Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


18 de Nov de 2018 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Morre ex-chefe de inteligência de Israel que impediu ataque ao Irã - Jornal Brasil em Folhas
Morre ex-chefe de inteligência de Israel que impediu ataque ao Irã


O ex-chefe do serviço de espionagem israelense (Mossad) Meir Dagan morreu nesta quinta-feira, aos 71 anos, em decorrência de um câncer no fígado, indicaram fontes oficiais.

O Mossad informa que seu ex-chefe faleceu esta manhã, expressou um comunicado da organização sobre um dos líderes militares do país e artífices da política de segurança de Israel nas últimas duas décadas.

Dagan, que lutava contra um câncer no fígado há anos, nasceu na Ucrânia em 1945 de pais sobreviventes do Holocausto, com quem emigrou para Israel cinco anos depois.

Após uma longa carreira militar ele foi para a reserva do exército como general, e em 2000 se filiou ao Likud, dirigido então por Ariel Sharon, que o pôs a cargo dos assuntos de segurança do país como homem de confiança e pouco visível.

Entre 2002 e 2011 foi chefe do Mossad, em que realizou um acompanhamento do programa nuclear do Irã e esforços israelenses para tentar impedi-lo, segundo a imprensa estrangeira especializada.

Ao contrário de outros altos comandantes retirados, Dagan foi a público contra o atual primeiro-ministro, Benjamin Netanyahu, para defender uma postura de contenção, assegurando a partir de 2011 que o programa nuclear iraniano não representava ainda uma ameaça vital para justificar um ataque aéreo de consequências imprevisíveis.

Um bombardeio pode exatamente acelerar que consigam a bomba. Um bombardeio não freará o programa nuclear do Irã. Se atacarmos resolveremos os problemas políticos do Irã e colocaremos toda a população a favor do regime, costumava repetir, advertências que para muitos analistas frearam um possível ataque israelense entre 2012 e 2013.

Outra de suas famosas frases, dita ano passado durante o aniversário do assassinato de Yitzhak Rabin, foi de temer que Israel tenha ficado sem liderança.

Minha lealdade é antes de tudo ao Estado de Israel e não ao primeiro- ministro. Temo pela liderança do país, afirmou, ao pedir uma mudança de dirigentes, que sirvam ao povo e não a eles mesmos, o que foi interpretado como um claro ataque à classe política e em particular a Netanyahu.

Alguns analistas consideram que a descoberta do câncer em 2012 o deixou mais à vontade para falar com mais liberdade do que outros ex-altos comandantes.

Esse ano, Dagan se submeteu a um transplante em Belarus, mas que não impediu a propagação da doença.

 

Últimas Notícias

Bolsonaro terá uma série de reuniões na próxima semana em Brasília
Com pênalti controverso, Brasil vence Uruguai por um a zero
Brasil está preparado para substituir médicos cubanos, afirma Temer
Chega a quatro número de vítimas das chuvas em Belo Horizonte
Estudantes poderão renovar o Fies até o dia 23
Massoterapeuta Dani Bumbum deixa prisão no Rio
Cervejas terão rótulos com os ingredientes usados na fabricação
Temporal causa mortes e estragos em BH; adolescente está desaparecida

MAIS NOTICIAS

 

Morre em Pelotas o criador da camisa canarinho, Aldyr Schlee
 
 
Brasil concentrou 40% dos feminicídios da América Latina em 2017
 
 
Jungmann e Toffoli anunciam sistema para unificar processos de presos
 
 
Pensamento liberal deve guiar a equipe econômica de Bolsonaro
 
 
Gold3-4 minutosfajn permanecerá à frente do BC até Senado aprovar Campos Neto
 
 
Senado argentino aprova orçamento de 2019 como prometeu ao FMI

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2019 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212