Asserj).

 

Últimas Notícias

Bolsonaro participa no Chile de Cúpula Presidencial Sul-Americana
Sul e Sudeste se unem e formam consórcio para ações conjuntas
Copom inicia reunião nesta terça para definir taxa básica de juros
Mercado reduz projeção de crescimento da economia de 2,28% para 2,01%
Atividade econômica tem queda de 0,41% em janeiro, diz BC
Governo lança edital de estudos para concessão de 22 aeroportos
Governo do Rio anuncia rompimento da concessão do Maracanã
Feiras em São Paulo oferecem oportunidades de intercâmbio no exterior

MAIS NOTICIAS

 

Copom inicia reunião nesta terça para definir taxa básica de juros
 
 
Mercado reduz projeção de crescimento da economia de 2,28% para 2,01%
 
 
Atividade econômica tem queda de 0,41% em janeiro, diz BC
 
 
Governo lança edital de estudos para concessão de 22 aeroportos
 
 
Governo do Rio anuncia rompimento da concessão do Maracanã
 
 
Conflitos e segurança poderão contar pontos na avaliação de escolas

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212