Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


19 de Mar de 2019 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Abastecimento teve pequena melhora nesta terça, diz Ceasa-RJ - Jornal Brasil em Folhas
Abastecimento teve pequena melhora nesta terça, diz Ceasa-RJ


A chegada de alimentos à Central Estadual de Abastecimento do Rio de Janeiro (Ceasa-RJ) teve uma pequena melhora hoje (29), avaliou uma nota divulgada na página oficial do órgão na internet. A central foi afetada pelos oito dias de greve dos caminhoneiros e ficou com parte dos pavilhões praticamente vazia nos últimos dias.

Diante dos reflexos da greve, a Ceasa decidiu abrir no feriado de Corpus Christi (31) os mercados de Irajá, no Rio de Janeiro, e de São Gonçalo. O funcionamento das lojas será facultativo.
Movimento na Central de Abastecimento do Estado do Rio (Ceasa-RJ), em Irajá, Zona Norte da cidade.

A alface crespa, que ontem 6 quilos custavam R$ 100, caiu hoje para R$ 50 a mesma quantidade na Central de Abastecimento do Estado do Rio (Ceasa-RJ), em Irajá, Zona Norte da cidade - Tânia Rêgo/Agência Brasil

Segundo levantamento da Ceasa, 178 caminhões levaram mantimentos à central até o início da tarde de hoje. Ontem, por exemplo, apenas 37 caminhões tinham transportado mercadorias para o local.

O número de caminhões que chegou hoje, no entanto, segue bem abaixo do que normalmente é verificado. Na terça-feira antes da greve dos caminhoneiros (15/05), 779 caminhões carregados entraram na Ceasa.

O Pavilhão 21, que atende aos agricultores do estado do Rio, chegou a ficar praticamente vazio e, segundo a Ceasa, já começou a se normalizar.

O resultado da maior oferta de hortaliças foi a melhora nos preços. A alface crespa, que ontem 6 quilos custavam R$ 100, caiu hoje para R$ 50 a mesma quantidade. O preço do repolho também caiu pela metade e a acelga hoje custava um quarto do valor de ontem.

A central de abastecimento aconselhou que produtores e caminhoneiros que estiverem com dificuldades de chegar às centrais do Rio e São Gonçalo devem se concentrar em mercados do interior para obterem escolta até a Região Metropolitana.

Produtor de cebola, Henrique dos Santos Machado contou que ainda não tem condições de avaliar o tamanho do prejuízo que teve com a interrupção das entregas.

A gente não tem previsão de quando vai normalizar, porque esses caminhões entraram por causa do Exército. A gente não sabe se amanhã vai chegar mercadoria ou se não vai.

Leonardo da Mota, que também é produtor, contou que o prejuízo com a venda de tomate é muito grande, mas ainda não está contabilizado. Para ele, a partir de agora a situação vai se normalizar.

Creio que de amanhã em diante já vai ser bem melhor.

Edição: Valéria Aguiar

 

Últimas Notícias

Sul e Sudeste se unem e formam consórcio para ações conjuntas
Copom inicia reunião nesta terça para definir taxa básica de juros
Mercado reduz projeção de crescimento da economia de 2,28% para 2,01%
Atividade econômica tem queda de 0,41% em janeiro, diz BC
Governo lança edital de estudos para concessão de 22 aeroportos
Governo do Rio anuncia rompimento da concessão do Maracanã
Feiras em São Paulo oferecem oportunidades de intercâmbio no exterior
Treze de 16 docentes relataram casos de agressão na escola de Suzano

MAIS NOTICIAS

 

Sul do Chile enfrenta 45 focos de incêndios florestais
 
 
Governo de Minas oferece suporte psicossocial às vítimas de Brumadinho
 
 
Força Nacional de Segurança começa a deixar o Ceará
 
 
Licitação de ônibus em São Paulo tem contratos de R$ 71 bi em 20 anos
 
 
Força Nacional vai atuar em Belém na primeira quinzena de março
 
 
Fiocruz alerta para agravamento de doenças na população após tragédia

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212