Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


16 de Nov de 2018 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Goldfajn pede aprovação de reformas para manter inflação controlada - Jornal Brasil em Folhas
Goldfajn pede aprovação de reformas para manter inflação controlada


O presidente do Banco Central do Brasil (BC), Ilan Goldfaj, defendeu, nesta sexta-feira (27), a aprovação de reformas para manter o atual cenário de inflação controlada no país – atualmente, o índice oficial de preços está em 2,68% e a taxa báscia de juros da economia (Selic), em 6,5%.

“Temos que fazer nosso dever de casa, as reformas, aprovar a reforma da Previdência, colocar as contas públicas em ordem, manter a inflação baixa, o juro baixo, trabalhar para manter as contas públicas baixas”, afirmou Goldfajn, em palestra sobre o papel do Banco Central na economia brasileira”. Ele falou em São Paulo para uma plateia formada por universitários do Ibmec e de convidados. No evento, Goldfaj abordou temas como como a política monetária, a regulação e a supervisão financeira e o papel do Comitê de Política Monetária (Copom).

Para Goldfajn, que preside o Banco Central desde junho de 2016, o comportamento atual do câmbio reflete os fundamentos da economia internacional e da doméstica. Quando há poucas pessoas querendo investir no país, é natural que o dólar suba, disse ele. Se os juros estão subindo nos Estados Unidos, e os juros lá já estão subindo, o câmbio reflete isso.

Para Goldfajn, o câmbio precisa ser flutuante para equilibrar a economia. Estamos aí só para evitar possíveis desvios, afirmou.

O presidente do BC ressaltou que só Cingapura usa o câmbio para controlar a inflação. “No resto do mundo e no Brasil, usa-se juro para controlar a inflação e deixa-se o câmbio flutuar.”

Sobre a conjuntura econômica atual, Goldfajn destacou que o Brasil passa por uma recuperação consistente da economia. “Agora estamos discutindo se a economia cresce 2,5% ou 3%. Na verdade, o cenário internacional nos ajudou nos últimos anos; a economia global cresceu, ou seja, quase todos os países conseguiram se recuperar. O mundo todo deve crescer em média quase 4%, segundo o FMI [Fundo Monetário Internacional]”.

Goldfajn afirmou que o avanço internacional, hoje, pode ser considerado benigno, mas ressaltou que não é possível contar com essa situação permanentemente “Mas, ainda com o cenário benignom é o tempo de fazer as reformas necessárias.”

Para o presidente do Banco Central, houve avanços significativos na agenda do país. “Se conseguirmos continuar com as reformas, vamos poder consolidar a inflação baixa, consolidar os juros baixos, a Selic, e esses juros baixos, ao longo tempo, vão se espalhar para os outros rumos da economia. Vamos sustentar a recuperação da economia e voltar a crescer.”

Edição: Nádia Franco

 

Últimas Notícias

Presidente Díaz-Canel defende trabalho de médicos cubanos no Brasil
Ministério vai lançar edital para repor vagas de médicos cubanos
CFM afirma que há médicos suficientes para atender Brasil
Associação lança projeto para conscientizar população sobre diabetes 2
Transposição do S. Francisco está na pauta de prioridades da transição
Temer inaugura primeira etapa do acelerador de elétrons Sirius
Temer diz que decidirá “lá na frente” reajuste de ministros do STF
Só um governador do Nordeste participa de encontro em Brasília

MAIS NOTICIAS

 

Volume de vendas do varejo cai 1,3% em setembro
 
 
Gilmar Mendes suspende decisão que obriga bancos a ressarcir clientes
 
 
Prefeitos e secretários pedem para manter cubanos no Mais Médicos
 
 
Em depoimento, Lula nega que é dono de sítio em Atibaia
 
 
Mega-Sena acumula e pode pagar R$ 33 milhões no próximo sorteio
 
 
Enem: estudantes fazem hoje prova de matemática e ciências da natureza

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2019 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212