Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


12 de Nov de 2018 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 BC da Argentina passa por teste e consegue rolar dívida bilionária - Jornal Brasil em Folhas
BC da Argentina passa por teste e consegue rolar dívida bilionária


O Banco Central da Argentina conseguiu rolar a dívida equivalente a 600 bilhões de pesos, que vencia nesta terça-feira (15), e com isso evitar uma saída de investimentos do país que enfrenta uma crise cambial. O dia foi considerado um teste para o governo de Mauricio Macri.

A dívida foi emitida em Letras do Banco Central Argentino, as Lebacs, os principais título usados para o financiamento da economia. Desde que o Tesouro dos Estados Unidos aumentou as taxas de juros, muitos dos que investiram nas Lebacs optaram por vender os títulos em pesos, comprar dólares e aplicá-los nos Estados Unidos ou em países mais estáveis. Se o Banco Central não tivesse refinanciado a dívida, milhares de dólares poderiam deixar o país - e a moeda norte-americana é usada como poupança na Argentina.

“A estratégia de bombeiro funcionou: o governo arrebentou a porta e conseguiu apagar o incêndio”, disse em entrevista à Agência Brasil, o economista Fausto Spotorno, da consultora Orlando Ferreres.

Para recuperar a confiança dos investidores, a Argentina começou a negociar, com o Fundo Monetário Internacional (FMI), uma linha de crédito.

Dólar

Apesar das medidas emergenciais, o dólar continuou a subir e chegou a operar a 25 pesos hoje, mas fechou o dia abaixo do valor. “Agora, o problema vai ser cortar os gastos, reduzir o déficit público e combater a inflação, que já é alta, e agora será mais ainda”, disse Spotorno.
Inflação

Nesta terça-feira, o Instituto Nacional de Estatística e Censos (Indec) informou que a inflação do país medida pelo Índice de Preços ao Consumidor (IPC) subiu para 2,7% em abril e acumula alta de 9,6% desde o início deste ano. Na comparação com abril de 2017, os preços subiram 25,5% no mês passado. O aumento dos preços em abril se deve aos fortes aumentos dos preços regulados dos serviços públicos, conhecidos como tarifaços de água, eletricidade, gás e outros combustíveis. O ministro da Fazenda, Nicolas Dujovne, avisou que a inflação será maior, e o crescimento menor.

O próprio presidente Mauricio Macri disse hoje sobre a “angústia e preocupação” dos argentinos, que temem repetir a crise de 2001 – a mais séria enfrentada recentemente. Mas garantiu que o país está longe disso.

Edição: Carolina Pimentel

 

Últimas Notícias

Nordeste perdeu 1 milhão de trabalhadores no campo de 2012 para 2017
IBGE prevê em 2019 safra de grãos 0,2% menor que a de 2018
Safra de grãos pode chegar a 238,3 milhões de toneladas, diz Conab
Banco do Brasil tem lucro de 14,3% no terceiro trimestre
Percentual de inadimplentes recua em outubro, diz CNC
Boletos vencidos de todos os tipos serão pagos em qualquer banco
Leonardo de Morais toma posse na presidência da Anatel
Natal deve movimentar R$ 53,5 bilhões na economia do país, prevê SPC

MAIS NOTICIAS

 

No Congresso, Temer defende reuniões frequentes entre Poderes
 
 
Bolsonaro reafirma, no Congresso, compromisso com a Constituição
 
 
Bolsonaro critica Enem e diz que prova deve cobrar conhecimentos úteis
 
 
Governo de transição dividiu trabalhos por temas em dez frentes
 
 
Para ministro, é “mais simples” unir MEC com Ciência e Tecnologia
 
 
Bolsonaro e Temer iniciam hoje formalmente governo de transição

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2019 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212