Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


16 de Fev de 2019 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Presidente do BNDES defende novos modelos para integração regional - Jornal Brasil em Folhas
Presidente do BNDES defende novos modelos para integração regional


O presidente do Banco Nacional do Desenvolvimento Econômico de Social (BNDES), Dyogo de Oliveira, disse hoje (25) em Buenos Aires que o maior desafio da América Latina hoje é conciliar a necessidade de integrar fisicamente a região com a falta de dinheiro para investir nas obras de infraestrutura. Segundo ele, já existe um consenso de que a integração física é fundamental para a construção de cadeias de valor e o desenvolvimento regional. Mas o que falta e encontrar formas de financiar esses projetos, para torná-los realidade.

Oliveira participou nesta quarta-feira da Conferência sobre Infraestrutura para o Desenvolvimento da América Latina. O evento foi promovido pela Conferência Andina de Fomento (CAF) – um banco de desenvolvimento integrado por 17 países da América Latina e do Caribe, pela Espanha e Portugal, e bancos privados da região. A proposta de Oliveira é investir no estudo das condições físicas e jurídicas de cada projeto, para encontrar o melhor modelo financeiro.

“Poderiamos aplicar, aos projetos de integração regional, concessões e o modelo das Parcerias Publico-Privadas (PPPs) que deram bom resultado no Brasil”, disse o titular do BNDES. O Brasil e o Uruguai, por exemplo, já estão estudando um modelo diferente para financiar uma segunda ponte sobre o Rio Jaguarão, entre os dois países.
Integração e parcerias

Os participantes do encontro concordaram que a integração física é fundamental para construir cadeias de valor, facilitando a comercialização de insumos entre vizinhos para a fabricação de produtos que podem ser exportados a terceiros mercados. Mas também existe um consenso de que faltam recursos para tornar realidade essas politicas.

Dyogo de Oliveira lembrou que, no passado, o modelo predominante de financiamento eram os créditos soberanos, concedidos aos países por instituições financeiras internacionais – como o Banco Mundial ou a própria Conferência Andina de Fomento. “Temos uma longa lista de projetos de integração, mas apenas metade foi executada – muitas vezes porque não há recursos”, disse. Segundo ele, uma das prioridades do BNDES agora é investir no estudo de projetos viáveis.

Para ele, outro desafio na região é o cuidado para evitar a corrupção no setor de obras públicas.

Edição: Augusto Queiroz

 

Últimas Notícias

Governadores pedem ao STF julgamento de processos sobre repasses
Ministro quer atrair investimentos privados para Jardim Botânico do RJ
Fies vai oferecer 100 mil vagas a juro zero para alunos de baixa renda
TJ libera R$ 13 milhões para Vale ressarcir gastos do governo mineiro
Vale pede mais tempo para analisar Termo de Ajuste Preliminar
Deputados do Rio presos podem ter posses suspensas
Vale suspende operação em barragem em Brucutu e de mina em Brumadinho
TRE-RJ mantém ex-deputado Paulo Melo inelegível até 2024

MAIS NOTICIAS

 

Sul do Chile enfrenta 45 focos de incêndios florestais
 
 
Governo de Minas oferece suporte psicossocial às vítimas de Brumadinho
 
 
Força Nacional de Segurança começa a deixar o Ceará
 
 
Licitação de ônibus em São Paulo tem contratos de R$ 71 bi em 20 anos
 
 
Força Nacional vai atuar em Belém na primeira quinzena de março
 
 
Fiocruz alerta para agravamento de doenças na população após tragédia

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212