Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


18 de Dez de 2018 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Igreja diz que só retoma diálogo se Nicarágua suspender repressão - Jornal Brasil em Folhas
Igreja diz que só retoma diálogo se Nicarágua suspender repressão


A Igreja Católica anunciou hoje (31) que não retomará o Diálogo Nacional visando restabelecer a paz na Nicarágua, enquanto o governo continuar reprimindo manifestações pacíficas.

Pelo menos onze pessoas morreram ontem (30), na Nicarágua, quando realizavam marchas de solidariedade às mães que perderam seus filhos nos protestos.

As manifestações - que começaram no dia 18 de abril para rejeitar a reforma da Previdência - se transformaram num movimento nacional, pedindo a saída do presidente Daniel Ortega, da Nicarágua.

Os manifestantes dizem que foram atacados pelas forças de segurança e grupos paramilitares, que apoiam o atual governo. Ontem, foi Dia das Mães na Nicarágua. Mas, este ano as comemorações foram substituídas por marchas, contra e a favor do governo.

Violência é condenada

A Conferência Episcopal da Nicarágua, que a pedido do governo estava mediando o diálogo pela paz, disse que vivia com profunda dor os acontecimentos violentos perpetrados na noite de ontem (30) por grupos armados simpatizantes do governo e contra a população civil. No comunicado, os bispos disseram que condenam energicamente todos esses fatos violentos.

Os distúrbios – os mais violentos desde o fim da guerra civil em 1990 – começaram em abril, com manifestações contra a reforma da Previdência, que o governo acabou revogando. Mas, diante da violenta reação das forças de segurança e de grupos paramilitares, os protestos se transformaram num movimento nacional que – com o apoio da Igreja Católica - exige a antecipação de eleições presidenciais.

No Dia das Mães, o movimento Mães de Abril, uma organização que pede justiça pelos filhos mortos nas manifestações, convocou uma marcha. Muitas das vítimas da violência são estudantes universitários, que ontem denunciaram a repressão ao protesto.

Agressões

O governo realizou seu próprio ato em homenagem às mães, pedindo o fim da violência e denunciando agressões a seus simpatizantes.

“O ódio está tentando destruir um país, que vivia em paz e era admirado no mundo pela sua capacidade de reconciliação”, disse o presidente Daniel Ortega. “A Nicarágua viveu praticamente em luto desde os anos de 1960 até 1990, quando conseguimos o acordo de paz”.

Ortega se referia à Revolução Sandinista que ele liderou em 1979, contra décadas de ditadura da família Somoza. Mas o ex-guerrilheiro de esquerda está sendo acusado pelos opositores, e também por seus ex-aliados, de querer instalar na Nicarágua uma dinastia política, parecida com a que ele combateu. Em 2016, Ortega foi reeleito para um terceiro mandato presidencial consecutivo – desta vez com a mulher, Rosário Murtillo, como vice-presidente.

O presidente pediu a mediação da Igreja Católica para acabar com a violência, mas não aceitou as recomendações da Conferência Episcopal. Os bispos pediram a antecipação das eleições, o fim da repressão e a dissolução dos grupos paramilitares.

Relatório da organização não governamental Anistia Internacional, denominado “Atirar para Matar”, acusa a policia e os paramilitares de usarem armas de fogo na repressão aos protestos.

Edição: Kleber Sampaio

 

Últimas Notícias

Temer sanciona MP 846 e o Brasil tem as apostas esportivas legalizadas
Defesa deve pedir hoje prisão domiciliar para João de Deus
Instituições financeiras reduzem previsão de déficit primário em 2018
Valor do seguro obrigatório cairá 63,3% em 2019
Eletrobras: suspensão de leilão se estende a Amazonas Energia
BNDES voltará a subscrever ações de empresas
Juros do cheque e empréstimo pessoal em 2018 foram menores que em 2017
São Paulo fecha ano com 9,9 milhões de empregos formais no comércio

MAIS NOTICIAS

 

Mega-Sena sorteia hoje prêmio de R$ 36 milhões
 
 
Câmara aprova incentivos fiscais a Sudene, Sudam e Centro-Oeste
 
 
Governadores discutem hoje segurança pública; Moro deve participar
 
 
Doria diz a Moro que estados precisam de recursos para a segurança
 
 
João de Deus afirma estar à disposição da Justiça
 
 
CGU recupera R$ 7,23 bilhões para os cofres públicos este ano

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2019 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212