Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


21 de Fev de 2019 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Morre ex-chefe de inteligência de Israel que impediu ataque ao Irã - Jornal Brasil em Folhas
Morre ex-chefe de inteligência de Israel que impediu ataque ao Irã


O ex-chefe do serviço de espionagem israelense (Mossad) Meir Dagan morreu nesta quinta-feira, aos 71 anos, em decorrência de um câncer no fígado, indicaram fontes oficiais.

O Mossad informa que seu ex-chefe faleceu esta manhã, expressou um comunicado da organização sobre um dos líderes militares do país e artífices da política de segurança de Israel nas últimas duas décadas.

Dagan, que lutava contra um câncer no fígado há anos, nasceu na Ucrânia em 1945 de pais sobreviventes do Holocausto, com quem emigrou para Israel cinco anos depois.

Após uma longa carreira militar ele foi para a reserva do exército como general, e em 2000 se filiou ao Likud, dirigido então por Ariel Sharon, que o pôs a cargo dos assuntos de segurança do país como homem de confiança e pouco visível.

Entre 2002 e 2011 foi chefe do Mossad, em que realizou um acompanhamento do programa nuclear do Irã e esforços israelenses para tentar impedi-lo, segundo a imprensa estrangeira especializada.

Ao contrário de outros altos comandantes retirados, Dagan foi a público contra o atual primeiro-ministro, Benjamin Netanyahu, para defender uma postura de contenção, assegurando a partir de 2011 que o programa nuclear iraniano não representava ainda uma ameaça vital para justificar um ataque aéreo de consequências imprevisíveis.

Um bombardeio pode exatamente acelerar que consigam a bomba. Um bombardeio não freará o programa nuclear do Irã. Se atacarmos resolveremos os problemas políticos do Irã e colocaremos toda a população a favor do regime, costumava repetir, advertências que para muitos analistas frearam um possível ataque israelense entre 2012 e 2013.

Outra de suas famosas frases, dita ano passado durante o aniversário do assassinato de Yitzhak Rabin, foi de temer que Israel tenha ficado sem liderança.

Minha lealdade é antes de tudo ao Estado de Israel e não ao primeiro- ministro. Temo pela liderança do país, afirmou, ao pedir uma mudança de dirigentes, que sirvam ao povo e não a eles mesmos, o que foi interpretado como um claro ataque à classe política e em particular a Netanyahu.

Alguns analistas consideram que a descoberta do câncer em 2012 o deixou mais à vontade para falar com mais liberdade do que outros ex-altos comandantes.

Esse ano, Dagan se submeteu a um transplante em Belarus, mas que não impediu a propagação da doença.

 

Últimas Notícias

Brasil perdeu 7,2 milhões de linhas de celular no ano passado
Petrobras reduz em 3% GLP empresarial nas refinarias
Ministro do STJ nega pedido de prisão domiciliar a João de Deus
Escassez de chuvas leva governo a acionar termelétricas mais caras
Picciani, Paulo Melo e Albertassi serão julgados por Bretas
Suspensa permissão para deputada receber denúncias contra professores
MPT não descarta pedir bloqueio dos bens do Flamengo
Número de mortos identificados em Brumadinho chega a 151

MAIS NOTICIAS

 

Sul do Chile enfrenta 45 focos de incêndios florestais
 
 
Governo de Minas oferece suporte psicossocial às vítimas de Brumadinho
 
 
Força Nacional de Segurança começa a deixar o Ceará
 
 
Licitação de ônibus em São Paulo tem contratos de R$ 71 bi em 20 anos
 
 
Força Nacional vai atuar em Belém na primeira quinzena de março
 
 
Fiocruz alerta para agravamento de doenças na população após tragédia

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212