Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


20 de Nov de 2018 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Saída da Unasul é apelo para superar paralisia, diz Aloysio Nunes - Jornal Brasil em Folhas
Saída da Unasul é apelo para superar paralisia, diz Aloysio Nunes


O ministro das Relações Exteriores, Aloysio Nunes, falou hoje em evento no Rio de Janeiro sobre a decisão do Brasil de suspender sua participação, juntamente com Argentina, Chile, Paraguai e Peru, na União das Nações Sul-Americanas (Unasul), comunidade que reúne 12 países da América do Sul. A decisão dos cinco países foi comunicada em carta enviada ao presidente pró-tempore Fernando Huanacumi, chanceler da Bolívia.

O que nós fizemos foi um apelo para que possamos superar os impasses que levaram à paralisia da Unasul. Há mais de ano estamos sem secretário-geral. Há um bloqueio ao indicado da Argentina para assumir a secretaria-geral. É um desperdício de oportunidades de integração. Um desperdício de dinheiro, porque são muitos funcionários e é um prédio magnífico. Mas não está sendo utilizado, disse Aloysio.

A Unasul foi criada em 2008 com o objetivo de fortalecer as relações comerciais, culturais, políticas e sociais da região. Segundo o ministro, a comunidade precisa desenvolver ações na área da defesa, saúde e integração física, mas não adianta manter como está.

Na carta, os chanceleres dos cinco países alegam que a Unasul foi paralisada em janeiro de 2017 quando a Venezuela, a Bolívia, o Suriname e o Equador vetaram o nome do embaixador José Octávio Bordón, candidato argentino ao posto de secretário-geral. Desde então, não houve avanços nas negociações por um nome de consenso.
Palácio do Itamaraty

Nesta terça-feira, o Ministério das Relações Exteriores celebrou um acordo de cooperação técnica com o Instituto Pedra, entidade sem fins lucrativos que atua na gestão de patrimônios históricos, para restaurar o Palácio do Itamaraty, no centro de Rio de Janeiro.

A expectativa é que o espaço possa se tornar mais atrativo, para oferecer a visitantes acesso à informações da história brasileira e a atividades culturais. Vamos criar um plano diretor para utilização mais eficiente do Palácio do Itamaraty, de modo a integrá-lo à cidade do Rio de Janeiro. Queremos atrair pessoas para conhecer, através do prédio, um pedaço importante da história do Brasil, disse o ministro Aloysio Nunes.

O Palácio do Itamaraty foi fundado em 1855 por Francisco José da Rocha, conde do Itamarati. Após a proclamação da República em 1889, o edifício se tornou sede do governo. Dez anos mais tarde, quando a presidência foi transferida Palácio do Catete, o Palácio do Itamaraty passou a abrigar o Ministério das Relações Exteriores. Em 1970, a sede da diplomacia brasileira se mudou para Brasília, mas permaneceu como responsável pelo imóvel, onde mantém sua representação regional, além de um arquivo, uma biblioteca, uma mapoteca, um museu dedicado à história da diplomacia e um centro de documentação.

As instalações, no entanto, trazem vestígios de deterioração e o museu tem atraído apenas estudantes e pesquisadores. Segundo o ministro, o acordo prevê a avaliação do acervo existente e dos danos sofridos pelo edifício por desgaste natural, para então formular os orçamentos. As mudanças devem envolver ainda a melhoria da climatização da biblioteca e da mapoteca e a digitalização do acervo.

* Colaborou Joana Moscatelli - Repórter da Rádio Nacional do Rio de Janeiro

Edição: Amanda Cieglinski

 

Últimas Notícias

Estimativa do mercado para inflação cai pela quarta vez seguida
Autoridades de Cuba anunciam retorno de médicos antes do fim do ano
Guatemala monitora atividades de vulcão que pode ter novas erupções
Marcelo Piloto é extraditado do Paraguai para o Brasil
Ex-CEO da Nissan é preso no Japão suspeito de reduzir próprio lucro
Governador eleito do Rio promete nova concessão para o Maracanã
Relatório alerta que há 45 barragens sob ameaça de desabamento
Relatório alerta que há 45 barragens sob ameaça de desabamento

MAIS NOTICIAS

 

Estimativa do mercado para inflação cai pela quarta vez seguida
 
 
Autoridades de Cuba anunciam retorno de médicos antes do fim do ano
 
 
Guatemala monitora atividades de vulcão que pode ter novas erupções
 
 
Ex-CEO da Nissan é preso no Japão suspeito de reduzir próprio lucro
 
 
Governador eleito do Rio promete nova concessão para o Maracanã
 
 
Relatório alerta que há 45 barragens sob ameaça de desabamento

 


 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2019 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212