Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


26 de Mar de 2019 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Siderurgia estima prejuízo de R$ 3,2 bilhões com tabela de frete - Jornal Brasil em Folhas
Siderurgia estima prejuízo de R$ 3,2 bilhões com tabela de frete


A indústria de siderurgia estima que a tabela de frete mínimo definida pelo governo federal como uma das medidas para pôr fim à greve dos caminhoneiros pode resultar em um prejuízo de R$3,2 bilhões ao setor, pois o tabelamento diminui as margens de negociação. As perdas apenas no período da greve chegam a R$1,1 bilhão. Os números foram divulgados hoje (6) pelo presidente executivo do Instituto Aço Brasil, Marco Polo de Mello, em coletiva de imprensa na capital paulista.

Para a indústria química, apesar de nenhum polo petroquímico ter sido paralisado, os prejuízos com a greve alcançaram R$ 954 milhões, informou o presidente-executivo da Associação Brasileira de Indústria Química (Abiquim), Fernando Figueiredo.

Os representantes dos dois setores criticaram também as mudanças, anunciadas pelo governo federal, principalmente a redução de 2% para 0,1% da alíquota do Regime Especial de Valores Tributários para as Empresas Exportadoras (Reintegra), programa que devolve aos exportadores parte dos impostos cobrados na cadeia de produção, uma das medidas tomadas para suprir as despesas oriundas do acordo com os caminhoneiros. Mello disse que o setor judicializará a questão.

“É uma das medidas compensatória mais grave, porque o governo insiste em classificar o Reintegra como se fosse incentivo fiscal, um benefício concedido ao setor, quando se sabe que é um mecanismo de ressarcimento de resíduo tributário”, disse Mello. Segundo o presidente do Instituto Aço Brasil, esse resíduo na siderurgia chega a 7%.
Reiq

A extinção do Regime Especial da Indústria Química (Reiq) também foi criticada pelo presidente da associação do setor. “Fomos penalizados duas vezes”, disse. Mello destacou que a Medida Provisória 836 de 30 de maio deste ano surpreendeu o setor e deve gerar perdas de R$ 3 bilhões até 2021, além do fechamento de plantas e de postos de trabalho.

O presidente da Associação de Comércio Exterior do Brasil (AEB), José Augusto de Castro, calcula que o aumento do custo mínimo da produção deve ser de 5% a 8% no mercado internacional. “É muita coisa. Todos os aspectos negativos estão ocorrendo ao mesmo tempo”. Ele avalia que isso coloca em risco a retomada do crescimento econômico brasileiro.

A Agência Brasil entrou em contato com a Casa Civil do governo federal, mas não houve retorno até a publicação da reportagem.

Greve dos caminhoneiros

A greve dos caminhoneiros, que começou em 21 de maio e durou 11 dias, afetou as exportações do país no período, a economia nacional, prejudicou diversos setores e causou desabastecimento de combustível e de diversos produtos no país. O governo, após negociações, fechou um acordo com os caminhoneiros em que, entre outros pontos, prevê redução do diesel em R$0,46 pelo prazo de 60 dias e, após esse período, o combustível será reajustado mensalmente, isenção da cobrança de pedágio dos caminhões que trafegarem com eixo suspenso e o estabelecimento de um frete mínimo rodoviário.

Para suprir as despesas oriundas do acordo com os caminhoneiros, o governo federal vai reduzir incentivos fiscais para exportadores e as indústrias química e de refrigerante, cortar recursos em praticamente todas as áreas do governo, incluindo programas, e pôr em prática um programa de subvenção econômica à comercialização do óleo diesel.

Edição: Fábio Massalli

 

Últimas Notícias

Temer deixa prédio da Polícia Federal no Rio
Jovens têm menos chance de contratação e mais de serem demitidos
Bolsa cai e dólar fecha em R$ 3,80
Araújo: dispensa de status especial na OMC nos coloca como país grande
Países sul-americanos devem sair de uma só vez da Unasul, diz ministro
Chanceler descarta emprego das Forças Armadas na Venezuela
Moçambique, Zimbábue e Malauí tentam identificar vítimas de ciclone
Nova Zelândia quer proibir, em abril, venda de armas do tipo militar

MAIS NOTICIAS

 

Copom inicia reunião nesta terça para definir taxa básica de juros
 
 
Mercado reduz projeção de crescimento da economia de 2,28% para 2,01%
 
 
Atividade econômica tem queda de 0,41% em janeiro, diz BC
 
 
Governo lança edital de estudos para concessão de 22 aeroportos
 
 
Governo do Rio anuncia rompimento da concessão do Maracanã
 
 
Conflitos e segurança poderão contar pontos na avaliação de escolas

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212