Assine Brasil em Folhas / Nuvem / Pressreader



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


25 de Sep de 2018 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade
 

...

...

 
Notícias
 Crédito deve crescer 7% este ano, dizem instituições financeiras - Jornal Brasil em Folhas
Crédito deve crescer 7% este ano, dizem instituições financeiras


O crédito para pessoas físicas deve crescer 7% este ano, estima a Associação Nacional das Instituições de Crédito, Financiamento e Investimento (Acrefi). Segundo a Acrefi, o que se prevê é o crescimento do crédito pessoa física com recursos livres, que cresceu 5,2% no ano passado.

Algumas linhas de crédito, que mostravam-se aquecidas no último trimestre do ano passado, continuam com bom desempenho neste primeiro trimestre, disse Nicola Tingas, economista da Acrefi. Para o segundo semestre, é possível que haja um pouco mais de aceleração na tomada de crédito pelas famílias e também na oferta, que já tem sido maior.”

Segundo o presidente da Acrefi, Hilgo Gonçalves, o crédito poderá dar um salto se o Cadastro Positivo for aprovado, o que vai disponibilizar mais informações sobre o comportamento do consumidor e, com isso, oferecer linhas de crédito com juros mais baixos. “É uma forma em que todos, no mercado financeiro e de crédito, terão mais informações das pessoas. O Cadastro Positivo vai trazer informações sobre as pessoas em relação ao cumprimento das suas obrigações, mostrando o comportamento do cliente no pagamento de suas contas.”

O Cadastro Positivo está em análise na Câmara dos Deputados. O Projeto de Lei Complementar (PLP 441/17) que o institui teve origem no Senado e permite que instituições financeiras incluam informações no sistema sem autorização específica dos clientes. Esse novo banco de dados substituirá o cadastro que já existe e que, por ser optativo, não funciona na prática. Atualmente, o sistema reúne 6 milhões de consumidores.

Gonçalves estima que, com a nova ferramenta, a oferta de empréstimos cresça. “No Chile, onde o Cadastro Positivo foi adotado há anos, o volume de crédito equivale a 100% do PIB [Produto Interno Bruto, soma de todos os bens e serviços produzidos no país]. No Brasil, a fatia é de 46%, mas vai disparar, com certeza, se adotarmos essa alternativa”, afirmou.

De acordo com a proposta, o consumidor poderá pedir a retirada de seu nome do Cadastro Positivo se não concordar com a inclusão. Para Gonçalves, os consumidores de renda mais baixa e os microempresários deverão ter mais acesso ao crédito: “Quanto melhor o comportamento dele com relação aquele crédito que adquiriu, mais crédito ele terá, além de uma taxa de juros mais próxima do que é o próprio comportamento do cliente.”

Recuperação cíclica

A Acrefi apresentou hoje (8) as perspectivas e cenários sobre o crédito nacional e a macroeconomia para este ano. Para a entidade, o primeiro trimestre revelou menos intensidade na recuperação cíclica da economia, mas ainda em trajetória favorável.

“Obstáculos externos não são os principais vetores de retardo da recuperação brasileira. A subida escalonada no tempo da taxa de juros americana (Fed Funds) e a instabilidade ampliada no comércio internacional por conta dos movimentos de guerra comercial promovidos por Donald Trump [presidente dos Estados Unidos] têm tido menor contágio para a economia local”, destacou o economista Nicola Tingas.

Para Tingas, o ambiente interno é o principal obstáculo. “Há fatores subjetivos ou indiretos como a intervenção federal no Rio de Janeiro, a pressão de políticos e grupos de interesse pela revisão da prisão de sentenciados em segunda instância, a multiplicidade de pré-candidatos à eleição de presidente da República e a insegurança sobre a política econômica e o perfil do futuro governo; pressão pela preservação de incentivos fiscais e gastos públicos diversos.”

Tingas disse que há também fatores objetivos ou diretos. “Há também o alto desemprego, a fragilidade no processo de recomposição de renda das famílias, a ausência de grandes investimentos e movimentos empresariais geradores de incremento de renda na economia, e ainda o retorno de cautela devido ao ambiente confuso e incerto sobre o processo eleitoral e seus resultados.”

Para a Acrefi, no segundo trimestre, com o Dia das Mães, no próximo dia 13. e a Copa do Mundo de Futebol, em junho, o comércio varejista mostrará o alcance da recuperação cíclica da economia neste ano. Para a entidade, o consumo das famílias é o principal vetor de tração do ano. Com inflação e juros baixos, menor endividamento e alguma estabilidade na renda, as famílias deverão continuar financiando a compra dos produtos de precisam como fizeram no último trimestre do ano, acrescentou o economista.

Edição: Nádia Franco

 

Últimas Notícias

Varejo perde R$ 19,5 bilhões em 2017 por danos em produtos e furtos
A partir deste sábado, candidatos só podem ser presos em flagrante
Brasileiros não se sentem prontos para lidar com a morte, diz pesquisa
Aos 95 anos, Gervásio Baptista recebe Medalha do Mérito Jornalístico
PF combate grupo criminoso responsável por contrabando de cigarros
Primavera começa hoje com possibilidade de novo episódio do El Niño
Facebook anuncia medidas para combater contas falsas e desinformação
Polícia Militar faz operação na Rocinha

MAIS NOTICIAS

 

Toffoli toma posse hoje na presidência do STF
 
 
Chanceler do Paraguai visita Brasil para negociar construção de pontes
 
 
Indústria recua em oito dos 15 locais pesquisados pelo IBGE em julho
 
 
Brasil amplia investimento em educação infantil, diz OCDE
 
 
México investiga caso de deputadas forçadas a renunciar
 
 
A série de ataques de 11 de Setembro completa 17 anos

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212