Assine Brasil em Folhas / Nuvem / Pressreader



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


26 de Sep de 2018 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade
 

...

...

 
Notícias
 Ministro da Fazenda diz que controle da Eletrobras será pulverizado - Jornal Brasil em Folhas
Ministro da Fazenda diz que controle da Eletrobras será pulverizado


O ministro da Fazenda, Eduardo Guardia, defendeu, em audiência pública na Câmara dos Deputados, nesta terça-feira (8), a aprovação do projeto de privatização da Eletrobras (PL 9463/18). O governo encaminhou o PL ao Congresso Nacional no fim de janeiro. Pela proposta apresentada, a privatização ocorrerá por meio do lançamento de novas ações no mercado até que esse número transforme a União em acionista minoritário. Atualmente, a União detêm 51% das ações ordinárias (com direito a voto) e outros 40,99% do capital total da companhia.

O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), e seu braço de investimentos, o BNDESPar, controlam, juntos, outros 18,72% do capital da Eletrobras. De acordo com dados oficiais, o valor de mercado da Eletrobras está avaliado atualmente em R$ 27 bilhões, enquanto seu valor patrimonial está fixado em R$ 46 bilhões.
O ministro da Fazenda, Eduardo Guardia, o presidente da Comissão Especial da Câmara criada para analisar e dar parecer sobre o projeto de desestatização da Eletrobras, Hugo Motta, e o relator José carlos Aleluia, na reunião.

Segundo Guardia, “não é uma proposta de venda, mas sim de capitalização” da companhia. “Queremos uma Eletrobras forte. A gente precisa capitalizar a empresa para que ela seja capaz de desempenhar o seu papel, para competir nesse mercado que é competitivo. Precisamos de recursos que o acionista controlador [União] não tem”, destacou. Ele mencionou a questão ao falar sobre o alto endividamento da empresa, que controla cerca de 230 usinas hidrelétricas, 70 mil quilômetros de linhas de transmissão e responde por um terço da geração de energia elétrica do país.

Para o ministro, o modelo de desestatização proposto pelo governo preservará a autonomia da Eletrobras, por meio da “democratização” de seu capital. “No final desse processo, não terá um dono privado com controle da empresa. No jargão do mercado, vamos transformar a Eletrobras numa corporação, o mesmo modelo da Embraer e da Vale, que passaram a ter um controle difuso”, explicou. De acordo com Guardia, o projeto de lei prevê uma regra que impede um comprador de adquirir um valor superior a 10% das ações da Eletrobras. Além disso, se a proposta for aprovada, a União manterá uma ação golden share, que dá ao governo poder de veto sobre decisões estratégicas da companhia, como mudança de sede, e terá o direito de indicar até dois representantes no conselho de administração, enquanto os demais sócios só teriam direito a uma indicação no colegiado.
Pagamento da outorga

Ainda segundo Eduardo Guardia, o valor de R$ 12 bilhões que será pago para a União com a privatização da Eletrobras não se refere à venda de ações, mas ao pagamento pela renovação da outorga de exploração hidrelétrica da companhia por mais 30 anos. “O primeiro movimento é a capitalização da empresa, em operação na Bolsa de Valores, transparente, seguindo as melhores práticas (...). Não sabemos, nesse momento, qual será o valor dessa capitalização”, explicou.

O ministro garantiu ainda que parte dos recursos arrecadados será revertido para a Conta de Desempenho Energético (CDE), encargo cobrado do consumidor, para frear a subida das tarifas nas contas de luz após a desestatização da empresa. “O aumento de preço, no pior cenário, será inferior à inflação”, assegurou, citando projeções da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel).
Críticas da oposição

Após a apresentação de Guardia, um grupo de manifestantes que acompanhava a audiência, formado por integrantes de movimentos sociais e trabalhadores do setor elétrico, vaiou o ministro e gritou palavras de ordem contra a privatização da Eletrobras. Irritado com as intervenções, o presidente da comissão especial, deputado Hugo Motta (PRB/PB), determinou à Polícia Legislativa que retirasse o grupo do plenário, suspendendo a audiência por alguns minutos.

Para oposicionistas, a proposta de desestatização da Eletrobras pode violar a soberania energética do Brasil. “Em todos os países, militarmente mais fortes, quem controla o sistema de energia hidrológica é o estado. Nos Estados Unidos, só 27% está nas mãos de corporações privadas”, criticou o deputado Arlindo Chinaglia (PT-SP). “O presidente da Eletrobras está desmontando a empresa pra vender a preço de banana. É legítimo o governo privatizar a Eletrobras em final de mandato?”, questionou o deputado Leônidas Cristino (PDT-CE).

O relator do PL da privatização da Eletrobras, deputado José Carlos Aleluia (DEM-BA), vai disponibilizar seu relatório na tarde desta quarta-feira (9) e, de acordo com o presidente da comissão especial que analisa a matéria, Hugo Motta (PRB/PB), será dado prazo de cinco sessões plenárias para apresentação de emendas. A previsão é que o projeto vá a votação, na comissão, na última semana de maio. “O governo queria votar no começo de maio e a oposição, na primeira quinzena de junho, então acho que ficou um prazo equilibrado”, avaliou.

Edição: Davi Oliveira

 

Últimas Notícias

Empresários brasileiros apostam em alimentos e bebidas saudáveis
Temporal no RS deixa mais de 360 mil residências sem luz
Livro aborda mentiras contadas por presidentes do Brasil em 100 anos
Setor da cachaça lança manifesto contra carga tributária
Polícia busca PM sequestrado por criminosos na zona oeste do Rio
Bolsonaro passa bem e tem dreno retirado do abdome
PM encontra carro de policial sequestrado no Rio
Festival de Brasília termina hoje com entrega de premiações

MAIS NOTICIAS

 

Toffoli toma posse hoje na presidência do STF
 
 
Chanceler do Paraguai visita Brasil para negociar construção de pontes
 
 
Indústria recua em oito dos 15 locais pesquisados pelo IBGE em julho
 
 
Brasil amplia investimento em educação infantil, diz OCDE
 
 
México investiga caso de deputadas forçadas a renunciar
 
 
A série de ataques de 11 de Setembro completa 17 anos

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212