Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


09 de Dez de 2018 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Chegada de caminhões ao Ceasa-RJ diminui e preços sobem - Jornal Brasil em Folhas
Chegada de caminhões ao Ceasa-RJ diminui e preços sobem


A Central de Abastecimento do Estado do Rio de Janeiro (Ceasa-RJ) recebeu somente 50 caminhões entre 3h e 10h de hoje (24), informou a assessoria de imprensa do órgão. O motivo é a greve dos caminhoneiros, que entra hoje no quarto dia. O movimento representa apenas 10% dos número que chega à central em um dia comum e teve reflexo nos preços dos produtos disponíveis. O valor médio das hortaliças, por exemplo, aumentou cerca de 70%, segundo a central de abastecimento.

Diretores e o presidente da Ceasa passaram a manhã reunidos para avaliar a situação, e um balanço mais completo deve ser divulgado posteriormente.

No Pavilhão 21, onde produtores locais vendem hortaliças, boxes estão vazios, carregadores conversam ociosos e comerciantes oferecem principalmente produtos que foram entregues em dias anteriores.

O vendedor Pablo Silva trabalha apenas com cenoura, um dos produtos que teve o preço mais afetado, de acordo com o Ceasa. Com apenas cinco caixas restando, ele conta que elevou o preço de R$ 30 para R$ 80.

Isso era o que sobrou e na loja. Se acabar, acabou. Por dia, a gente vende 40 ou 50 caixas. Hoje, trouxe só dez caixas e olhe lá.

Feiras de rua esvaziadas

A elevação de preços se disseminou e chegou às feiras de rua do Rio de Janeiro. Na Tijuca, a contadora Ana Maria Peixoto, de 51 anos, não encontrou verduras simples como alface e saiu da feira impressionada com os preços.

Aumentaram os preços e não tem muita concorrência. Várias barracas não apareceram, queixou-se. Estou levando uma sacola com o que realmente não podia deixar de comprar.

Único vendedor de hortaliças que estava na feira, Manuel Antônio só conseguiu os produtos porque foi ele mesmo na Região Serrana comprar diretamente dos produtores.

Trouxe em um carro de passeio. Tive que trazer eu mesmo e, mesmo assim, foi pouco.

A dificuldade e a falta de concorrência aumentaram o preço e o molho de salsa que costumava ser vendido por R$ 2 estava saindo por R$ 6.

Na barraca em que Edson Bento vende bananas, o preço também subiu. Como adquiriu as caixas do produto por R$ 50 em vez de R$ 45, ele elevou o preço da dúzia de R$ 4 para R$ 6.

Eu pedi 15 caixas e só podiam me arrumar 10. E esse aqui já estava separado, porque o entregador me garantiu só para sexta-feira. Para sábado e domingo não tem, disse ele, Vou dar o meu jeito, porque são os melhores dias.

Apesar das dificuldades, o feirante afirma que apoia a greve dos caminhoneiros, por considerar o preço dos combustíveis um esculacho. Com menos de um terço dos produtos que costuma vender disponíveis, ele já avisa que na feira de hoje não vai ter xepa.

De jeito nenhum. É prejuízo vir para não ganhar nada. Tenho que sair daqui com alguma coisa.

Quem circulou pela feira hoje ouviu reclamações constantemente, mas também viu a criatividade dos feirantes em ação. Na barraca de laranja, o vendedor chamava em tom bem humorado: Deu no rádio que vai faltar laranja, hein? É melhor comprar.

Edição: Amanda Cieglinski

 

Últimas Notícias

Petrobras demite funcionários com prisão decretada na Lava Jato
Porto de Santos movimenta 110 milhões de toneladas de carga em 2018
Alimentos da cesta básica estão mais caros em 16 capitais brasileiras
Vendas internas de veículos novos têm melhor resultado desde 2015
BNDES lança programa para atender startups
Mercosul e UE retomam negociação com expectativa de acordo até março
Poupança tem menor captação para meses de novembro em três anos
Toma posse diretoria da nova Agência Reguladora de Mineração

MAIS NOTICIAS

 

Moro reafirma “confiança pessoal” em Onyx
 
 
Após discussão, votação do Escola sem Partido em comissão é suspensa
 
 
Senado aprova projeto que congela distribuição de recursos do FPM
 
 
Crediário e cartão são os maiores responsáveis pela inadimplência
 
 
Balança comercial tem segundo melhor superávit para meses de novembro
 
 
Enel anuncia R$ 3,1 bi em distribuição de energia em São Paulo

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2019 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212