Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


24 de Jan de 2019 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Trump reconhece apoio da China na reaproximação entre Coreias - Jornal Brasil em Folhas
Trump reconhece apoio da China na reaproximação entre Coreias


O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, saudou as Coreias do Sul e do Norte pelo anúncio histórico de pleno acordo sobre desarmamento nuclear, bem como o compromisso demonstrado pelo líder norte-coreano, Kim Jong-un, e o presidente sul-coreano, Moon Jae-in, de acabar com as hostilidades que separam os dois países há mais de meio século. Trump também elogiou o presidente chinês Xi Jinping, e reconheceu que a ação da China no processo foi fundamental.

Por favor, não esqueça a grande ajuda que meu bom amigo, o presidente Xi, da China, deu aos Estados Unidos, particularmente na fronteira da Coreia do Norte. Sem ele, teria sido um processo muito mais longo e difícil!, escreveu em mensagem no Twitter.

Em texto anterior, o presidente norte-americano escreveu, destacando trechos em caixa alta: “GUERRA COREANA PARA O FIM! Os Estados Unidos e todos os seus GRANDES habitantes devem estar muito orgulhosos do que está acontecendo na Coreia! Coisas boas estão acontecendo, mas só o tempo dirá!

Hoje (27) de manhã, fim da noite no horário local, em anúncio conjunto, os líderes dos dois países concordaram em encerrar a Guerra da Coreia, 65 anos após o fim das hostilidades.

A declaração conjunta, assinada pelas duas Coreias, diz que não haverá mais guerra na Península”. O encontro histórico ocorreu depois de um ano tenso, com constantes exercícios nucleares por parte de Pyongyang e intensa atividade militar dos Estados Unidos, da Coreia do Sul e do Japão na região.

No ano passado, durante os debates da Assembleia Geral das Nações Unidas, Donald Trump fez um duro discurso contra Kim Jong-un e afirmou que atacaria o país com fogo e fúria. Agora, com outro ânimo, Trump afirma que a atitude de Kim foi honrosa.

A decisão de desnuclearização é uma exigência de Washington para que o encontro com Trump aconteça.

No ano passado, a Coreia do Norte sofreu sanções, em três ocasiões, pelo Conselho de Segurança da Organização das Nações Unidas, e passou a ser bastante pressionada pelo principal parceiro comercial, a China. O governo chinês, em vários momentos, defendeu a saída diplomática para o conflito.

Edição: Graça Adjuto

 

Últimas Notícias

Chega a 73 o número de mortos em explosão no México; feridos somam 74
Forte terremoto de magnitude 6,7 atinge o Chile
Mais de 150 imigrantes se afogam no Mar Mediterrâneo
Brasil e Europa vão ser interligados por novo cabo submarino
Acordo para mudar nome da Macedônia gera protestos em Atenas
Ghosn está disposto a aceitar qualquer condição para obter fiança
Bombeiros buscam pessoa desaparecida depois de tromba dágua no Rio
Mega-Sena acumula de novo e pode pagar R$ 38 milhões na quarta-feira

MAIS NOTICIAS

 

ANP aprova credenciamento de empresa certificadora
 
 
Política de combate à inflação foi bem-sucedida, diz presidente do BC
 
 
Marcos Pontes: fusão de Embraer e Boeing preserva interesses do país
 
 
Número de linhas de celular tem maior queda do ano em novembro
 
 
ANP: Petrobras pede prazo maior para definir quais campos vai explorar
 
 
Ex-presidente do Banco Central defende política econômica do governo

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212