Assine Brasil em Folhas / Nuvem / Pressreader



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


22 de Sep de 2018 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade
 

...

...

 
Notícias
 Seminário discute cenários, tendências e situação atual das políticas de trabalho, emprego e renda - Jornal Brasil em Folhas
Seminário discute cenários, tendências e situação atual das políticas de trabalho, emprego e renda


O Governo de Minas Gerais, por meio da Secretaria de Estado de Trabalho e Desenvolvimento Social (Sedese), realizou, no auditório da Fundação João Pinheiro (FJP), em Belo Horizonte, o seminário “Democracia e Políticas de Trabalho, Emprego e Renda”.

O objetivo do evento foi discutir a situação atual das políticas de trabalho, emprego e renda nos níveis federal, estadual e municipal, levando-se em consideração o atual momento econômico, político e social. O encontro, nessa quinta-feira (3/5), foi também uma oportunidade para dialogar com os vários agentes políticos que formulam e executam as políticas de trabalho, emprego e renda como gestores públicos, conselheiros, sindicalistas e empresários.

O seminário partiu do contexto da atual conjuntura de refluxo das políticas de trabalho, emprego e renda no plano nacional. Todos os anos, a Subsecretaria de Trabalho e Emprego realiza uma atividade de reflexão e formação como parte das comemorações do Dia Internacional do Trabalho. A Sedese entende que o debate é parte fundamental de qualquer celebração que se possa fazer a respeito dessa data. Em razão disso, a importância desse seminário foi refletir e debater alternativas que possam fazer face ao momento atual.

Cerca de 150 pessoas participaram do seminário. Na oportunidade, o subsecretário de Trabalho e Emprego da Sedese, Antônio Lambertucci, coordenou a mesa de análise de conjuntura com a participação do professor da Escola Técnica de Governo da Fundação João Pinheiro, Danilo Jorge Vieira, e da professora da Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais, Tânia Teixeira.

A apresentação do professor Danilo Vieira teve como ponto de partida a crise atual do mercado de trabalho no Brasil, indicando que a sua dinâmica está estreitamente relacionada à grave e complexa instabilidade político-institucional do regime democrático do país. Com base na análise da economia política do mercado de trabalho, buscou-se interpretar a natureza da crise, assim como identificar os principais desafios e tendências.

“Hoje, o mercado de trabalho informal é maior que o trabalho formal. Na magnitude em que isso está ocorrendo é uma novidade. Houve um processo destrutivo do mercado de trabalho a partir de 2015. Nesse triênio de 2014 a 2017, a cada dez novos desempregados no mundo, seis eram brasileiros. Isso nunca aconteceu”, explicou.

O professor ainda esclarece que, ao se avaliar as estatísticas, “a gente não pode olhar a população ocupada apenas porque essa corresponde a uma grande parcela do mercado informal”, observou.

Danilo acredita que as empresas que têm trabalhadores formais tendem a substitui-los por trabalhadores intermitentes ou algum tipo de trabalho mais precário, como já fizeram algumas universidades.

“É uma tendência as empresas metabolizarem as novas regras que regem hoje o mercado de trabalhos. Se você tem a possibilidade de contratar um trabalhador temporário intermitente, não haverá razão para ter um trabalhador fixo. Acredito que as empresas vão começar a contratar horas de trabalho e isso muda totalmente a dinâmica do mercado de trabalho”, avaliou.

Dentre os principais aspectos levantados pela professora Tânia, a pesquisadora destacou o agravamento da situação econômica a partir de 2009 uma vez que o colapso financeiro fragilizou a questão social.

Essa crise não é só profunda porque a gente não consegue gerar mais emprego ou retomar o crescimento, ela é profunda porque as alternativas impostas não estão sendo suficientes para criar um modelo econômico que permita a manutenção de uma estrutura social, um estado democrático aliado aos interesses daqueles que sustentam, em tese, uma visão de que o capitalismo é a única solução”, ponderou.

A pesquisadora acrescentou, ainda, que esses processos que estão ocorrendo geram maior fragilidade e falta de condições efetivas de negociação salarial. “Dói na gente o que está acontecendo nesse País, você precisa ter o direito de igualdade, direito de pensar, de ser, de viver, de alimentar, de estudar, de se preparar, inclusive, para atuar no mercado capitalista como empregado, como trabalhador. A questão nossa, hoje, não é partidária, é de defesa de direitos universais”, afirmou.

De acordo com os dados do IBGE, divulgados na semana passada, o número de desempregados no país, hoje, atinge cerca de 13,7 milhões de pessoas e a renda média do brasileiro caiu para R$ 2.169.

​Após as apresentações, os participantes puderam debater e formular perguntas aos palestrantes.

Também participaram do seminário a secretária-adjunta da Sedese, Karla França, o presidente da FJP, Roberto Nascimento, lideranças de movimentos sociais de Economia Popular Solidária, representantes de conselhos e centrais sindicais, secretarias municipais de Assistência Social, além de acadêmicos que realizam pesquisas relacionadas à temática.

O evento também registrou a presença de representantes de 50 cidades mineiras, que se localizam no âmbito de 15 regiões dos fóruns territoriais; os presidentes da Nova Central Sindical dos Trabalhadores e da Força Sindical; representantes da Central Única dos Trabalhadores (CUT), da Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil (CTB) e representantes do Conselho Estadual de Assistência Social.

 

Últimas Notícias

Deputado Marlúcio promove caminhonetadas em várias regiões de Aparecida
Dia da Árvore: desmatamento vem caindo, mas ainda há desafios
Brincar com os quatro elementos da natureza ajuda a criança a se desenvolver melhor
Meninas que praticam esportes, cuidado com a alimentação!
Indústria paulista fecha 2,5 mil postos de trabalho em agosto
Aneel descarta revisão de bandeira tarifária em conta de luz
BNDES: empréstimos para Cuba e Venezuela não deveriam ter sido feitos
Brasil amplia investimento em educação infantil, diz OCDE

MAIS NOTICIAS

 

Toffoli toma posse hoje na presidência do STF
 
 
Chanceler do Paraguai visita Brasil para negociar construção de pontes
 
 
Indústria recua em oito dos 15 locais pesquisados pelo IBGE em julho
 
 
Brasil amplia investimento em educação infantil, diz OCDE
 
 
México investiga caso de deputadas forçadas a renunciar
 
 
A série de ataques de 11 de Setembro completa 17 anos

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212