Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


10 de Dez de 2018 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Justiça impede que ex-presidente da Câmara de BH retome atividades - Jornal Brasil em Folhas
Justiça impede que ex-presidente da Câmara de BH retome atividades


O Tribunal de Justiça de Minas Gerais informou hoje (5) que o ex-presidente da Câmara Municipal de Belo Horizonte, vereador afastado Wellington Magalhães (PSDC), não poderá retomar seu mandato. O parlamentar é réu por corrupção e cumpria prisão preventiva. Como seu cargo estava vago, ele foi ocupado pelo seu suplente, Dimas da Ambulância (PODE). No entanto, beneficiado por um habeas corpus, Magalhães foi colocado em liberdade na semana passada e protocolou requerimento na Mesa Diretora da Câmara para reassumir o mandato.

Em decisão de caráter liminar, assinada ontem (4), o juiz Rinaldo Kennedy Silva entendeu que a manutenção do político no cargo representaria risco de dano irreparável ao erário. Também considerou, com base em elementos levados aos autos pelo Ministério Público de Minas Gerais (MPMG), que a instrução do processo criminal poderia ser prejudicada.

“Possivelmente ocultou provas e há notícias de que ele tentou intimidar prováveis testemunhas e até mesmo autoridades”, escreveu. Ainda de acordo com o magistrado, consta do processo judicial que o vereador soube que seu telefone estava grampeado e procurou identificar uma viatura descaracterizada que estava no entorno de sua residência, o que demonstra que ele estaria recebendo informações privilegiadas sobre a investigação.

Visando a uma possível reparação de danos futura, o magistrado também determinou a indisponibilidade do veículo Honda HRV, pertencente à esposa do parlamentar, Kelly Jaqueline Maciel Magalhães. No dia 25 de maio, o mesmo juiz já havia determinado a indisponibilidade de todos os bens móveis e imóveis de Wellington Magalhães. Também ordenou que fossem bloqueados os recursos em contas bancárias que se encontram em nome do vereador, de sua mulher e de Daniel Figueiredo Borja, suspeito de ter atuado como laranja em esquemas de corrupção.

Wellington Magalhães é acusado pelo MPMG pela prática de corrupção, enriquecimento ilícito, lavagem de dinheiro e fraudes em licitações e na contratação de serviços de publicidade do legislativo da capital mineira. Segundo a denúncia, os crimes teriam ocorrido entre 2011 e 2016, quando ele era presidente da Câmara Municipal de Belo Horizonte. Ele teria se beneficiado de esquemas para recebimento de propina envolvendo contratos de publicidade irregulares na Câmara em valores próximos a R$ 30 milhões.

Edição: Davi Oliveira

 

Últimas Notícias

Petrobras demite funcionários com prisão decretada na Lava Jato
Porto de Santos movimenta 110 milhões de toneladas de carga em 2018
Alimentos da cesta básica estão mais caros em 16 capitais brasileiras
Vendas internas de veículos novos têm melhor resultado desde 2015
BNDES lança programa para atender startups
Mercosul e UE retomam negociação com expectativa de acordo até março
Poupança tem menor captação para meses de novembro em três anos
Toma posse diretoria da nova Agência Reguladora de Mineração

MAIS NOTICIAS

 

Moro reafirma “confiança pessoal” em Onyx
 
 
Após discussão, votação do Escola sem Partido em comissão é suspensa
 
 
Senado aprova projeto que congela distribuição de recursos do FPM
 
 
Crediário e cartão são os maiores responsáveis pela inadimplência
 
 
Balança comercial tem segundo melhor superávit para meses de novembro
 
 
Enel anuncia R$ 3,1 bi em distribuição de energia em São Paulo

 


 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2019 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212