Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


12 de Dez de 2018 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Comissão da OEA conclui que mortes na Nicarágua chegam a 76 - Jornal Brasil em Folhas
Comissão da OEA conclui que mortes na Nicarágua chegam a 76


A Comissão Interamericana de Direitos Humanos (CIDH), vinculada à Organização dos Estados Americanos (OEA), concluiu que a série de protestos em várias cidades da Nicarágua deixaram, pelo menos, 76 mortos e 868 feridos, além de levar à prisão 438 civis entre estudantes, defensores de direitos humanos e ativistas.

Os integrantes da comissão classificaram como “arbitrários” os assassinatos, as agressões e as prisões de manifestantes. Em nota, a CIDH apelou ao governo do presidente da Nicarágua, Daniel Ortega, para “cessar imediatamente a repressão” aos protestos.

Para a comissão, é fundamental que Ortega adote medidas que garantam o livre e pleno exercício dos direitos à liberdade de expressão, reunião pacífica e participação política. Também deve investigar os fatos, julgar e punir os responsáveis, assim como reparar as vítimas de violações de direitos humanos.

Na última sexta-feira (18), o governo anunciou uma trégua de dois dias na repressão às manifestações, no marco de uma mesa de diálogo nacional. A medida ocorreu no dia seguinte ao início das inspeções da missão da Comissão Interamericana de Direitos Humanos.
Sequência de manifestações

As manifestações em Manágua e mais seis cidades da Nicarágua ocorrem desde 18 de abril. Os manifestantes se queixam da violência do governo do presidente nicaraguense, Daniel Ortega, e das mudanças que pretende impor na Previdência Social.

Por quatro dias, os integrantes da CIDH examinaram documentos, ouviram depoimentos e examinaram uma série de casos relacionados aos protestos na Nicarágua. Três equipes da comissão visitaram quatro cidades, instalações estaduais, centros de saúde, hospitais, o Instituto de Medicina Legal e centros de detenção.

A comissão levantou informações nas cidades de Manágua, León, Estelis, Matagalpa, Masaya, Sébaco e Jinotega. De acordo com as apurações preliminares, houve censura à imprensa, bloqueio à internet e retaliações diversas. O jornalista Ángel Gahona foi assassinado em 21 de abril enquanto cobria os tumultos.

Edição: Davi Oliveira

 

Últimas Notícias

Jornalista e radialista Laerte Junior morre aos 52 anos
Prazo para consolidar dívidas do Refis começa nesta segunda
Novo crediário para cartão é estudado para 2019, diz Febraban
Receita libera hoje consulta a sétimo lote de restituição do IR 2018
Intenção de investimentos da indústria cresce 4,4 pontos
Mercado reduz estimativa de inflação pela sétima vez
Demanda por bens industriais cresce 0,3% em outubro
Anatel apreende mais de 126 mil produtos não certificados

MAIS NOTICIAS

 

Novo crediário para cartão é estudado para 2019, diz Febraban
 
 
Demanda por bens industriais cresce 0,3% em outubro
 
 
Diálogo Brasil debate projeto Escola sem Partido
 
 
Brasileiro é eleito para Associação Internacional de Seguridade Social
 
 
Polícia e MP de Goiás vão apurar denúncias contra médium João de Deus
 
 
ONG homenageia policiais militares mortos no estado do Rio

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2019 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212