Assine Brasil em Folhas / Nuvem / Pressreader



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


20 de Sep de 2018 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade
 

...

...

 
Notícias
 Argentina tem dia de expectativa no mercado financeiro - Jornal Brasil em Folhas
Argentina tem dia de expectativa no mercado financeiro


A Argentina vive um dia de expectativa hoje (15). O país está de olho na reação do mercado financeiro ao aumento das taxas de juros de referência, para 40%, e à decisão do presidente Mauricio Macri de recorrer a um empréstimo do Fundo Monetário Internacional (FMI). As duas medidas foram tomadas apos a disparada do dólar, no inicio do mês, para conter a saída de capitais e a desvalorização do peso. Essa estratégia será colocada à prova nesta terça-feira (15), quando vencem aplicações de 645 bilhões de pesos em Letras do Banco Central argentino (Lebac).

O dólar funciona no país como um termômetro para medir o nível de confiança na economia – tanto dos mercados, quanto de boa parte da população, acostumada a poupar em moeda norte-americana, para se proteger de eventuais crises e da inflação. A decisão dos Estados Unidos de elevar a taxa de juros levou um grupo de investidores – entre eles empresas estrangeiras - a optar por não renovar suas aplicações em Lebac. “Muitos preferiram transferir o dinheiro para o mercado norte-americano, agora que o rendimento aumentou”, disse o economista Alan Cibils, da Universidade Nacional de General Sarmiento. “Paga menos do que a Argentina, mas é mais estável”.

Para tentar reter esses investidores, o Banco Central aumentou as taxas de juros três vezes nas duas últimas semanas. O governo pediu apoio financeiro ao FMI, que está negociando uma linha de crédito stand by, a juros mais baixos que os de mercado – a primeira em 13 anos. Segundo Macri, a Argentina está entre os países que mais dependem de financiamento externo e essa foi a melhor saída para superar este momento difícil. Mas a maioria dos argentinos associa o Fundo a ajustes e apertos.

Na segunda-feira (14), Macri recebeu o apoio do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, com quem conversou por telefone durante dez minutos, e também do governo alemão. À tarde, o presidente se reuniu com os líderes das principais bancadas no Senado. O ministro da Fazenda, Nicolas Dujovne, admitiu que a “Argentina terá um pouco menos de crescimento econômico e um pouco mais de inflação”. O índice inflacionário no país gira em torno de 20% ao ano – e uma das promessas que Macri fez na campanha - e ainda não conseguiu cumprir - foi reduzi-lo.

Edição: Graça Adjuto

 

Últimas Notícias

Centro está preparado para lançamento de foguete após acidente
Cidades brasileiras integram programa de preservação de florestas
MP denuncia ex-marido de corretora assassinada no Rio
Bolsonaro segue estável e internado no Hospital Albert Einstein
Goiás entra para a elite dos Estados mais competitivos do País
Petrobras eleva gasolina em 2 centavos; diesel permanece inalterado
MME faz consulta sobre planejamento da transmissão de energia elétrica
Inadimplência do consumidor subiu 3,63% em agosto

MAIS NOTICIAS

 

Toffoli toma posse hoje na presidência do STF
 
 
Chanceler do Paraguai visita Brasil para negociar construção de pontes
 
 
Indústria recua em oito dos 15 locais pesquisados pelo IBGE em julho
 
 
Brasil amplia investimento em educação infantil, diz OCDE
 
 
México investiga caso de deputadas forçadas a renunciar
 
 
A série de ataques de 11 de Setembro completa 17 anos

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212