Assine Brasil em Folhas / Nuvem / Pressreader



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


19 de Jun de 2018 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade
 

...

...

 
Notícias
 Pezão sanciona projeto que reduz ICMS para o diesel no Rio de Janeiro - Jornal Brasil em Folhas
Pezão sanciona projeto que reduz ICMS para o diesel no Rio de Janeiro


Em cerimônia no Palácio Guanabara, o governador do Rio de Janeiro, Luiz Fernando Pezão, sancionou hoje (6) o Projeto de Lei (PL) 4.142/2018, que reduz de 16% para 12% a alíquota de Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) que incide sobre o diesel no estado. A redução havia sido negociada entre o governo estadual e representantes dos caminhoneiros, com o objetivo de contribuir para o fim da paralisação da categoria, que gerou impactos em todo o país há pouco mais de uma semana. A medida equipara o Rio de Janeiro aos estados vizinhos São Paulo e Espírito Santo, que já cobram 12% de ICMS sobre o diesel.

Pezão disse acreditar que, apesar da redução da alíquota, o estado pode aumentar suas receitas. Estávamos perdendo muito abastecimento de combustível para São Paulo. As carretas que vinham para cá já enchiam o tanque com combustível suficiente para voltar. E depois, só se reabasteciam após ultrapassar a divisa com São Paulo. E o mesmo ocorria com o Espírito Santo. Este era também um dos argumentos das entidades representativas dos caminhoneiros e das empresas de transporte, favoráveis à proposta.

Durante a tramitação do projeto na Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj), a Secretaria de Estado de Fazenda (Sefaz) apresentou dados que mostravam que a redução do tributo levaria a uma perda na arrecadação da ordem de R$180 milhões anuais. A pasta avaliou, porém, que esse montante poderia ser compensado tanto com o crescimento na movimentação dos postos de combustível do estado, como também com o aumento da receita estadual das tarifas de energia elétrica, reajustadas pela União em março deste ano.

A redução do ICMS para o diesel foi aprovada na Alerj na semana passada. O projeto tramitava em regime de urgência, mas teve sua votação adiada em um dia devido à falta de consenso entre os deputados e ao excesso de emendas apresentadas. Alguns parlamentares defendiam uma discussão mais ampla, envolvendo também as alíquotas para a gasolina, o etanol e o gás de cozinha. Outros ainda cobravam a apresentação de um cálculo que comprovasse a estimativa do governo sobre a queda da arrecadação. Existia a preocupação de que áreas como saúde e educação fossem prejudicadas.

Para viabilizar a votação, foi costurado um acordo e as bancadas concordaram em retirar diversas emendas. Na negociação ficou acertado que a possibilidade de redução do ICMS sobre o gás de cozinha ainda seria objeto de debate. Ao acompanhar a sanção do PL 4.142/2018 no Palácio Guanabara, o presidente da Alerj, André Ceciliano (PT), disse que podem surgir novidades nos próximos 10 ou 15 dias. Uma das possibilidade que está sendo analisada, segundo ele, é a inclusão do gás de cozinha na cesta básica, o que faria o ICMS reduzir automaticamente de 12% para 7%.

Por outro lado, André Ceciliano descartou a possibilidade de queda do tributo cobrado sobre a gasolina entrar em pauta. Segundo o deputado, uma medida neste sentido poderia gerar um impacto de R$1 bilhão nas contas públicas. Reduzir o preço dos combustíveis todos queremos. Mas é preciso ter responsabilidade porque é um momento difícil, de fechamento das contas. É o último ano de mandato do governo. E nós, na Assembleia Legislativa, desde 2016 votamos medidas difíceis para que o estado pudesse sair da crise. E está saindo, mas ainda não saiu totalmente.
Fiscalização

Ao sancionar o projeto, Pezão disse ainda que o governo está redigindo um documento a ser encaminhando para a Presidência da República pedindo que a Agência Nacional de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) reforce a fiscalização nos postos e atue em parceria com as polícias do estado. Segundo ele, trata-se de uma medida importante para garantir o valor correto nas bombas dos postos de combustível.

De acordo com portaria publicada hoje (6) pelo Ministério da Justiça, os Procons estaduais e municipais, instituições que atuam na proteção ao consumidor, serão responsáveis por fiscalizar os preços praticados no varejo. O governo federal calculou que as medidas anunciadas vão garantir receita para assegurar uma redução de R$0,46 sobre o litro do diesel. Postos que não repassarem o desconto às bombas poderão ser punidos.

Todos os municípios tem alguma estrutura de Procon. Mas isso não é suficiente. Precisamos que tenham mais fiscais da ANP. É preciso fiscalizar distribuidoras que entram aqui com combustíveis adulterados. Sabemos que existe muito desvio em refinarias que não recolhem impostos e é atribuição da ANP acompanhar estas questões, disse Pezão.

*Colaborou Joana Moscatelli, repórter da Rádio Nacional

Edição: Denise Griesinger

 

Últimas Notícias

Temer participa da Cúpula do Mercosul em Assunção
Mais de 400 pessoas recebem atendimentos médicos especializados em ação da Saúde
Gustavo Mendanha prestigia posse da nova diretoria da Fecomércio-GO
Mesmo com redução da Selic, juros do crédito caem em ritmo lento
Cai percentual de estudantes que querem ser professores, diz OCDE
Colombianos vão às urnas para escolher novo presidente
Mega-Sena acumula e pagará R$ 35 milhões; veja as dezenas sorteadas
Pelo grupo do Brasil, Sérvia vence Costa Rica

MAIS NOTICIAS

 

Pelo grupo do Brasil, Sérvia vence Costa Rica
 
 
Justiça Federal aceita 24ª denúncia contra ex-governador Sérgio Cabral
 
 
Copa do Mundo altera rotina de comissões e de visitas no Congresso
 
 
Carioca ainda aguarda estreia do Brasil para entrar no clima da Copa
 
 
Torcida acredita em vitória do Brasil, mas sem muita euforia
 
 
Neymar afirma que não tem medo de sonhar grande

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212