Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


22 de Jan de 2019 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Goldfajn pede aprovação de reformas para manter inflação controlada - Jornal Brasil em Folhas
Goldfajn pede aprovação de reformas para manter inflação controlada


O presidente do Banco Central do Brasil (BC), Ilan Goldfaj, defendeu, nesta sexta-feira (27), a aprovação de reformas para manter o atual cenário de inflação controlada no país – atualmente, o índice oficial de preços está em 2,68% e a taxa báscia de juros da economia (Selic), em 6,5%.

“Temos que fazer nosso dever de casa, as reformas, aprovar a reforma da Previdência, colocar as contas públicas em ordem, manter a inflação baixa, o juro baixo, trabalhar para manter as contas públicas baixas”, afirmou Goldfajn, em palestra sobre o papel do Banco Central na economia brasileira”. Ele falou em São Paulo para uma plateia formada por universitários do Ibmec e de convidados. No evento, Goldfaj abordou temas como como a política monetária, a regulação e a supervisão financeira e o papel do Comitê de Política Monetária (Copom).

Para Goldfajn, que preside o Banco Central desde junho de 2016, o comportamento atual do câmbio reflete os fundamentos da economia internacional e da doméstica. Quando há poucas pessoas querendo investir no país, é natural que o dólar suba, disse ele. Se os juros estão subindo nos Estados Unidos, e os juros lá já estão subindo, o câmbio reflete isso.

Para Goldfajn, o câmbio precisa ser flutuante para equilibrar a economia. Estamos aí só para evitar possíveis desvios, afirmou.

O presidente do BC ressaltou que só Cingapura usa o câmbio para controlar a inflação. “No resto do mundo e no Brasil, usa-se juro para controlar a inflação e deixa-se o câmbio flutuar.”

Sobre a conjuntura econômica atual, Goldfajn destacou que o Brasil passa por uma recuperação consistente da economia. “Agora estamos discutindo se a economia cresce 2,5% ou 3%. Na verdade, o cenário internacional nos ajudou nos últimos anos; a economia global cresceu, ou seja, quase todos os países conseguiram se recuperar. O mundo todo deve crescer em média quase 4%, segundo o FMI [Fundo Monetário Internacional]”.

Goldfajn afirmou que o avanço internacional, hoje, pode ser considerado benigno, mas ressaltou que não é possível contar com essa situação permanentemente “Mas, ainda com o cenário benignom é o tempo de fazer as reformas necessárias.”

Para o presidente do Banco Central, houve avanços significativos na agenda do país. “Se conseguirmos continuar com as reformas, vamos poder consolidar a inflação baixa, consolidar os juros baixos, a Selic, e esses juros baixos, ao longo tempo, vão se espalhar para os outros rumos da economia. Vamos sustentar a recuperação da economia e voltar a crescer.”

Edição: Nádia Franco

 

Últimas Notícias

Furto de combustível causou explosão que matou ao menos 66 pessoas
Sobe para 399 número de presos por ataques no Ceará
Migrantes desaparecidos em naufrágio no Mediterrâneo já são 114
Aniversário de São Paulo terá programação com diversidade de ritmos
Mais de 600 pessoas levavam gasolina na hora da explosão de oleoduto
Pré-carnaval movimenta foliões nas ruas do Rio
Brasil expressa condolências às famílias das vítimas no México
Marcha das Mulheres reúne milhares pelo mundo

MAIS NOTICIAS

 

ANP aprova credenciamento de empresa certificadora
 
 
Política de combate à inflação foi bem-sucedida, diz presidente do BC
 
 
Marcos Pontes: fusão de Embraer e Boeing preserva interesses do país
 
 
Número de linhas de celular tem maior queda do ano em novembro
 
 
ANP: Petrobras pede prazo maior para definir quais campos vai explorar
 
 
Ex-presidente do Banco Central defende política econômica do governo

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212