Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


22 de Jan de 2019 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Mesmo com atuação reforçada do BC, dólar sobe nesta segunda-feira - Jornal Brasil em Folhas
Mesmo com atuação reforçada do BC, dólar sobe nesta segunda-feira


Mesmo com uma atuação mais forte do Banco Central por meio dos leilões de venda de dólares no mercado futuro (swaps cambiais), a moeda norte-americana está em alta. Às 12h40, o dólar estava cotado a R$ 3,625, com alta de 0,66%.

O professor de macroeconomia do Ibmec-RJ e economista da Órama Investimentos, Alexandre Espírito Santo, lembra que o dólar está em alta em todo o mundo por conta da expectativa de elevação mais rápida do que o previsto da taxa de juros dos Estados Unidos. A alta da taxa de juros americana atrai dinheiro para economias avançadas, provocando a fuga de capitais financeiros de países emergentes, como o Brasil. “Eventualmente os juros no ano que vem em torno de 3% já atrai o investidor estrangeiro para retornar”, disse.

Para Espírito Santo, a crise na Argentina acaba gerando efeitos para o Brasil também porque os investidores costumam avaliar todos os países emergentes como iguais: “a Argentina estressou nas últimas semanas por vários motivos e o dólar pressionou muito lá. E aí sempre existe aquilo de efeito contágio. Eu chamo de efeito tango.”

O economista destacou, entretanto, que o Brasil, diferentemente da Argentina, não vive crise em seu balanço de pagamentos. Ele lembrou que o déficit em transações correntes (compras e vendas de mercadorias e serviços e transferências de renda do país com o mundo) do Brasil está baixo e é financiável, com investimentos estrangeiros e empréstimos. “Temos uma questão fiscal em aberto. O país não fez o dever de casa, as reformas necessárias. Os investidores saem dos países que não fazem o dever de casa”, disse, referindo-se à reforma da Previdência.

Outro fator citado pelo economista é que muitos investidores estavam apostando na queda da moeda (posição vendida) e como começaram a ter prejuízos, agora estão zerando posições. Espírito Santo citou ainda as incertezas quanto ao cenário eleitoral deste ano. “Esse movimento não vai ter sustentação no médio prazo, a não ser uma questão política que referende isso mais a frente. Mas ainda está muito cedo”, disse.

Para o economista, ao reforçar os leilões, o BC está sinalizando que o atual patamar da moeda está alto: o Banco Central está sinalizando que o preço está em patamar exagerado.

Na última sexta-feira (11), após o fechamento do mercado, o BC anunciou ajustes nos leilões de contratos de sawps cambiais, equivalentes à venda de dólares mercado futuro. O BC passou a fazer leilões com vencimento em junho e antecipou operações adicionais. Com os ajustes, hoje (14) o BC iniciou a oferta diária de rolagem integral de 4.225 contratos, com vencimento em junho. Além disso, o BC iniciou hoje (14) a oferta adicional de 5 mil novos contratos ao longo do mês e não apenas ao final como estava previsto.

Edição: Denise Griesinger

 

Últimas Notícias

Inep divulga resultado do Enem
Frédéric Lamotte é o novo diretor geral da CA Indosuez Wealth (Miami) e responsável Global da região das Américas
A ACIRLAG chega para impulsionar o setor econômico da região Leste de Aparecida
Contas públicas devem ficar negativas em R$ 102,385 bilhões
China e commodities lideram aumento das exportações brasileiras
Procuradora aposentada condenada por torturar criança é presa no Rio
Operação prende 204 pessoas e autua 81 motoristas alcoolizados em SP
Inadimplência no país cresce 4,41% em 2018

MAIS NOTICIAS

 

ANP aprova credenciamento de empresa certificadora
 
 
Política de combate à inflação foi bem-sucedida, diz presidente do BC
 
 
Marcos Pontes: fusão de Embraer e Boeing preserva interesses do país
 
 
Número de linhas de celular tem maior queda do ano em novembro
 
 
ANP: Petrobras pede prazo maior para definir quais campos vai explorar
 
 
Ex-presidente do Banco Central defende política econômica do governo

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212