Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


20 de Nov de 2018 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Cuba pode levar até um ano para concluir investigações sobre acidente - Jornal Brasil em Folhas
Cuba pode levar até um ano para concluir investigações sobre acidente


Três dias após o acidente aéreo em Cuba, que matou 110 pessoas, as autoridades cubanas intensificaram as investigações para esclarecer as causas da queda do avião, na última sexta-feira (18), nos arredores de Havana (Cuba), e o processo de identificação das vítimas. As investigações sobre as causas do acidente podem levar até um ano, já a identificação das vítimas deve ser concluída em um mês.

O Instituto de Medicina Legal informou que foram identificados 33 mortos. Apenas três mulheres sobreviveram e estão em estado grave.

Reconhecido como um dos principais especialistas de Cuba pelo trabalho que desenvolveu nas buscas e descobertas dos restos do guerrilheiro argentino-cubano Ernesto Che Guevara, na Bolívia, Jorge González disse que o processo de identificação das vítimas deve durar mais um mês. Porém, de acordo com ele, as investigações sobre as causas do acidente podem levar até um ano.

O ministro de Transporte de Cuba, Adel Yzquierdo, afirmou o bom estado da caixa-preta, que guarda a troca de comunicação da aeronave, do Boeing-737-200 da companhia mexicana Damojh arrendada pela Cubana de Aviação, deve ajudar nas investigações.

Yzquierdo disse que a comissão encarregada de investigar as causas da tragédia segue os protocolos internacionais. Dois especialistas da aeronáutica do México também participam das investigações.

Autoridades cubanas informaram que o governo de Cuba aceita a colaboração de especialistas estrangeiros para as investigações.

À bordo da aeronave, que fazia a rota Havana-Holguín, estavam 113 pessoas, das quais 102 cubanos, seis tripulantes mexicanos, dois turistas argentinos e uma mexicana, e duas saarauís residentes na ilha caribenha. Havia ainda um bebê, de dois anos, e quatro crianças cujas idades não foram divulgadas.

As três mulheres sobreviventes estão em estado crítico extremo e com prognóstico sigiloso, no Hospital Universitário General Calixto García, de Havana.

*Com informações da Prensa Latina, agência pública de notícias de Cuba.

Edição: Sabrina Craide

 

Últimas Notícias

Atos em Brasília marcam os 50 anos da Receita Federal
Temer pede que brasileiros reflitam sobre questão racial
Grafiteira faz mural de 500 m2 no Rio para homenagear mulheres negras
Dia da Consciência Negra é comemorado no Rio com homenagem a Zumbi
Estados poderão decidir se darão aulas a distância no ensino médio
Moro escolhe delegados da Lava Jato para PF e departamento do MJ
Estudante poderá escolher área a ser avaliada no segundo dia do Enem
PF prende suspeitos de ligações com facções criminosas em sete estados

MAIS NOTICIAS

 

Estimativa do mercado para inflação cai pela quarta vez seguida
 
 
Autoridades de Cuba anunciam retorno de médicos antes do fim do ano
 
 
Guatemala monitora atividades de vulcão que pode ter novas erupções
 
 
Ex-CEO da Nissan é preso no Japão suspeito de reduzir próprio lucro
 
 
Governador eleito do Rio promete nova concessão para o Maracanã
 
 
Relatório alerta que há 45 barragens sob ameaça de desabamento

 


 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2019 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212