Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


14 de Nov de 2018 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Argentina tem dia de expectativa no mercado financeiro - Jornal Brasil em Folhas
Argentina tem dia de expectativa no mercado financeiro


A Argentina vive um dia de expectativa hoje (15). O país está de olho na reação do mercado financeiro ao aumento das taxas de juros de referência, para 40%, e à decisão do presidente Mauricio Macri de recorrer a um empréstimo do Fundo Monetário Internacional (FMI). As duas medidas foram tomadas apos a disparada do dólar, no inicio do mês, para conter a saída de capitais e a desvalorização do peso. Essa estratégia será colocada à prova nesta terça-feira (15), quando vencem aplicações de 645 bilhões de pesos em Letras do Banco Central argentino (Lebac).

O dólar funciona no país como um termômetro para medir o nível de confiança na economia – tanto dos mercados, quanto de boa parte da população, acostumada a poupar em moeda norte-americana, para se proteger de eventuais crises e da inflação. A decisão dos Estados Unidos de elevar a taxa de juros levou um grupo de investidores – entre eles empresas estrangeiras - a optar por não renovar suas aplicações em Lebac. “Muitos preferiram transferir o dinheiro para o mercado norte-americano, agora que o rendimento aumentou”, disse o economista Alan Cibils, da Universidade Nacional de General Sarmiento. “Paga menos do que a Argentina, mas é mais estável”.

Para tentar reter esses investidores, o Banco Central aumentou as taxas de juros três vezes nas duas últimas semanas. O governo pediu apoio financeiro ao FMI, que está negociando uma linha de crédito stand by, a juros mais baixos que os de mercado – a primeira em 13 anos. Segundo Macri, a Argentina está entre os países que mais dependem de financiamento externo e essa foi a melhor saída para superar este momento difícil. Mas a maioria dos argentinos associa o Fundo a ajustes e apertos.

Na segunda-feira (14), Macri recebeu o apoio do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, com quem conversou por telefone durante dez minutos, e também do governo alemão. À tarde, o presidente se reuniu com os líderes das principais bancadas no Senado. O ministro da Fazenda, Nicolas Dujovne, admitiu que a “Argentina terá um pouco menos de crescimento econômico e um pouco mais de inflação”. O índice inflacionário no país gira em torno de 20% ao ano – e uma das promessas que Macri fez na campanha - e ainda não conseguiu cumprir - foi reduzi-lo.

Edição: Graça Adjuto

 

Últimas Notícias

Nordeste perdeu 1 milhão de trabalhadores no campo de 2012 para 2017
IBGE prevê em 2019 safra de grãos 0,2% menor que a de 2018
Safra de grãos pode chegar a 238,3 milhões de toneladas, diz Conab
Banco do Brasil tem lucro de 14,3% no terceiro trimestre
Percentual de inadimplentes recua em outubro, diz CNC
Boletos vencidos de todos os tipos serão pagos em qualquer banco
Leonardo de Morais toma posse na presidência da Anatel
Natal deve movimentar R$ 53,5 bilhões na economia do país, prevê SPC

MAIS NOTICIAS

 

No Congresso, Temer defende reuniões frequentes entre Poderes
 
 
Bolsonaro reafirma, no Congresso, compromisso com a Constituição
 
 
Bolsonaro critica Enem e diz que prova deve cobrar conhecimentos úteis
 
 
Governo de transição dividiu trabalhos por temas em dez frentes
 
 
Para ministro, é “mais simples” unir MEC com Ciência e Tecnologia
 
 
Bolsonaro e Temer iniciam hoje formalmente governo de transição

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2019 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212