Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


24 de Jan de 2019 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Obama condena decisão de Trump e diz que acordo com Irã é bem-sucedido - Jornal Brasil em Folhas
Obama condena decisão de Trump e diz que acordo com Irã é bem-sucedido


O ex-presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, que havia negociado o acordo nuclear com Irã e potências mundiais, durante seus dois mandatos, condenou hoje (8) a decisão do presidente Donald Trump de retirar o país do compromisso multilateral que inclui ainda Reino Unido, França, Alemanha, China e Rússia. Obama destacou os resultados já alcançados pelo acordo, entre eles, a eliminação de 97% do estoque iraniano de urânio enriquecido, insumo que pode ser usado para fabricar bomba atômica.

“Existem poucas questões mais importantes para a segurança dos Estados Unidos do que a disseminação potencial de armas nucleares, ou o potencial para uma guerra ainda mais destrutiva no Oriente Médio. É por isso que os Estados Unidos negociaram o Plano de Ação Compreensivo Conjunto (JCPOA) em primeiro lugar”, escreveu.

Obama, criticado diretamente por Trump pelo acordo, que rotulou como “o pior da história”, afirmou que o pacto está funcionando. “Essa é uma visão compartilhada por nossos aliados europeus, por especialistas independentes e pelo atual secretário de Defesa dos EUA”, disse, referindo-se ao secretário de Defesa, James Mattis, que afirmou em algumas ocasiões que era favorável à permanência dos Estados Unidos no compromisso multilateral.

O ex-presidente afirmou que o acordo conseguiu reduzir significativamente o programa nuclear do Irã, e chamou a negociação de um “modelo para o que a diplomacia pode realizar - seu regime de inspeções e verificação é precisamente o que os Estados Unidos deveriam trabalhar para estabelecer com a Coreia do Norte”.
Resultados do acordo

Obama destacou que, desde que o acordo foi implementado, o Irã destruiu o núcleo de um reator que poderia ter produzido plutônio para uso militar; removeu dois terços de suas centrífugas (mais de 13.000) e as colocou sob monitoramento internacional; e eliminou 97% de seu estoque de urânio enriquecido - a matéria-prima necessária para uma bomba.

“Então, por qualquer medida, o JCPOA impôs restrições estritas ao programa nuclear do Irã e alcançou resultados reais”, destacou o ex-presidente, em posição contrária à de Trump, que afirma que o governo iraniano vinha produzindo misseis balísticos e financiando grupos terroristas em conflitos na Síria e Iêmen.

Edição: Davi Oliveira

 

Últimas Notícias

Chega a 73 o número de mortos em explosão no México; feridos somam 74
Forte terremoto de magnitude 6,7 atinge o Chile
Mais de 150 imigrantes se afogam no Mar Mediterrâneo
Brasil e Europa vão ser interligados por novo cabo submarino
Acordo para mudar nome da Macedônia gera protestos em Atenas
Ghosn está disposto a aceitar qualquer condição para obter fiança
Bombeiros buscam pessoa desaparecida depois de tromba dágua no Rio
Mega-Sena acumula de novo e pode pagar R$ 38 milhões na quarta-feira

MAIS NOTICIAS

 

ANP aprova credenciamento de empresa certificadora
 
 
Política de combate à inflação foi bem-sucedida, diz presidente do BC
 
 
Marcos Pontes: fusão de Embraer e Boeing preserva interesses do país
 
 
Número de linhas de celular tem maior queda do ano em novembro
 
 
ANP: Petrobras pede prazo maior para definir quais campos vai explorar
 
 
Ex-presidente do Banco Central defende política econômica do governo

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212