Assine Brasil em Folhas / Nuvem / Pressreader



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


24 de Sep de 2018 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade
 

...

...

 
Notícias
 Macri anuncia fim de turbulência no câmbio, mas prevê tempos duros - Jornal Brasil em Folhas
Macri anuncia fim de turbulência no câmbio, mas prevê tempos duros


O presidente da Argentina, Mauricio Macri, disse hoje (16) que considera ter superado “a turbulência cambial” que levou o país a iniciar negociações com o Fundo Monetário Internacional (FMI) para pedir um empréstimo e acalmar os mercados. Mas deixou claro que tempos duros virão e que – segundo ele – o país está mais preparado para enfrentar a realidade de que os argentinos gastam mais do que ganham há “mais de 70 anos” e precisam cortar esses gastos já.

Macri disse que vai buscar um acordo com todas as forças políticas e os sindicatos para acelerar os ajustes que ele vinha implementando gradualmente desde que assumiu o poder, em dezembro de 2015. Perguntado se tinha uma autocriticada a fazer, ele respondeu que tinha sido demasiado “otimista” quando estabeleceu metas de crescimento e de inflação. O índice inflacionário, que o governo esperava reduzir de 25% em 2017 a 15% este ano, deve superar os 20%.

O presidente falou em uma entrevista à imprensa nacional e internacional, convocada para a tarde, para fazer um balanço da situação, depois da disparada do dólar que, na Argentina, ressuscitou os fantasmas da crise de 2001 – a pior da história recente do país. A coletiva faz parte da estratégia de comunicação de Macri, que pessoalmente anunciou aos argentinos a decisão de recorrer ao FMI. O órgão financeiro internacional, com sede em Washington, é rejeitado pela maioria dos argentinos, que associam o Fundo a ajustes e apertos.

“Ninguém vai nos condicionar”, disse Macri, ao garantir que o FMI não vai ditar que cortes precisam ser feitos. Essa decisão – explicou – precisa ser tomada pelos dirigentes políticos do país. Mas a Argentina terá que demonstrar que poderá reembolsar o empréstimo – e, para tanto, não pode gastar mais do que ganha. Segundo o presidente, esta e uma “oportunidade” para fazer o que ninguém fez em mais de sete décadas: acabar com o déficit fiscal (hoje equivalente a 6% do Produto Interno Bruto - PIB), que ele chamou de “flagelo nacional”.

Macri disse que está disposto a pagar o preço político por eventuais medidas impopulares – mas necessárias – que ele não detalhou. O presidente assegurou que está mais preocupado em tirar a Argentina do buraco do que com sua reeleição. Sem maioria no Congresso, o governo depende de acordos políticos para aprovar reformas polêmicas, como a trabalhista. “Sou otimista”, disse. E justificou: os argentinos aprenderam com o passado e estão mais conscientes de que precisam fazer esforços.

No meio da entrevista, o presidente sentiu a boca a seca e brincou com a situação: “Tanta austeridade que nem água tomei”.

Edição: Davi Oliveira

 

Últimas Notícias

Varejo perde R$ 19,5 bilhões em 2017 por danos em produtos e furtos
A partir deste sábado, candidatos só podem ser presos em flagrante
Brasileiros não se sentem prontos para lidar com a morte, diz pesquisa
Aos 95 anos, Gervásio Baptista recebe Medalha do Mérito Jornalístico
PF combate grupo criminoso responsável por contrabando de cigarros
Primavera começa hoje com possibilidade de novo episódio do El Niño
Facebook anuncia medidas para combater contas falsas e desinformação
Polícia Militar faz operação na Rocinha

MAIS NOTICIAS

 

Toffoli toma posse hoje na presidência do STF
 
 
Chanceler do Paraguai visita Brasil para negociar construção de pontes
 
 
Indústria recua em oito dos 15 locais pesquisados pelo IBGE em julho
 
 
Brasil amplia investimento em educação infantil, diz OCDE
 
 
México investiga caso de deputadas forçadas a renunciar
 
 
A série de ataques de 11 de Setembro completa 17 anos

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212