Assine Brasil em Folhas / Nuvem / Pressreader



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


25 de Sep de 2018 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade
 

...

...

 
Notícias
 Saída do acordo nuclear isolou EUA e gerou incerteza sobre o petróleo - Jornal Brasil em Folhas
Saída do acordo nuclear isolou EUA e gerou incerteza sobre o petróleo


A retirada dos Estados Unidos do acordo nuclear com o Irã representou um isolamento dos parceiros europeus. Os impactos externos, internos e econômicos da decisão tomada pelo presidente Donald Trump devem ser percebidos de forma gradual. Essa é a análise de acadêmicos e economistas ouvidos pela Agência Brasil.

No aspecto das relações exteriores, a maioria dos analistas vê a saída norte-americana do Plano de Ação Integral Conjunto, nome oficial do acordo, como um erro estratégico. Na questão energética, a avaliação é de que a influência no preço do petróleo vai depender do alcance e das sanções a serem aplicadas pelos Estados Unidos.

Internamente, a decisão do presidente Donald Trump foi vista como mais um movimento para agradar ao eleitorado conservador. Na terça-feira (8), o republicano anunciou oficialmente a retirada dos Estados Unidos do pacto e assinou memorando presidencial para reestabelecer sanções econômicas, que classificou de “poderosas” e “de mais alto nível”.

Ainda na campanha eleitoral, Trump faz severas críticas ao pacto e o classificou como o “pior acordo da história”. O compromisso foi assinado em 2015 pelo antecessor Barack Obama e pelos líderes de Reino Unido, França, Alemanha, China e Rússia.
Armas Nucleares

Organizações da sociedade civil e pesquisadores norte-americanos se somaram a países europeus na crítica da decisão tomada por Trump. O ex-presidente Barack Obama,que defende o acordo como uma conquista da diplomacia democrata, classificou o anúncio de “um grande equívoco”.

A Organização Não-Governamental Nuclear Threat Initiative (Iniciativa de Ameaça Nuclear, NTI na sigla em inglês), que atua em Washington, afirmou que o abandono viola o acordo nuclear com o Irã.

O diretor executivo da NTI, Ernest J. Moniz, afirmou que a medida foi um “erro estratégico” e que “os Estados Unidos estão agora violando os termos do acordo sem oferecer uma alternativa verossímil”. Ele acrescenta que a decisão prejudica tanto a capacidade dos Estados Unidos de impedir que o Irã adquira material para construir uma arma nuclear, como também prejudica a capacidade de inibir a disseminação e o uso de armas nucleares no mundo.

Para o especialista, a retirada dificulta ainda o trabalho norte-americano com aliados e parceiros em questões de interesse global e causa danos aos interesses do país no Oriente Médio por anos ou talvez décadas. Moniz fez as declarações em um comunicado enviado por e-mail à Agência Brasil e publicado na página da instituição.

O diretor-presidente da Foundation for Defense of Democracies (Fundação em Defesa das Democracias, FDD), Jonathan Schanzer, discorda das críticas. A ONG conservadora norte-americana, com sede em Washington, defende que o acordo nuclear tem profundas falhas que o inviabilizaram. “Se houvesse uma maneira de consertar, isso provavelmente teria sido ótimo”, afirmou.

Em um artigo publicado na página do FDD, Schanzer defendeu que os termos tinham “lacunas. E argumentou que não foi possível encontrar uma solução no diálogo entre Washington e os europeus (Reino Unido, França e Alemanha).

Schanzer, que é ex-analista sobre terrorismo do Departamento do Tesouro, argumentou que “Trump seguiu seus instintos”. O que vem agora, na visão dele, depende de como os Estados Unidos articularão a aplicação de sanções.
Política Externa

Como no abandono do Acordo de Paris sobre mudanças climáticas, a saída do pacto multilateral com o Irã aprofunda movimentos isolacionistas da Casa Branca da atual gestão.

O professor de Ciências Políticas do Colorado College, em Colorado Springs, Robert Lee, afirmou em uma entrevista por e-mail à Agência Brasil, que a decisão de Trump afasta o país da Europa e parece “encorajar os europeus a se unirem em defesa de uma política externa única e independente”.

Lee acredita que “essa (nova) política pode ser levemente hostil às iniciativas dos Estados Unidos em todo o mundo e mais receptiva às iniciativas russas e chinesas”. A avaliação dele é compartilhada pelo diretor da NTI, Ernest Moniz, que acredita que Trump “criou uma profunda divisão entre os Estados Unidos e os aliados na Europa”.

Para a ONG conservadora FDD, no entanto, o retorno das sanções é a única chance de fazer com que o Irã realmente abra mão de seus programas nucleares. “Se quisermos restabelecer a pressão financeira e diplomática sobre o regime em Teerã, essa pressão deve ser esmagadora. Deve impor tanta dor econômica que o Irã permanentemente deixe de procurar armas nucleares”, acredita o diretor da instituição.
Petróleo

As economias mundiais observam o movimento do mercado energético. Analistas esperam os reflexos da esperada restrição dos Estados Unidos à compra do petróleo iraquiano para saber como isso influenciará o mercado global nos próximos meses. As sanções norte-americanas no setor petrolífero devem ser retomadas daqui a 90 dias.

O Centro de Estudos e Referência Petroleum Economist (Economista do Petróleo) avalia que embora o acordo nuclear iraniano se mantenha com seis outros signatários comprometidos, o papel dominante dos Estados Unidos na economia global garante que a decisão de Trump causará impacto nas linhas de abastecimento de petróleo e gás do mundo. A instituição reúne especialistas em política e economia na área de energia e combustível no mundo.

Além disso, a subida de preços do petróleo tipo brent durante a semana representou um alerta ao mercado. Mas a resposta iraniana amenizou um pouco os ânimos, segundo o analista Justin Jacobs, da Petroleum Economist. Para ele, “o governo iraniano se posicionou com uma alternativa responsável”.

No mesmo dia do anúncio de Trump, o presidente do Irã, Hassan Rouhani, disse que manterá o acordo nuclear. Rouhani ordenou ao Ministério de Relações Exteriores do país que faça consultas e discussões com a França, Alemanha, o Reino Unido, a Rússia e China, para a permanência do pacto.

Jacobs afirma, no entanto, que não é possível antecipar os desdobramentos dos próximos meses. “As forças conservadoras no Irã, que há muito criticam o acordo, se sentirão encorajadas e pressionarão por uma abordagem mais adversa aos Estados Unidos, o que pode incluir a retomada do programa nuclear”, avalia.

A questão-chave para o especialista é entender quanto petróleo será retirado dos mercados globais à medida que as sanções forem restabelecidas.
Política Interna

O anúncio de Trump poderá ecoar positivamente junto ao seu eleitorado, mas é pouco provável que melhore a avaliação do governo. Atualmente a aprovação do republicano está abaixo dos 40%. A análise é do professor Robert Lee, em entrevista à Agência Brasil.

Para o professor de Ciência Política, o acordo com o Irã constituiu uma conquista importante de Barack Obama. Mas Trump, segundo ele, parece estar competindo contra o legado do democrata, tanto em questões de política externa, quanto interna.

Lee acredita ser difícil enxergar o sentido político ou estratégico para justificar a decisão de abandonar o pacto iraniano. “Será que ele (Trump) vai convencer os norte-americanos de que um conflito armado com outro país do Oriente Médio é do interesse nacional? Eu acho isso implausível”, concluiu.

Edição: Fernando Fraga

 

Últimas Notícias

Varejo perde R$ 19,5 bilhões em 2017 por danos em produtos e furtos
A partir deste sábado, candidatos só podem ser presos em flagrante
Brasileiros não se sentem prontos para lidar com a morte, diz pesquisa
Aos 95 anos, Gervásio Baptista recebe Medalha do Mérito Jornalístico
PF combate grupo criminoso responsável por contrabando de cigarros
Primavera começa hoje com possibilidade de novo episódio do El Niño
Facebook anuncia medidas para combater contas falsas e desinformação
Polícia Militar faz operação na Rocinha

MAIS NOTICIAS

 

Toffoli toma posse hoje na presidência do STF
 
 
Chanceler do Paraguai visita Brasil para negociar construção de pontes
 
 
Indústria recua em oito dos 15 locais pesquisados pelo IBGE em julho
 
 
Brasil amplia investimento em educação infantil, diz OCDE
 
 
México investiga caso de deputadas forçadas a renunciar
 
 
A série de ataques de 11 de Setembro completa 17 anos

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212