Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


19 de Fev de 2019 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Saída da Unasul é apelo para superar paralisia, diz Aloysio Nunes - Jornal Brasil em Folhas
Saída da Unasul é apelo para superar paralisia, diz Aloysio Nunes


O ministro das Relações Exteriores, Aloysio Nunes, falou hoje em evento no Rio de Janeiro sobre a decisão do Brasil de suspender sua participação, juntamente com Argentina, Chile, Paraguai e Peru, na União das Nações Sul-Americanas (Unasul), comunidade que reúne 12 países da América do Sul. A decisão dos cinco países foi comunicada em carta enviada ao presidente pró-tempore Fernando Huanacumi, chanceler da Bolívia.

O que nós fizemos foi um apelo para que possamos superar os impasses que levaram à paralisia da Unasul. Há mais de ano estamos sem secretário-geral. Há um bloqueio ao indicado da Argentina para assumir a secretaria-geral. É um desperdício de oportunidades de integração. Um desperdício de dinheiro, porque são muitos funcionários e é um prédio magnífico. Mas não está sendo utilizado, disse Aloysio.

A Unasul foi criada em 2008 com o objetivo de fortalecer as relações comerciais, culturais, políticas e sociais da região. Segundo o ministro, a comunidade precisa desenvolver ações na área da defesa, saúde e integração física, mas não adianta manter como está.

Na carta, os chanceleres dos cinco países alegam que a Unasul foi paralisada em janeiro de 2017 quando a Venezuela, a Bolívia, o Suriname e o Equador vetaram o nome do embaixador José Octávio Bordón, candidato argentino ao posto de secretário-geral. Desde então, não houve avanços nas negociações por um nome de consenso.
Palácio do Itamaraty

Nesta terça-feira, o Ministério das Relações Exteriores celebrou um acordo de cooperação técnica com o Instituto Pedra, entidade sem fins lucrativos que atua na gestão de patrimônios históricos, para restaurar o Palácio do Itamaraty, no centro de Rio de Janeiro.

A expectativa é que o espaço possa se tornar mais atrativo, para oferecer a visitantes acesso à informações da história brasileira e a atividades culturais. Vamos criar um plano diretor para utilização mais eficiente do Palácio do Itamaraty, de modo a integrá-lo à cidade do Rio de Janeiro. Queremos atrair pessoas para conhecer, através do prédio, um pedaço importante da história do Brasil, disse o ministro Aloysio Nunes.

O Palácio do Itamaraty foi fundado em 1855 por Francisco José da Rocha, conde do Itamarati. Após a proclamação da República em 1889, o edifício se tornou sede do governo. Dez anos mais tarde, quando a presidência foi transferida Palácio do Catete, o Palácio do Itamaraty passou a abrigar o Ministério das Relações Exteriores. Em 1970, a sede da diplomacia brasileira se mudou para Brasília, mas permaneceu como responsável pelo imóvel, onde mantém sua representação regional, além de um arquivo, uma biblioteca, uma mapoteca, um museu dedicado à história da diplomacia e um centro de documentação.

As instalações, no entanto, trazem vestígios de deterioração e o museu tem atraído apenas estudantes e pesquisadores. Segundo o ministro, o acordo prevê a avaliação do acervo existente e dos danos sofridos pelo edifício por desgaste natural, para então formular os orçamentos. As mudanças devem envolver ainda a melhoria da climatização da biblioteca e da mapoteca e a digitalização do acervo.

* Colaborou Joana Moscatelli - Repórter da Rádio Nacional do Rio de Janeiro

Edição: Amanda Cieglinski

 

Últimas Notícias

Brasil perdeu 7,2 milhões de linhas de celular no ano passado
Petrobras reduz em 3% GLP empresarial nas refinarias
Ministro do STJ nega pedido de prisão domiciliar a João de Deus
Escassez de chuvas leva governo a acionar termelétricas mais caras
Picciani, Paulo Melo e Albertassi serão julgados por Bretas
Suspensa permissão para deputada receber denúncias contra professores
MPT não descarta pedir bloqueio dos bens do Flamengo
Número de mortos identificados em Brumadinho chega a 151

MAIS NOTICIAS

 

Sul do Chile enfrenta 45 focos de incêndios florestais
 
 
Governo de Minas oferece suporte psicossocial às vítimas de Brumadinho
 
 
Força Nacional de Segurança começa a deixar o Ceará
 
 
Licitação de ônibus em São Paulo tem contratos de R$ 71 bi em 20 anos
 
 
Força Nacional vai atuar em Belém na primeira quinzena de março
 
 
Fiocruz alerta para agravamento de doenças na população após tragédia

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212