Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


16 de Nov de 2018 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Hospital Regional de Sinop e SES/MT apresentam cronograma para estágio - Jornal Brasil em Folhas
Hospital Regional de Sinop e SES/MT apresentam cronograma para estágio


A direção administrativa do Hospital Regional de Sinop e a Secretaria de Estado de Saúde (SES), através da Escola de Saúde Pública de Mato Grosso (ESP), em parceria com o Escritório Regional de Saúde e Secretaria Municipal de Saúde de Sinop, reuniram-se esta semana para apresentar às unidades de ensino superior e técnico da cidade, um cronograma para solicitação de estágio para prática de integração de ensino e serviços à população.

Participaram da reunião as instituições de ensino Faculdades de Sinop (FASIPE), Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT), Universidade de Cuiabá (UNIC), Universidade Norte do Paraná (UNOPAR) e Secretaria de Estado de Ciência e Tecnologia (SECITEC).

Segundo a diretora administrativa do Hospital Regional de Sinop, Silmara Santana, a apresentação desse processo para solicitação de estágio é importante para que haja melhor dimensionamento de quantidades e as áreas do campo de estágio. “O hospital sempre disponibilizou campo de estágio, mas nesse momento de reorganização interna devido à mudança de gestão, não estamos acolhendo todas as instituições de ensino na área da saúde. Mas após a reforma e abertura de novos leitos, vamos ampliar os estágios. Acredito que o mais importante nisso tudo é saber administrar o controle de entrada das unidades de estágio dentro do hospital com relação ao horário e pessoal, sempre acompanhados com seus professores e responsáveis para que saibam qual é o papel de cada um dentro dessa organização”, destaca Silmara.

De acordo com a diretora da Escola de Saúde Pública de Mato Grosso, Carmen Silvia Campos Machado, a ação é uma forma de colocar em prática uma solicitação do gabinete executivo de saúde e das próprias instituições de ensino superior e técnico na área da saúde, baseadas em normativas federais, em especial a Portaria 1998, que preconiza que a educação permanente em saúde é uma aprendizagem no trabalho, onde o aprender e o ensinar se incorporam no cotidiano das organizações.

“Com essa forma articulada é possível que se faça no nosso entender uma integração ensino, serviço e comunidade bastante efetiva, de forma que os partícipes sejam corresponsáveis em todo esse processo de ensino aprendizado. Nós tivemos o cuidado de antes de abrirmos a discussão para o público, procurar primeiro nos alinhar para que pudéssemos falar de uma mesma forma, ou seja, no sentido de atender não só os objetivos do hospital, mas sobretudo atender também as instituições e os próprios usuários, os cidadãos que procuram os serviços de saúde, pensando também que esses aprendizes serão nossos futuros profissionais”, explica a diretora da ESP, Carmen Silvia.

A partir da reunião ficou definida a capacidade do Hospital em atender esses estágios, as necessidades das instituições de ensino e atendimentos as demandas dos diversos cursos, e também que o planejamento pedagógico será feito de forma conjunta entre as instituições envolvidas.

Carmen Silvia disse também que, apesar de existirem as diretrizes curriculares nacionais para cada área de formação, é preciso que a unidade também se aproprie desse processo, porque ao final, como prevê a nova normativa, haverá a necessidade de um relatório conjunto que vai proporcionar um monitoramento e avaliação de todos nesse percurso de aprendizagem e com isso, as tomadas de decisão serão muito mais efetivas e eficazes do ponto de vista da educação permanente em saúde no âmbito da SES/MT.

Para as instituições de ensino superior e técnico, o campo de estágio nas unidades de saúde geridas pelo município e pelo estado é fundamental na formação dos alunos devido o contato direto com a comunidade.

A Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT) oferece quatro cursos na área da saúde: farmácia, enfermagem, medicina e medicina veterinária, e para o diretor do Instituto de Ciências e da Saúde da UFMT, Guilherme Luz Emerik, uma vez que os estudantes têm oportunidade e contato direto com os mais diversos problemas da comunidade em relação à saúde, isso melhora muito a atenção à saúde e o serviço prestado ao usuário.

“Quando essa integração acontece, esses futuros profissionais terão um conhecimento maior da prática e poderão executar suas atividades da melhor maneira. O objetivo principal dessa parceria entre ensino e serviço é justamente trazer melhorias para o sistema de saúde para que tanto acadêmicos, usuários e profissionais possam ter benefícios com essas atividades”, explicou Emerik.

 

Últimas Notícias

Presidente Díaz-Canel defende trabalho de médicos cubanos no Brasil
Ministério vai lançar edital para repor vagas de médicos cubanos
CFM afirma que há médicos suficientes para atender Brasil
Associação lança projeto para conscientizar população sobre diabetes 2
Transposição do S. Francisco está na pauta de prioridades da transição
Temer inaugura primeira etapa do acelerador de elétrons Sirius
Temer diz que decidirá “lá na frente” reajuste de ministros do STF
Só um governador do Nordeste participa de encontro em Brasília

MAIS NOTICIAS

 

Volume de vendas do varejo cai 1,3% em setembro
 
 
Gilmar Mendes suspende decisão que obriga bancos a ressarcir clientes
 
 
Prefeitos e secretários pedem para manter cubanos no Mais Médicos
 
 
Em depoimento, Lula nega que é dono de sítio em Atibaia
 
 
Mega-Sena acumula e pode pagar R$ 33 milhões no próximo sorteio
 
 
Enem: estudantes fazem hoje prova de matemática e ciências da natureza

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2019 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212