Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


17 de Nov de 2018 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 China manifesta apoio à decisão da Argentina sobre FMI - Jornal Brasil em Folhas
China manifesta apoio à decisão da Argentina sobre FMI


Desde que anunciou a retomada das negociações com o Fundo Monetário Internacional (FMI), o presidente da Argentina, Mauricio Macri, recebeu apoio de divesos países, inclusive alguns inesperados, como o do governo da China. O presidente Xi Jinping se uniu ao Departamento do Tesouro norte-americano e aos governos do Brasil, do Chile, da Espanha e do Japão.

Xi Jinping não só manifestou seu “firme apoio” aos esforços do governo argentino por manter a estabilidade econômica, como também ofereceu ajuda, se necessário. No comunicado, o governo chinês elogia Macri por ter adotado medidas “oportunas e enérgicas” para lidar com os “fatores externos”. No caso, os aumentos das taxas de juros nos Estados Unidos e do preço do barril de petróleo no mercado internacional que impactaram vários países emergentes, além da Argentina.

O governo argentino decidiu recorrer ao fundo em busca de apoio externo para equilibrar a situação financeira do país. O ministro da Economia, Nicolas Dujovne, anunciou que já conversou com a diretora executiva do FMI, Christine Lagarde, sobre a possibilidade de um “empréstimo preventivo”, a taxas mais baixas que as do mercado.

Após enfrentar diversas crises e já ter tido necessidade de recorrer ao FMI outras vezes, o povo argentino acompanha com muita atenção todas as ações do governo na economia. “Na Argentina, termos como FMI e crédito stand-by fazem parte do jargão popular e são sinônimos de ajuste e crise”, explica com o humor típico argentino, o analista político Rosendo Fraga.

Para Fraga, a decisão de Macri em recorrer ao fundo terá um preço em sua popularidade e no xadrez político do país. “O presidente Mauricio Macri pagou um preço político por ter recorrido, esta semana, ao Fundo – uma organização, que é rejeitada pela maior parte dos argentinos e inclusive por dois de cada três simpatizantes da coalização governista de centro-direita, o Cambiemos. No inconsciente coletivo, FMI e uma má palavra”, diz Fraga.

O economista Gaston Rossi disse que a expectativa é que o FMI exija o estabelecimento de determinadas metas econômicas, como a redução do déficit fiscal, que atualmente representa 6% do Produto Interno Bruto (PIB) e que o governo espera cortar pela metade. “Mas dentro de um contexto de mudança de cenário externo, a Argentina se viu forçada a buscar assistência do Fundo para tentar acalmar os mercados. Agora o fundamental é mudar o ânimo dos investidores”, afirmou Rossi.

Edição: Amanda Cieglinski

 

Últimas Notícias

Presidente Díaz-Canel defende trabalho de médicos cubanos no Brasil
Ministério vai lançar edital para repor vagas de médicos cubanos
CFM afirma que há médicos suficientes para atender Brasil
Associação lança projeto para conscientizar população sobre diabetes 2
Transposição do S. Francisco está na pauta de prioridades da transição
Temer inaugura primeira etapa do acelerador de elétrons Sirius
Temer diz que decidirá “lá na frente” reajuste de ministros do STF
Só um governador do Nordeste participa de encontro em Brasília

MAIS NOTICIAS

 

Volume de vendas do varejo cai 1,3% em setembro
 
 
Gilmar Mendes suspende decisão que obriga bancos a ressarcir clientes
 
 
Prefeitos e secretários pedem para manter cubanos no Mais Médicos
 
 
Em depoimento, Lula nega que é dono de sítio em Atibaia
 
 
Mega-Sena acumula e pode pagar R$ 33 milhões no próximo sorteio
 
 
Enem: estudantes fazem hoje prova de matemática e ciências da natureza

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2019 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212