Assine Brasil em Folhas / Nuvem / Pressreader



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


22 de Sep de 2018 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade
 

...

...

 
Notícias
 Morre ex-chefe de inteligência de Israel que impediu ataque ao Irã - Jornal Brasil em Folhas
Morre ex-chefe de inteligência de Israel que impediu ataque ao Irã


O ex-chefe do serviço de espionagem israelense (Mossad) Meir Dagan morreu nesta quinta-feira, aos 71 anos, em decorrência de um câncer no fígado, indicaram fontes oficiais.

O Mossad informa que seu ex-chefe faleceu esta manhã, expressou um comunicado da organização sobre um dos líderes militares do país e artífices da política de segurança de Israel nas últimas duas décadas.

Dagan, que lutava contra um câncer no fígado há anos, nasceu na Ucrânia em 1945 de pais sobreviventes do Holocausto, com quem emigrou para Israel cinco anos depois.

Após uma longa carreira militar ele foi para a reserva do exército como general, e em 2000 se filiou ao Likud, dirigido então por Ariel Sharon, que o pôs a cargo dos assuntos de segurança do país como homem de confiança e pouco visível.

Entre 2002 e 2011 foi chefe do Mossad, em que realizou um acompanhamento do programa nuclear do Irã e esforços israelenses para tentar impedi-lo, segundo a imprensa estrangeira especializada.

Ao contrário de outros altos comandantes retirados, Dagan foi a público contra o atual primeiro-ministro, Benjamin Netanyahu, para defender uma postura de contenção, assegurando a partir de 2011 que o programa nuclear iraniano não representava ainda uma ameaça vital para justificar um ataque aéreo de consequências imprevisíveis.

Um bombardeio pode exatamente acelerar que consigam a bomba. Um bombardeio não freará o programa nuclear do Irã. Se atacarmos resolveremos os problemas políticos do Irã e colocaremos toda a população a favor do regime, costumava repetir, advertências que para muitos analistas frearam um possível ataque israelense entre 2012 e 2013.

Outra de suas famosas frases, dita ano passado durante o aniversário do assassinato de Yitzhak Rabin, foi de temer que Israel tenha ficado sem liderança.

Minha lealdade é antes de tudo ao Estado de Israel e não ao primeiro- ministro. Temo pela liderança do país, afirmou, ao pedir uma mudança de dirigentes, que sirvam ao povo e não a eles mesmos, o que foi interpretado como um claro ataque à classe política e em particular a Netanyahu.

Alguns analistas consideram que a descoberta do câncer em 2012 o deixou mais à vontade para falar com mais liberdade do que outros ex-altos comandantes.

Esse ano, Dagan se submeteu a um transplante em Belarus, mas que não impediu a propagação da doença.

 

Últimas Notícias

Deputado Marlúcio promove caminhonetadas em várias regiões de Aparecida
Dia da Árvore: desmatamento vem caindo, mas ainda há desafios
Brincar com os quatro elementos da natureza ajuda a criança a se desenvolver melhor
Meninas que praticam esportes, cuidado com a alimentação!
Indústria paulista fecha 2,5 mil postos de trabalho em agosto
Aneel descarta revisão de bandeira tarifária em conta de luz
BNDES: empréstimos para Cuba e Venezuela não deveriam ter sido feitos
Brasil amplia investimento em educação infantil, diz OCDE

MAIS NOTICIAS

 

Toffoli toma posse hoje na presidência do STF
 
 
Chanceler do Paraguai visita Brasil para negociar construção de pontes
 
 
Indústria recua em oito dos 15 locais pesquisados pelo IBGE em julho
 
 
Brasil amplia investimento em educação infantil, diz OCDE
 
 
México investiga caso de deputadas forçadas a renunciar
 
 
A série de ataques de 11 de Setembro completa 17 anos

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212