Assine Brasil em Folhas / Nuvem / Pressreader



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


28 de May de 2018 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade
 

...

...

 
Notícias
 Instabilidade sobre acordo com Irã eleva preço do barril de petróleo - Jornal Brasil em Folhas
Instabilidade sobre acordo com Irã eleva preço do barril de petróleo


O preço do petróleo Brent - cotação do chamado petróleo do Mar do Norte - chegou hoje (7) a US$ 75,71, subida histórica porque, desde de novembro de 2014, não ultrapassava US$ 70 por barril.

A imprensa especializada em economia em Londres e nos Estados Unidos afirma que a alta preocupa os investidores, e está relacionada ao temor de que o presidente Donald Trump abandone o acordo nuclear com o Irã. Foi o acordo multilateral de 2015 que permitiu que o governo iraniano exportasse mais petróleo bruto, aliviando a pressão sobre os preços.

A subida foi de quase 1%. Algumas previsões afirmam que novas sanções ao Irã poderiam prejudicar o fornecimento global de petróleo. Analistas entrevistados pela CNN Money afirmam que um rompimento no acordo com o Irã e a crise na Venezuela - outro grande produtor - poderiam rapidamente levar o preço do barril Brent a ultrapassar os US$ 80 em um curto espaço de tempo.
Reflexo

O petróleo cru Brent ganhou este nome porque antigamente ele era extraído de uma Base Shell e hoje o nome indica que o óleo sai do Mar do Norte, sendo vendido na Bolsa de Londres. A cotação do petróleo Brent é um importante indicador para os mercados da Europa e Ásia.

Outra cotação avaliada pelos mercados é a do petróleo WTI, que vem do nome West Texas Intermediate. O Texas é estado com maior produção de petróleo nos Estados Unidos. O WTI é negociado em Wall Street, na Bolsa de Valores de Nova York, e é a referência para o mercado norte-americano.

O WTI geralmente é mais caro que o petróleo Brent, e abastece o mercado interno, um dos maiores consumidores de combustíveis fósseis do mundo.

No mercado interno nos Estados Unidos a população já sente diferença de preços no combustível que chega ao consumidor final. Desde o início do ano, a gasolina subiu em média 16%.

A alta de preços interna decorre da baixa de estoques no país. Crises políticas como a do Irã e da Venezuela pressionam também outros mercados na América do Sul e o preço pago pelo consumidor brasileiro.

Edição: Kleber Sampaio

 

Últimas Notícias

Decreto de Temer autoriza militares a usar força contra caminhoneiros
Câmara realiza sessão extra pra alterar lei que trata de doação de imóveis
Senadores apresentam projeto que limita ICMS sobre combustíveis
Ata do Copom diz que manutenção da Selic foi a melhor decisão
Brasileiros apostam em inflação de 5,3% para os próximos 12 meses
BC decreta liquidação extrajudicial da corretora Gradual
Caminhoneiros entram no segundo dia de bloqueio nas estradas
Governo reduz estimativa de crescimento para 2,5% em 2018

MAIS NOTICIAS

 

Trump anuncia nesta terça-feira decisão sobre acordo nuclear com o Irã
 
 
Fugindo da crise e da insegurança, brasileiros migram para Portugal
 
 
Argentina recorre ao FMI para equilibrar contas
 
 
Brasil e mais 40 nações apelam à OMC contra guerra comercial
 
 
Macri admite que Argentina precisa de apoio externo e recorre ao FMI
 
 
Donald Trump retira Estados Unidos do acordo nuclear com Irã

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212