Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


23 de Mar de 2019 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Câmara de Prevenção Social coordenará ações de combate à criminalidade - Jornal Brasil em Folhas
Câmara de Prevenção Social coordenará ações de combate à criminalidade


O governo federal criou uma câmara temática para tratar do atendimento à população mais vulnerável nos assuntos de segurança pública. O grupo reunirá ministérios e órgãos da área social com o objetivo de prevenir e reduzir a criminalidade, tendo como foco a juventude dos 100 municípios onde mais ocorrem homicíidios no Brasil.

Instalada ontem (3) durante reunião na Casa Civil da Presidência da República, a Câmara de Prevenção Social em Segurança Pública terá encontros periódicos para identificar e buscar soluções que impeçam os jovens dessas cidades de se aproximar do crime organizado. A câmara será coordenada pelo Ministério Extraordinário da Segurança Pública. Desde a semana passada, o ministro Raul Jungmann vem reunindo diferentes setores da sociedade com o mesmo intuito.

O ministro disse que as estatísticas mostram a vulnerabilidade é maior entre os jovens entre 16 e 24 anos, sobretudo os que não têm família estruturada, que não estão na escola ou não têm emprego. "Eles precisam de educação, saúde, assistência, esporte e cultura para que sigam outro caminho que não o da criminalidade e da violência”, afirmou Jungmann.

Participaram da instalação da câmara os ministros da Casa Civil, Eliseu Padilha, da Educação, Rossieli Soares Silva, do Desenvolvimento Social, Alberto Beltrame, e do Planejamento, Esteves Colnago, além de representantes das pastas da Saúde, Justiça, Cultura e Direitos Humanos. Após se reunir na semana passada com representantes da indústria e do comércio, o ministro da Segurança recebeu na última segunda-feira (30) líderes religiosos para propor uma parceria em prol do tema.

Segundo Jungmann, a política de prevenção social vai complementar as ações repressivas do governo, que devem ser direcionadas de forma mais dura para o combate de grandes gangues, sequestradores, assassinos e chefes do tráfico de drogas e armas.

“É preciso que a sociedade tenha a clareza de que esse jovem [mais vulnerável], quando cai no sistema prisional, passa a fazer parte das grandes quadrilhas. Lá tem que fazer um juramento e nunca poderá deixá-las. O custo para a sociedade é infinitamente maior do que reunir todos os programas e ir aonde esses jovens estão”, disse Jungmann, referindo-se às 109 cidades que registram 50% de todos os homicídios violentos ocorridos no Brasil.

Edição: Nádia Franco

 

Últimas Notícias

Jovens têm menos chance de contratação e mais de serem demitidos
Bolsa cai e dólar fecha em R$ 3,80
Araújo: dispensa de status especial na OMC nos coloca como país grande
Países sul-americanos devem sair de uma só vez da Unasul, diz ministro
Chanceler descarta emprego das Forças Armadas na Venezuela
Moçambique, Zimbábue e Malauí tentam identificar vítimas de ciclone
Nova Zelândia quer proibir, em abril, venda de armas do tipo militar
Conselho Europeu aceita prorrogar saída do Reino Unido para maio

MAIS NOTICIAS

 

Copom inicia reunião nesta terça para definir taxa básica de juros
 
 
Mercado reduz projeção de crescimento da economia de 2,28% para 2,01%
 
 
Atividade econômica tem queda de 0,41% em janeiro, diz BC
 
 
Governo lança edital de estudos para concessão de 22 aeroportos
 
 
Governo do Rio anuncia rompimento da concessão do Maracanã
 
 
Conflitos e segurança poderão contar pontos na avaliação de escolas

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212