Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


14 de Nov de 2018 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Vacinação contra a gripe no Rio pretende imunizar 4 milhões de pessoas - Jornal Brasil em Folhas
Vacinação contra a gripe no Rio pretende imunizar 4 milhões de pessoas


Mais de 4 milhões de pessoas são esperadas nos postos de saúde do estado do Rio de Janeiro para se vacinar contra a influenza, no dia D da campanha contra a gripe. Na capital, a previsão é alcançar 1,4 milhão de pessoas em 536 clínicas da família e centros de saúde, até as 17h. O inverno é a época de maior circulação da doença no hemisfério sul.

De acordo com o subsecretário estadual de Vigilância em Saúde, Alexandre Chieppe, a prioridade é vacinar pessoas com maior risco de complicações pela gripe, como idosos, grávidas, mulheres que acabaram de ter bebê e crianças menores de 5 anos, mesmo que tenham tomado a vacina no ano passado. O restante da população deve procurar os postos no fim da campanha, que se encerra em 1º de junho, segundo calendário do Ministério da Saúde.

O subsecretário voltou a frisar que a vacina não causa gripe. A vacina contra gripe é feita de partículas do vírus, não tem vírus vivo na composição. Então, não tem como uma pessoa que toma a vacina desenvolver a gripe. O que é possível é que, a pessoa que já estava com o vírus no organismo quando tomou vacina, coincidentemente desenvolveu a gripe, mas não foi por conta da vacina.

A vacinação também inclui trabalhadores da área da saúde, professores, indígenas, presos ou jovens cumprindo medidas socioeducativas, além de agentes penitenciários, pessoas com doenças crônicas, HIV e doenças autoimunes.

As doses demoram entre sete e dez dias para imunizarem o paciente contra três variações da gripe mais comuns no inverno: A/H1N1, A/H3N2 e influenza B. O agravamento delas pode evoluir para uma pneumonia e se tornar mortal em pessoas mais vulneráveis.

Quem tem alergia a ovo, ao antibiótico canamicina ou teve síndrome de Guillain-Barre deve procurar um médico antes de se imunizar. Precisam de um tratamento especial. Já a pessoa que está com febre, deve esperar a cura antes de ir ao posto de saúde.

Higiene

Além de se vacinar, para se proteger, é importante lavar as mãos antes de se alimentar, usar um lenço descartável para limpar o nariz, além de cobrir o nariz e a boca para espirrar ou tossir, evitando tocar as excreções e manter a casa bem ventilada.

A transmissão da influenza se dá, normalmente, pelo convívio com pessoas infectadas ao tossir, espirrar ou falar. Pode acontecer também pelo contato com as secreções respiratórias. Em geral, os sintomas são febre, tosse ou dor na garganta, dor de cabeça, muscular ou nas articulações, por uma semana, mais ou menos. Cansaço extremo é um sintoma grave.

*Colaborou Joana Moscatelli, repórter do Radiojornalismo

Edição: Fernando Fraga

 

Últimas Notícias

Nordeste perdeu 1 milhão de trabalhadores no campo de 2012 para 2017
IBGE prevê em 2019 safra de grãos 0,2% menor que a de 2018
Safra de grãos pode chegar a 238,3 milhões de toneladas, diz Conab
Banco do Brasil tem lucro de 14,3% no terceiro trimestre
Percentual de inadimplentes recua em outubro, diz CNC
Boletos vencidos de todos os tipos serão pagos em qualquer banco
Leonardo de Morais toma posse na presidência da Anatel
Natal deve movimentar R$ 53,5 bilhões na economia do país, prevê SPC

MAIS NOTICIAS

 

No Congresso, Temer defende reuniões frequentes entre Poderes
 
 
Bolsonaro reafirma, no Congresso, compromisso com a Constituição
 
 
Bolsonaro critica Enem e diz que prova deve cobrar conhecimentos úteis
 
 
Governo de transição dividiu trabalhos por temas em dez frentes
 
 
Para ministro, é “mais simples” unir MEC com Ciência e Tecnologia
 
 
Bolsonaro e Temer iniciam hoje formalmente governo de transição

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2019 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212