Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


24 de Jan de 2019 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Argentina congela por 60 dias preços de combustíveis - Jornal Brasil em Folhas
Argentina congela por 60 dias preços de combustíveis


No mesmo dia em que decidiu pedir ajuda ao Fundo Monetário Internacional (FMI) para conter a escalada do dólar, o governo argentino negociou com as empresas do setor de energia um acordo para congelar os preços dos combustíveis durante os próximos 60 dias.

Com isso, evitou o aumento de 12%, que as companhias tinham previsto implementar, depois que a moeda norte-americana sofreu uma valorização na Argentina e também em outros países emergentes, como Chile e Brasil.
Presidente Maurício Macri fala na Assembleia Geral da ONU

Presidente Maurício Macri luta para manter a inflação sob controle e congelou preços de combustíveis (Arquivo/Jason Szenes/EPA/Agência Lusa/direitos reservados)


O motivo do congelamento, assim como o eventual acordo com o FMI, é manter a inflação sob controle. O governo do presidente Maurício Macri liberou os preços dos combustíveis que, em 2017, aumentaram 32%, acima da inflação de 25%.

Diante da disparada do dólar na semana passada, e o aumento do barril do petróleo, que superou os US$ 75, as empresas argentinas do setor energético já tinham planejado ajustar seus preços. Mas o governo conseguiu convencê-las a mantê-los congelados durante dois meses.

Segundo nota do Ministério de Energia, firmaram o acordo com Macri a estatal YPF, a Shell Argentina e a Pan American Energy. O congelamento termina em julho, quando as empresas terão autorização para compensar as perdas acumuladas.

Nesta quarta-feira (9), a oposição abre outra frente contra o governo no Congresso. Vai apresentar na Câmara dos Deputados um projeto de lei para limitar as tarifas dos serviços públicos, que Macri também liberalizou.
Preços controlados por 12 anos

Quando Macri assumiu, em dezembro de 2015, a Argentina vinha de 12 anos de preços controlados. Os ex-presidentes Nestor Kirchner (2003-2007) e Cristina Kirchner (2007-2015) mantiveram as políticas de subsídios das tarifas públicas, adotadas depois do colapso da economia argentina em 2001.

Macri decidiu atualizar os preços, argumentando que estavam defasados e, com isso, as empresas deixavam de investir. Mas os aumentos acabaram incidindo sobre a inflação, que ele também prometeu reduzir, e que continua em dois dígitos.

O governo precisa reduzir o déficit público, disse em entrevista à Agência Brasil o economista Fausto Spotorno. É certo que vai ter um custo social. Mas, por outro lado, a Argentina não tem como financiar esses gastos. E um desequilíbrio econômico terá um custo alto mais adiante, disse.

Edição: Kleber Sampaio

 

Últimas Notícias

Chega a 73 o número de mortos em explosão no México; feridos somam 74
Forte terremoto de magnitude 6,7 atinge o Chile
Mais de 150 imigrantes se afogam no Mar Mediterrâneo
Brasil e Europa vão ser interligados por novo cabo submarino
Acordo para mudar nome da Macedônia gera protestos em Atenas
Ghosn está disposto a aceitar qualquer condição para obter fiança
Bombeiros buscam pessoa desaparecida depois de tromba dágua no Rio
Mega-Sena acumula de novo e pode pagar R$ 38 milhões na quarta-feira

MAIS NOTICIAS

 

ANP aprova credenciamento de empresa certificadora
 
 
Política de combate à inflação foi bem-sucedida, diz presidente do BC
 
 
Marcos Pontes: fusão de Embraer e Boeing preserva interesses do país
 
 
Número de linhas de celular tem maior queda do ano em novembro
 
 
ANP: Petrobras pede prazo maior para definir quais campos vai explorar
 
 
Ex-presidente do Banco Central defende política econômica do governo

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212