Assine Brasil em Folhas / Nuvem / Pressreader



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


25 de Sep de 2018 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade
 

...

...

 
Notícias
 Programa Um Olhar sobre o mundo discute a situação das Coreias - Jornal Brasil em Folhas
Programa Um Olhar sobre o mundo discute a situação das Coreias


O cônsul da Coreia do Sul em São Paulo Hak You Kim e o encarregado de negócios da embaixada do Brasil na Coreia do Norte, Cleiton Schenkel, são os convidados de hoje do jornalista Moises Rabinovici no programa Um olhar sobre o Mundo que vai ao ar nesta segunda-feira (14), às 21h45, na TV Brasil.

Ambos conversam com Rabinovici sobre o anunciado encontro entre o presidente dos Estados Unidos (EUA), Donald Trump, e o líder da Coreia do Norte, Kim Jong-un, que deve acontecer no dia 12 de junho em Singapura. A reunião entre os dois pode marcar um momento muito importante para a paz na península coreana e em todo o planeta, depois da crescente tensão criada nos últimos anos, com a intensificação do programa nuclear norte-coreano e as ameaças do regime de Pyongyang de disparar seus mísseis contra os EUA ou seus aliados.

Os dois convidados falam também sobre a situação de cada um dos dois países e debatem as perspectivas que se abriram para um possível acordo entre as duas nações, criadas em 1948, com a divisão da península coreana, a parte norte controlada pelos soviéticos e pela China, enquanto o sul foi ocupado pelos Estados Unidos.

Lembram a repercussão nas Coreias do Norte e Sul do importante movimento diplomático que aconteceu na zona desmilitarizada entre os dois países no final de abril, quando houve o histórico aperto de mãos entre o presidente sul coreano Moon Jae-in e o líder norte-coreano Kim Jong-un. Foi a primeira reunião entre líderes dos dois países em mais de uma década e inaugurou o processo de reaproximação, logo após as Olimpíadas de Inverno realizadas em Seul.

O contraste atual entre as duas Coreias fica bem evidente na conversa Rabinovici com os dois diplomatas. Enquanto o cônsul da Coreia do Sul relata um ambiente de liberdade e desenvolvimento em seu país, o encarregado de negócios do Brasil na Coreia do Norte disse que naquele país existe um isolamento em relação ao exterior e até mesmo as notícias sobre o encontro de Kim com Moon foram censuradas e liberadas em conta-gotas para os norte-coreanos. Ainda assim, segundo disse o Cleiton Schenkel, que pertence à única família brasileira que vive em Pyongyang, existe um clima de otimismo na capital da Coreia do Norte em relação às possíveis negociações para o estabelecimento de paz entre o norte e o sul.

O cônsul da Coreia do Sul em São Paulo ressaltou que o encontro do presidente Trump com Kim será decisivo para o estabelecimento da paz na península coreana. Para ele, a intervenção do presidente norte-americano será tão importante nesse processo de pacificação das duas Coreias que Trump seria merecedor do prêmio Nobel da Paz.

O encarregado de negócios do Brasil ressaltou que na Coreia do Norte, embora existam sérias discordâncias com o governo sul-coreano, não há animosidade em relação ao povo da Coreia do Sul. O grande inimigo, na visão dos norte-coreanos são mesmos os Estados Unidos, lembrados como responsáveis pela destruição do país durante a Guerra da Coreia.

O cônsul da Coreia do Sul disse que, na sua avaliação, a Coreia do Norte está agora voltada para o desenvolvimento econômico e deve seguir o modelo chinês e vietnamita, mantendo-se socialista, mas buscando fazer crescer a economia. Segundo ele, no entanto, isso só será possível se o regime norte-coreano abandonar a busca por armas nucleares.

Sobre a possibilidade de uma futura reunificação das duas Coreias, Hak You Kim afirmou que esse é um desejo dos povos dos dois países. Explicou que o povo coreano tem uma história única de 5 mil anos e que a divisão política das duas Coreias tem apenas 70 anos. Tanto no sul como no norte queremos a reunificação. A paz contribuiria muito para o desenvolvimento econômico de toda a Coreia.

Disse acreditar que o líder norte-coreano pode desmantelar seu arsenal nuclear caso receba nas próximas negociações garantias da manutenção de seu regime, se houver compromisso dos Estados Unidos de não atacar a Coreia do Norte e se o atual armistício que existe entre as duas Coreias for substituído por um tratado de paz.

Edição: Valéria Aguiar

 

Últimas Notícias

Varejo perde R$ 19,5 bilhões em 2017 por danos em produtos e furtos
A partir deste sábado, candidatos só podem ser presos em flagrante
Brasileiros não se sentem prontos para lidar com a morte, diz pesquisa
Aos 95 anos, Gervásio Baptista recebe Medalha do Mérito Jornalístico
PF combate grupo criminoso responsável por contrabando de cigarros
Primavera começa hoje com possibilidade de novo episódio do El Niño
Facebook anuncia medidas para combater contas falsas e desinformação
Polícia Militar faz operação na Rocinha

MAIS NOTICIAS

 

Toffoli toma posse hoje na presidência do STF
 
 
Chanceler do Paraguai visita Brasil para negociar construção de pontes
 
 
Indústria recua em oito dos 15 locais pesquisados pelo IBGE em julho
 
 
Brasil amplia investimento em educação infantil, diz OCDE
 
 
México investiga caso de deputadas forçadas a renunciar
 
 
A série de ataques de 11 de Setembro completa 17 anos

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212