Assine Brasil em Folhas / Nuvem / Pressreader



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


26 de Sep de 2018 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade
 

...

...

 
Notícias
 Obama condena decisão de Trump e diz que acordo com Irã é bem-sucedido - Jornal Brasil em Folhas
Obama condena decisão de Trump e diz que acordo com Irã é bem-sucedido


O ex-presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, que havia negociado o acordo nuclear com Irã e potências mundiais, durante seus dois mandatos, condenou hoje (8) a decisão do presidente Donald Trump de retirar o país do compromisso multilateral que inclui ainda Reino Unido, França, Alemanha, China e Rússia. Obama destacou os resultados já alcançados pelo acordo, entre eles, a eliminação de 97% do estoque iraniano de urânio enriquecido, insumo que pode ser usado para fabricar bomba atômica.

“Existem poucas questões mais importantes para a segurança dos Estados Unidos do que a disseminação potencial de armas nucleares, ou o potencial para uma guerra ainda mais destrutiva no Oriente Médio. É por isso que os Estados Unidos negociaram o Plano de Ação Compreensivo Conjunto (JCPOA) em primeiro lugar”, escreveu.

Obama, criticado diretamente por Trump pelo acordo, que rotulou como “o pior da história”, afirmou que o pacto está funcionando. “Essa é uma visão compartilhada por nossos aliados europeus, por especialistas independentes e pelo atual secretário de Defesa dos EUA”, disse, referindo-se ao secretário de Defesa, James Mattis, que afirmou em algumas ocasiões que era favorável à permanência dos Estados Unidos no compromisso multilateral.

O ex-presidente afirmou que o acordo conseguiu reduzir significativamente o programa nuclear do Irã, e chamou a negociação de um “modelo para o que a diplomacia pode realizar - seu regime de inspeções e verificação é precisamente o que os Estados Unidos deveriam trabalhar para estabelecer com a Coreia do Norte”.
Resultados do acordo

Obama destacou que, desde que o acordo foi implementado, o Irã destruiu o núcleo de um reator que poderia ter produzido plutônio para uso militar; removeu dois terços de suas centrífugas (mais de 13.000) e as colocou sob monitoramento internacional; e eliminou 97% de seu estoque de urânio enriquecido - a matéria-prima necessária para uma bomba.

“Então, por qualquer medida, o JCPOA impôs restrições estritas ao programa nuclear do Irã e alcançou resultados reais”, destacou o ex-presidente, em posição contrária à de Trump, que afirma que o governo iraniano vinha produzindo misseis balísticos e financiando grupos terroristas em conflitos na Síria e Iêmen.

Edição: Davi Oliveira

 

Últimas Notícias

Empresários brasileiros apostam em alimentos e bebidas saudáveis
Temporal no RS deixa mais de 360 mil residências sem luz
Livro aborda mentiras contadas por presidentes do Brasil em 100 anos
Setor da cachaça lança manifesto contra carga tributária
Polícia busca PM sequestrado por criminosos na zona oeste do Rio
Bolsonaro passa bem e tem dreno retirado do abdome
PM encontra carro de policial sequestrado no Rio
Festival de Brasília termina hoje com entrega de premiações

MAIS NOTICIAS

 

Toffoli toma posse hoje na presidência do STF
 
 
Chanceler do Paraguai visita Brasil para negociar construção de pontes
 
 
Indústria recua em oito dos 15 locais pesquisados pelo IBGE em julho
 
 
Brasil amplia investimento em educação infantil, diz OCDE
 
 
México investiga caso de deputadas forçadas a renunciar
 
 
A série de ataques de 11 de Setembro completa 17 anos

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212