Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


19 de Nov de 2018 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Macri anuncia fim de turbulência no câmbio, mas prevê tempos duros - Jornal Brasil em Folhas
Macri anuncia fim de turbulência no câmbio, mas prevê tempos duros


O presidente da Argentina, Mauricio Macri, disse hoje (16) que considera ter superado “a turbulência cambial” que levou o país a iniciar negociações com o Fundo Monetário Internacional (FMI) para pedir um empréstimo e acalmar os mercados. Mas deixou claro que tempos duros virão e que – segundo ele – o país está mais preparado para enfrentar a realidade de que os argentinos gastam mais do que ganham há “mais de 70 anos” e precisam cortar esses gastos já.

Macri disse que vai buscar um acordo com todas as forças políticas e os sindicatos para acelerar os ajustes que ele vinha implementando gradualmente desde que assumiu o poder, em dezembro de 2015. Perguntado se tinha uma autocriticada a fazer, ele respondeu que tinha sido demasiado “otimista” quando estabeleceu metas de crescimento e de inflação. O índice inflacionário, que o governo esperava reduzir de 25% em 2017 a 15% este ano, deve superar os 20%.

O presidente falou em uma entrevista à imprensa nacional e internacional, convocada para a tarde, para fazer um balanço da situação, depois da disparada do dólar que, na Argentina, ressuscitou os fantasmas da crise de 2001 – a pior da história recente do país. A coletiva faz parte da estratégia de comunicação de Macri, que pessoalmente anunciou aos argentinos a decisão de recorrer ao FMI. O órgão financeiro internacional, com sede em Washington, é rejeitado pela maioria dos argentinos, que associam o Fundo a ajustes e apertos.

“Ninguém vai nos condicionar”, disse Macri, ao garantir que o FMI não vai ditar que cortes precisam ser feitos. Essa decisão – explicou – precisa ser tomada pelos dirigentes políticos do país. Mas a Argentina terá que demonstrar que poderá reembolsar o empréstimo – e, para tanto, não pode gastar mais do que ganha. Segundo o presidente, esta e uma “oportunidade” para fazer o que ninguém fez em mais de sete décadas: acabar com o déficit fiscal (hoje equivalente a 6% do Produto Interno Bruto - PIB), que ele chamou de “flagelo nacional”.

Macri disse que está disposto a pagar o preço político por eventuais medidas impopulares – mas necessárias – que ele não detalhou. O presidente assegurou que está mais preocupado em tirar a Argentina do buraco do que com sua reeleição. Sem maioria no Congresso, o governo depende de acordos políticos para aprovar reformas polêmicas, como a trabalhista. “Sou otimista”, disse. E justificou: os argentinos aprenderam com o passado e estão mais conscientes de que precisam fazer esforços.

No meio da entrevista, o presidente sentiu a boca a seca e brincou com a situação: “Tanta austeridade que nem água tomei”.

Edição: Davi Oliveira

 

Últimas Notícias

Submarino argentino é encontrado um ano e um dia após desaparecimento
Parlamento cubano rejeita resolução da Eurocâmara sobre direitos human
Incêndio da Califórnia registra 74 mortos e mais de mil desaparecidos
Livro mistura suspense e fantasia em reflexão sobre violência no país
EBC e Fundação Getulio Vargas firmam acordo para revitalizar acervo
Trabalho de escoramento em viaduto paulistano prossegue neste sábado
Belo Horizonte tem previsão de mais chuva; temporais já mataram quatro
Prefeito de Mariana diz que não desistirá de ação no Reino Unido

MAIS NOTICIAS

 

Morre em Pelotas o criador da camisa canarinho, Aldyr Schlee
 
 
Brasil concentrou 40% dos feminicídios da América Latina em 2017
 
 
Jungmann e Toffoli anunciam sistema para unificar processos de presos
 
 
Pensamento liberal deve guiar a equipe econômica de Bolsonaro
 
 
Gold3-4 minutosfajn permanecerá à frente do BC até Senado aprovar Campos Neto
 
 
Senado argentino aprova orçamento de 2019 como prometeu ao FMI

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2019 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212