Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


22 de Mar de 2019 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 CNI diz que greve dos caminhoneiros atrapalha recuperação da economia - Jornal Brasil em Folhas
CNI diz que greve dos caminhoneiros atrapalha recuperação da economia


A Confederação Nacional da Indústria (CNI) divulgou nota hoje (24) criticando a paralisação dos caminhoneiros, que já dura quatro dias, e ressaltou que o movimento atrapalha a recuperação da economia. O bloqueio das rodovias do país prejudica a operação das indústrias, aumenta os custos, penaliza a população e tem efeitos danosos sobre a economia, que enfrenta dificuldades para se recuperar da crise recente, disse a entidade, em nota.

A expectativa do setor industrial é que sejam suspensos os bloqueios de rodovias até que governo e associações de caminhoneiros cheguem a um acordo sobre a redução da tarifa de combustível, privilegiando o equilíbrio. Que os interesses de grupos não se não se sobreponham aos dos demais setores da sociedade ou onerem ainda mais os custos de produção. A greve já está afetando a produção e a distribuição de bens, ressaltou.

Na segunda reunião entre governo e caminhoneiros, na tarde de hoje, novamente não houve acordo entre as partes para por fim aos bloqueios. Os motoristas de carga exigem a isenção de tributos federais sobre o preço do óleo diesel, como PIS/Cofins, além da Cide. Esta última tarifa o governo já concordou em zerar. O movimento também pede o fim da cobrança de pedágios dos caminhões que trafegam vazios nas rodovias federais que estão concedidas à iniciativa privada.

Firjan

Para a Federação das Indústrias do Estado do Rio de Janeiro (Firjan), a reoneração da folha de pagamento para setores da economia, aprovada ontem (23) pela Câmara, não é garantia do fim da paralisação dos caminhoneiros e vai impactar os custos da indústria.

A federação estima que, com a reoneração, o setor voltaria a pagar R$ 8,9 bilhões ao ano em impostos, de forma permanente, o que pode colocar em risco postos de trabalho. “A reoneração será uma pá de cal no atual processo de recuperação da economia. Nos últimos três anos, durante a maior recessão da história do país, foram perdidos 2,9 milhões de empregos.

De acordo com a Firjan, os setores de fabricação de carne, produtos farmacêuticos, materiais plásticos e autopeças seriam os mais atingidos.

Embora considere correta a política de reajuste dos preços dos combustíveis adotada pela Petrobras, o presidente da Sociedade Nacional de Agricultura (SNA), Antonio Alvarenga, acredita que os caminhoneiros não conseguiram repassar a tempo o aumento do custo com diesel para os serviços. “Se aumentou o combustível, ele tem que repassar aquilo para o frete. Esse reajuste tem que ser passado para os consumidores e exportadores”. No entanto, o presidente destaca os prejuízos decorrentes dos bloqueios.

“O caos na produção é muito grande, porque você tem leite que acaba não podendo ser transportado; você tem contratos de exportação e não consegue levar o produto até o porto; tem hortifrutigranjeiros estragando; tem gente reduzindo a produção de frangos e suínos por dificuldade de escoamento; tem problema de abastecimento. Ou seja, para a produção, é um problema sério”, disse.

Varejo

O reflexo da paralisação dos caminhoneiros para o varejo na cidade de São Paulo pode acarretar perdas de vendas de até R$ 570 milhões por dia, segundo estimativa da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (FecomercioSP), chegando a um total de R$ 1,8 bilhão.

De acordo com a entidade, se os bloqueios persistirem, o problema pode se estender para as vendas de bens duráveis, como veículos, eletrodomésticos e materiais de construção.
Impacto na economia

Como consequência dos protestos, o professor da Escola de Economia da Fundação Getúlio Vargas de São Paulo, Joelson Sampaio, avalia que haverá perda de consumo o que poderá impactará a economia. “Menos consumo implica em menos venda, que gera estoques, e não é bom para a economia. É um impacto negativo nesse sentido. Menos circulação de mercadorias é menos consumo. Menos consumo é péssimo para a economia”, ressaltou.

Para o economista Pedro Afonso, ex-chefe de operações da corretora Gradual Investimentos, já é possível perceber aumento dos preços, principalmente de produtos perecíveis. Você pode reparar preço de legumes, das carnes. Esses já estão sofrendo um aumento direto de preços e vai começar a afetar o bolso do consumidor. Os perecíveis são mais sensíveis. Como você não tem entrega de perecíveis, começa a ter falta do alimento e isso impacta diretamente do aumento de preços”.

*Reportagem de Pedro Rafael Vilea (Brasília), Alana Gandra (Rio de Janeiro) e Camila Boehm e Fernanda Cruz (São Paulo)

Edição: Sabrina Craide e Carolina Pimentel

 

Últimas Notícias

Bolsonaro participa no Chile de Cúpula Presidencial Sul-Americana
Sul e Sudeste se unem e formam consórcio para ações conjuntas
Copom inicia reunião nesta terça para definir taxa básica de juros
Mercado reduz projeção de crescimento da economia de 2,28% para 2,01%
Atividade econômica tem queda de 0,41% em janeiro, diz BC
Governo lança edital de estudos para concessão de 22 aeroportos
Governo do Rio anuncia rompimento da concessão do Maracanã
Feiras em São Paulo oferecem oportunidades de intercâmbio no exterior

MAIS NOTICIAS

 

Copom inicia reunião nesta terça para definir taxa básica de juros
 
 
Mercado reduz projeção de crescimento da economia de 2,28% para 2,01%
 
 
Atividade econômica tem queda de 0,41% em janeiro, diz BC
 
 
Governo lança edital de estudos para concessão de 22 aeroportos
 
 
Governo do Rio anuncia rompimento da concessão do Maracanã
 
 
Conflitos e segurança poderão contar pontos na avaliação de escolas

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212