Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


20 de Nov de 2018 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Presidente colombiano vai à Bélgica se reunir com secretário da Otan - Jornal Brasil em Folhas
Presidente colombiano vai à Bélgica se reunir com secretário da Otan


Próximo de concluir seu mandato e em meio à campanha para o segundo turno das eleições presidenciais, no dia 17 de junho, o presidente da Colômbia, Juan Manuel Santos, viaja na quinta-feira (31) para a Bélgica, para se encontrar com o secretário-geral da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan), Jens Stoltenberg.

A Colômbia é o primeiro país da América Latina a ser aceito como parceiro global da Otan, uma aliança militar entre os Estados Unidos e seus aliados da Europa Ocidental, que foi criada depois da Segunda Guerra Mundial para fazer frente à União Soviética e aos países comunistas do Leste Europeu, organizados à época sob o Pacto de Varsóvia. Com o fim da Guerra Fria, muitos desses países entraram para a OTAN, que hoje tem 29 membros.

Segundo Santos, como parceiros globais da OTAN, os colombianos podem contar com ajuda para lutar contra o terrorismo e crimes cibernéticos, além de fortalecer a segurança marítima. “A Colômbia vai se beneficiar sendo uma parte ativa da comunidade internacional porque muitos dos problemas que hoje enfrentamos são globais e requerem a colaboração e o apoio de outros países para serem solucionados”.

Atualmente, a Otan executa manobras militares conjuntas e tem o compromisso de defender qualquer membro, atacado por força externa. A Colômbia faz parte da categoria parceiro global do bloco, que também inclui Afeganistão, Austrália, Iraque, Japão, Coreia do Sul, Mongólia, Nova Zelândia e Paquistão.

Eleições presidenciais

Juan Manuel Santos ganhou o prêmio Nobel da paz por ter assinado, em 2016, um acordo para acabar com meio século de guerra civil entre as forças governamentais e as Forças Armadas Revolucionarias da Colômbia (Farc). Esse acordo está sendo questionado pelo ex-presidente Álvaro Uribe (principal rival político de Santos) e por seu candidato à presidência, Iván Duque. Ambos acham que o pacto foi demasiado generoso com os sete mil rebeldes que aceitaram depor as armas em troca de anistia e do direito de formar um partido político com o mesmo nome.

No dia 17 de junho, Duque disputa a presidência da Colômbia com o ex-guerrilheiro e ex-prefeito de Bogotá, Gustavo Petro. Apesar de não ter conseguido fazer seu próprio sucessor, Santos também deixa como legado a entrada da Colômbia na Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento Econômico (OCDE), que tem 35 países e do qual o Brasil e a Argentina querem fazer parte.

Edição: Denise Griesinger

 

Últimas Notícias

Atos em Brasília marcam os 50 anos da Receita Federal
Temer pede que brasileiros reflitam sobre questão racial
Grafiteira faz mural de 500 m2 no Rio para homenagear mulheres negras
Dia da Consciência Negra é comemorado no Rio com homenagem a Zumbi
Estados poderão decidir se darão aulas a distância no ensino médio
Moro escolhe delegados da Lava Jato para PF e departamento do MJ
Estudante poderá escolher área a ser avaliada no segundo dia do Enem
PF prende suspeitos de ligações com facções criminosas em sete estados

MAIS NOTICIAS

 

Estimativa do mercado para inflação cai pela quarta vez seguida
 
 
Autoridades de Cuba anunciam retorno de médicos antes do fim do ano
 
 
Guatemala monitora atividades de vulcão que pode ter novas erupções
 
 
Ex-CEO da Nissan é preso no Japão suspeito de reduzir próprio lucro
 
 
Governador eleito do Rio promete nova concessão para o Maracanã
 
 
Relatório alerta que há 45 barragens sob ameaça de desabamento

 


 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2019 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212