Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


10 de Dez de 2018 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Maggi diz que governo pode ajudar setor agrícola devido à greve - Jornal Brasil em Folhas
Maggi diz que governo pode ajudar setor agrícola devido à greve


Em entrevista exclusiva hoje (29) à TV Brasil e à Agência Brasil, o ministro da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Blairo Maggi, admitiu que pode ser necessário que o governo crie algum crédito ou mecanismo para ajudar o setor agrícola, que foi muito atingido pela greve dos caminhoneiros.

“Creio que sim [sobre abrir uma linha de crédito para o setor]. Alguns sofreram muito. Temos áreas que padeceram, perderam muito o plantel. E o plantel é o capital de uma empresa. Talvez tenhamos que buscar uma saída para isso junto aos órgãos oficiais, uma política mais direcionada a eles”, disse o ministro, que participa nesta terça-feira do Fórum de Investimentos Brasil, na capital paulista. “Ninguém vai dar nada de graça para ninguém, mas tudo o que aconteceu não foi por má gestão [dos produtores]”.

De acordo com Maggi, para ajudar os produtores, o governo provavelmente terá que deslocar recursos de outras áreas ou projetos. “Se nesse momento vai ser importante deslocar algum recurso para os produtores. Para eles ser organizarem, em detrimento até de um novo projeto de investimento, faremos isso sem nenhum problema. Não creio que teremos que buscar espaço fiscal para isso. É dentro do volume que temos”, disse. Segundo o ministro, isso será feito dentro da política de teto de gastos do governo. “Com o teto de gastos, estamos todos dentro da mesma caixa. Se for colocar alguém, alguém tem que sair”.

Segundo o ministro, que se reúne na tarde de hoje com representantes da Associação Brasileira das Indústrias Exportadoras de Carne (Abiec) e da Associação Brasileira de Proteína Animal (Abpa), ainda não foi feito um levantamento do prejuízo provocado no setor pela paralisação dos caminhoneiros, mas a área mais atingida, disse ele, foi a de produção de proteína animal, que inclui a produção de aves e suínos.

“Na parte de grãos, não há nenhum problema, mas na parte de produção de proteína animal, [há] sérios problemas na atualidade e vamos ter muitos problemas para poder sair da situação que nos encontramos”, disse, ressaltando que, apesar disso, o Brasil ainda é um país seguro para investimento.

Sobre a paralisação dos caminhoneiros, o ministro disse que “isso foi uma coisa fora da curva”, mas que o Brasil precisa agora “superar”. “Traz problemas para o país? Traz, de abastecimento. E provavelmente vai ter inflação e falta de produtos em alguns lugares, mas isso faz parte do processo de um país livre, democrático, onde as pessoas podem se manifestar. Tem que juntar os cacos, aprender a lição de tudo o que aconteceu e seguir em frente”, disse.

* Com programa Cenário Econômico, da TV Brasil

Edição: Fábio Massalli

 

Últimas Notícias

Petrobras demite funcionários com prisão decretada na Lava Jato
Porto de Santos movimenta 110 milhões de toneladas de carga em 2018
Alimentos da cesta básica estão mais caros em 16 capitais brasileiras
Vendas internas de veículos novos têm melhor resultado desde 2015
BNDES lança programa para atender startups
Mercosul e UE retomam negociação com expectativa de acordo até março
Poupança tem menor captação para meses de novembro em três anos
Toma posse diretoria da nova Agência Reguladora de Mineração

MAIS NOTICIAS

 

Moro reafirma “confiança pessoal” em Onyx
 
 
Após discussão, votação do Escola sem Partido em comissão é suspensa
 
 
Senado aprova projeto que congela distribuição de recursos do FPM
 
 
Crediário e cartão são os maiores responsáveis pela inadimplência
 
 
Balança comercial tem segundo melhor superávit para meses de novembro
 
 
Enel anuncia R$ 3,1 bi em distribuição de energia em São Paulo

 


 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2019 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212