Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


22 de Jan de 2019 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Câmara rejeita exigência de rótulos de eficiência energética com padrões internacionais - Jornal Brasil em Folhas
Câmara rejeita exigência de rótulos de eficiência energética com padrões internacionais


A Comissão de Minas e Energia rejeitou, no último dia 25, proposta que exige que o nível mais alto de eficiência energética de máquinas e equipamentos produzidos e comercializados no País sejam equiparados aos padrões internacionais mais exigentes (PL 7506/14).

De acordo com o projeto do deputado Rogério Peninha Mendonça (PMDB-SC), os níveis de eficiência energética seriam classificados de A a E, mas o nível A – o mais eficiente – passaria a ser compatível com os padrões internacionais mais exigentes. O argumento do parlamentar é que o Programa Nacional de Conservação de Energia Elétrica (Procel) ainda atribui o selo A a produtos que operam com tecnologias ultrapassadas.

O projeto será arquivado, em razão de tramitar em caráter conclusivo e ter sido rejeitado em todas as comissões de mérito que o analisaram, a menos que haja recurso para que seja analisado também pelo Plenário. Anteriormente, o texto havia sido rejeitado também pela Comissão de Desenvolvimento Econômico, Indústria, Comércio e Serviços.

Alteração desnecessária
Ao recomendar a rejeição da proposta, o relator, deputado Fabio Garcia (DEM-MT), argumentou que a matéria é regulamentada por diversas normas infralegais, não sendo necessário alterar a Lei de Eficiência Energética (10.295/01), como proposto pelo projeto de Mendonça.

O relator argumentou que, mediante os selos Procel de Economia de Energia, já existe uma distinção dos equipamentos comercializados que têm a maior eficiência energética, havendo a retirada do mercado dos produtos que não atendam a um nível mínimo de eficiência.

Ainda segundo Fabio Garcia, o Selo Procel, instituído em 1993, funciona como uma ferramenta simples e eficaz para que o consumidor conheça, entre os equipamentos e eletrodomésticos à disposição no mercado, os mais eficientes e que consomem menos energia. “A qualidade dos resultados e as metodologias utilizadas nos testes são compatíveis com as práticas internacionais. Eventuais discrepâncias estão relacionadas às diferenças, entre outras, de clima, de mercado, de hábitos e de custos”, concluiu.

Reportagem – Noéli Nobre
Edição – Rachel Librelon



 

Últimas Notícias

Furto de combustível causou explosão que matou ao menos 66 pessoas
Sobe para 399 número de presos por ataques no Ceará
Migrantes desaparecidos em naufrágio no Mediterrâneo já são 114
Aniversário de São Paulo terá programação com diversidade de ritmos
Mais de 600 pessoas levavam gasolina na hora da explosão de oleoduto
Pré-carnaval movimenta foliões nas ruas do Rio
Brasil expressa condolências às famílias das vítimas no México
Marcha das Mulheres reúne milhares pelo mundo

MAIS NOTICIAS

 

ANP aprova credenciamento de empresa certificadora
 
 
Política de combate à inflação foi bem-sucedida, diz presidente do BC
 
 
Marcos Pontes: fusão de Embraer e Boeing preserva interesses do país
 
 
Número de linhas de celular tem maior queda do ano em novembro
 
 
ANP: Petrobras pede prazo maior para definir quais campos vai explorar
 
 
Ex-presidente do Banco Central defende política econômica do governo

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212