Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


21 de Fev de 2019 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Grupo pró-impeachment não vai desbloquear avenida Paulista - Jornal Brasil em Folhas
Grupo pró-impeachment não vai desbloquear avenida Paulista


Lideranças do grupo que ocupa a avenida Paulista disseram na madrugada desta sexta-feira (18) que não vão deixar o local até o impeachment ou renúncia da presidente Dilma Rousseff.

Mais de cem pessoas se revezam desde a noite de quarta-feira (16) no local para impedir a retirada do acampamento com 32 barracas no local.

Nem mesmo a possibilidade de um confronto com outro grupo pró-Dilma que faz uma manifestação na tarde desta sexta na via, faz com que os acampados deixem o local. Eles acreditam que a Polícia Militar está trabalhando para manter a ordem e o protesto duplo ocorrerá de forma pacífica.

Para os líderes, o acampamento montado na avenida deve ser mantido pois é um símbolo nacional da resistência ao governo. "Várias capitais, inclusive Brasília aderiram ao movimento de forma espontânea", disse Bibiana Oliveira, uma das líderes do grupo acampado.

Apesar de se revezarem há duas noites no local, o grupo continuava animado gritando palavras de ordem, cantando o hino nacional e apitando. Entre as palavras de ordem estavam: "Lula cachaceiro cadê o meu dinheiro?, "Moro, Moro", " Fora PT, fora PT" e " Renúncia, renúncia".

Bandeiras pequenas do Brasil também foram colocadas como as de festas juninas para decorar a rua. Camelôs aproveitaram o grande número de pessoas reunidas para vender bebidas e lanches. Um pequeno grupo de motociclistas que entregam comida aproveitou para vender pizzas.

A todo momento os líderes do movimento se revezavam ao microfone para dizer palavras de ordem ou orientar como estavam se organizando.

Um deles, que não quis conversar com a reportagem da Folha, dizia para não jogarem lixo no chão e para deixarem os garis varrerem a rua. O grupo até afastava as barracas para que a via fosse limpa.

"Nós não vamos fazer igual petista, sujeira. Vamos dar o exemplo, sujeira é coisa de petista", disse.

PROTESTO

O motorista executivo bilíngue, Clayton Novaes, 34, e o ator Bruno Balestrero, 27 anos, ator, se conheceram na quarta nos protestos em frente à Fiesp (Federação das Indústrias do Estado de São Paulo). Desde então estão acampados.

"Só fui pra casa dormir um pouco e já voltei", disse Novaes, que mora em Santana. "Nós não sabemos de onde vieram as barracas. É de gente que quer ajudar a gente", disse Balestrero.

Na madrugada, chegaram pães e salchichas para os manifestantes. Também doados.

"As pessoas querem ajudar. Mas não estamos ligados à nenhum movimento. Nem ao Vem pra Rua, nem a partidos. Disseram que a FIESP estava patrocinando a gente com almoço com filé mignon e isso não é verdade. Foi comida normal e não temos nada a ver com eles" disse Clayton.

Ontem a FIESP ofereceu refeição aos manifestantes. "Não somos ligados à ninguém. Nos conhecemos aqui. Queremos o impeachment ou a renúncia da Dilma, a prisão do Lula e o fim da corrupção ente os partidos", disse Clayton.

Sete pessoas da mesma família –três irmãs, marido, cunhado e dois primos– deixaram no final da noite de quinta (17) a cidade de Cotia (Grande SP) para protestar junto com o grupo que se reveza no acampamento na Paulista.

Com uma bandeira cobrindo o corpo para espantar o frio, a consultora de beleza Kelly Rebeca Dantas de Siqueira, disse animada que deixou pela segunda noite consecutiva os três filhos aos cuidados da mãe para participar.

"A gente não pode deixar tudo acabar em pizza, o que está acontecendo no Brasil é muita roubalheira", disse.

Para Kelly, a renúncia ou impeachment de Dilma é apenas o primeiro passo para mudança. " O alvo agora é a Dilma, não será uma vitória. Será uma batalha vencida, não uma guerra", falou.

A desempregada Welyan Dantas, irmã da consultora de beleza, disse que está desempregada há cinco anos e faz bicos para sustentar os três filhos.

Emocionada, Welyan conta que o filho caçula tem diabetes. Ela enfrenta muita dificuldade para controlar a doença dele porque não consegue insulina nem consultas em postos de saúde de Cotia, cidade onde mora.

"Estou aqui porque não aceito a situação que o Brasil está vivendo. Desde o governo Lula a saúde só piorou", falou.

A desempregada disse chorando que fica frustrada quando busca atendimento médico para ela ou o filho e não consegue.

Outra reclamação é que nunca consegue medicamentos no sistema público de saúde e, quando precisa, tem que deixar de comprar um alimento para adquirir o remédio. "Vou vir aqui todas as noites, até a Dilma sair", disse.

 

Últimas Notícias

Brasil perdeu 7,2 milhões de linhas de celular no ano passado
Petrobras reduz em 3% GLP empresarial nas refinarias
Ministro do STJ nega pedido de prisão domiciliar a João de Deus
Escassez de chuvas leva governo a acionar termelétricas mais caras
Picciani, Paulo Melo e Albertassi serão julgados por Bretas
Suspensa permissão para deputada receber denúncias contra professores
MPT não descarta pedir bloqueio dos bens do Flamengo
Número de mortos identificados em Brumadinho chega a 151

MAIS NOTICIAS

 

Sul do Chile enfrenta 45 focos de incêndios florestais
 
 
Governo de Minas oferece suporte psicossocial às vítimas de Brumadinho
 
 
Força Nacional de Segurança começa a deixar o Ceará
 
 
Licitação de ônibus em São Paulo tem contratos de R$ 71 bi em 20 anos
 
 
Força Nacional vai atuar em Belém na primeira quinzena de março
 
 
Fiocruz alerta para agravamento de doenças na população após tragédia

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212