Assine Brasil em Folhas / Nuvem / Pressreader



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


25 de Sep de 2018 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade
 

...

...

 
Notícias
 Maioria das vítimas femininas em Cuiabá são solteiras, pardas e desempregadas - Jornal Brasil em Folhas
Maioria das vítimas femininas em Cuiabá são solteiras, pardas e desempregadas


O perfil da maioria das 2.718 mulheres atendidas entre janeiro e dezembro de 2017 pela Delegacia Especializada de Defesa da Mulher (DEDM) de Cuiabá é de mulher solteira (1.076 ou 40%), parda (835 ou 31%), com vínculo de convivência com o agressor ou ex-companheiro (1.071 ou 36,21%), desempregada ou do lar (196 ou 7,21% em ambas as profissões), com idade entre 27 e 40 anos (1.090 ou 40%). Estes dados constam no 1º Anuário de Atendimento da DEDM da Capital, lançado nesta quinta-feira (03.05).

O objetivo da publicação, que traça também um perfil dos agressores, é contribuir para uma nova perspectiva com relação ao planejamento e implementação de ações especializadas. Segundo a titular da Delegacia Especializada de Defesa da Mulher de Cuiabá, delegada Jozirlethe Magalhães Criveletto, é necessário analisar o perfil das vítimas atendidas e dos agressores, a fim de detectar a melhor política pública de atendimento.

“Para combater um feminicídio, nós precisamos entender que esta vítima pode estar sofrendo violência há anos, e é preciso saber quem são e em quais condições estão, para aprimorar o atendimento às mulheres e também pensar em ações direcionadas com o objetivo de evitar novos casos”, destacou a delegada.

O mês de maior incidência de crimes contra a mulher em 2017 foi novembro, com 240 registros. O número representa 9,6% do total de 2.511 Boletins de Ocorrência (BOs) envolvendo vítimas femininas registrados no mesmo período, em Cuiabá. Vale ressaltar que um BO pode conter mais de uma vítima, por isso o total de número de vítimas femininas é maior. Os cinco bairros com o maior número de ocorrências neste período foram Pedra 90 (87), Dom Aquino (70), CPA III (51), Tijucal (46) e Centro-Norte (43).

Quase metade das mulheres é solteira (1.076 ou 40% do total), seguido pelo grupo de pessoas casadas (499 ou 18%) e de conviventes (449 ou 16%). A faixa etária entre 27 e 40 anos lidera os atendimentos (1.090 ou 40%), depois constam mulheres entre 41 e 65 anos (812 ou 30%) e entre 19 e 26 anos (511 ou 19%). Quanto ao perfil profissional, as classificações de desempregada e do lar dividem a primeira colocação (cada uma com 196 ou 7,21%).

Já com relação a cor da pele, há uma subnotificação de 1.328 atendidas (49%), decorrente da dificuldade por parte das vítimas se definirem em relação à cor da pele. Também é importante observar que no momento do registro do BO, este campo não é de preenchimento obrigatório. Ainda assim, 835 mulheres se declararam pardas (31%), 389 brancas (14%), 160 negras (6%) e seis se declararam amarelas (menos de 1%).

Perfil dos suspeitos

No decorrer de 2017, com base no atendimento às 2.718 mulheres, a DEDM de Cuiabá constatou que havia 2.781 suspeitos. O perfil destes supostos agressores é de pessoa do sexo masculino (2.201 ou 79%), solteiro (613 ou 22%), de cor parda (545 ou 19%), com idade entre 27 e 40 anos (941 ou 34%), e também desempregado (184 ou 6,61%).

O diretor metropolitano da Polícia Judiciária Civil (PJC-MT), delegado Anderson Veiga, destacou a importância deste levantamento para o alinhamento das políticas públicas voltadas à defesa da mulher. “Estamos à disposição da DEDM para apoiar no que for necessário e parabenizo a delegada titular e toda a equipe, pela dedicação que tornou esse trabalho possível”.

Todo os dados foram coletados e tecnicamente analisados pelo Núcleo Especializada de Análise Criminal, da Delegacia Regional de Cuiabá. O processo de coleta teve a colaboração de profissionais de Assistência Social da Delegacia da Mulher. Além dos perfis das vítimas e dos agressores, o pós-atendimento – quando a tipificação criminal é definida no procedimento – também está no primeiro Anuário de Atendimento da DEDM.

Foram tomadas 3.464 providências das ocorrências após os atendimentos às vítimas, a maioria referentes a medidas protetivas (1.601), atendimentos sociojurídicos (828), termos circunstanciados de ocorrência (707) e descumprimento de medida protetiva (134). Esta última providência é referente aos casos em que a vítima retornou à delegacia para comunicar que medidas já requeridas ao Judiciário em 2017 ou 2016 foram descumpridas pelo agressor.

Criação da DEDM

A Delegacia Especializada de Defesa da Mulher de Cuiabá foi criada por meio da Lei 4.965, de 26 de Dezembro de 1985. A unidade é uma das primeiras no Brasil, também pioneiras na implementação de política pública de combate à violência contra as mulheres no País.

 

Últimas Notícias

Varejo perde R$ 19,5 bilhões em 2017 por danos em produtos e furtos
A partir deste sábado, candidatos só podem ser presos em flagrante
Brasileiros não se sentem prontos para lidar com a morte, diz pesquisa
Aos 95 anos, Gervásio Baptista recebe Medalha do Mérito Jornalístico
PF combate grupo criminoso responsável por contrabando de cigarros
Primavera começa hoje com possibilidade de novo episódio do El Niño
Facebook anuncia medidas para combater contas falsas e desinformação
Polícia Militar faz operação na Rocinha

MAIS NOTICIAS

 

Toffoli toma posse hoje na presidência do STF
 
 
Chanceler do Paraguai visita Brasil para negociar construção de pontes
 
 
Indústria recua em oito dos 15 locais pesquisados pelo IBGE em julho
 
 
Brasil amplia investimento em educação infantil, diz OCDE
 
 
México investiga caso de deputadas forçadas a renunciar
 
 
A série de ataques de 11 de Setembro completa 17 anos

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212