Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


18 de Dez de 2018 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Produção de veículos cai 20% com greve dos caminhoneiros, diz Anfavea - Jornal Brasil em Folhas
Produção de veículos cai 20% com greve dos caminhoneiros, diz Anfavea


A produção de veículos no país registrou queda de 20,2% em maio, na comparação com abril, conforme divulgado hoje (6) pela Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea). A greve dos caminhoneiros reduziu, segundo estimativas da entidade, em 70 mil a 80 mil unidades a produção do setor.

De acordo com a Anfavea, a expectativa é que a produção seja recuperada ao longo dos próximos dois meses. “Temos flexibilidade para trabalhar aos fins de semana, fazer hora extra”, disse o presidente da entidade, Antonio Carlos Botelho Megale. Segundo ele, as fábricas retomaram a produção de veículos na última segunda-feira (4), mas é possível que algumas peças ainda faltem durante este mês de junho em algumas montadoras.

A comercialização de veículos novos teve queda de 7,1% em maio na comparação com abril. Em relação a maio do ano anterior, houve alta de 3,2%. No acumulado desde janeiro, foi registrada alta de 17%, na comparação com o mesmo período de 2017. A Anfavea avalia que o impacto da greve dos caminhoneiros também foi forte sobre as vendas, com estimativa de perda de 25 mil unidades no período de paralisação, de aproximadamente uma semana.

Exportação

A exportação de veículos montados teve queda de 17% em maio, na comparação com abril. Em relação a maio de 2017, foi observada queda de 17,3%. No acumulado, houve crescimento de 1,6%. A estimativa é que o país perdeu cerca de 15 mil embarques com a greve dos caminhoneiros.

“Muitos carros ficaram retidos nas fábricas, sem chegar aos portos. A gente acredita que pode recuperar [os números de exportação], pois são contratos firmados. Mas sempre há uma preocupação”, disse Megale. Outro motivo de apreensão citado pelo presidente da Anfavea foi o problema cambial e o aumento de juros na Argentina, que responde por 76% dos embarques brasileiros.

Crise dos caminhoneiros

Megale acredita que as medidas tomadas pelo governo federal para controlar a greve dos caminhoneiros ocorreram num momento difícil. “Mas acredito que [o governo] está estudando novas fórmulas. Não faz sentido a Petrobras ter prejuízo, após a recuperação importante”, disse. Ele defende a previsibilidade nos preços do combustível, mas é contra o subsídio do diesel.

Apesar do reflexo negativo da greve, as previsões de resultados para o final do ano foram mantidas. Megale informou que uma revisão dos valores deve ser feita no próximo mês, quando as montadoras tiverem uma ideia melhor de suas perdas. A estimativa de aumento na produção é de 13,2%, na comercialização, de 11,7%, e quanto às exportações, espera-se alta de 5%.

Edição: Fernando Fraga

 

Últimas Notícias

Temer sanciona MP 846 e o Brasil tem as apostas esportivas legalizadas
Defesa deve pedir hoje prisão domiciliar para João de Deus
Instituições financeiras reduzem previsão de déficit primário em 2018
Valor do seguro obrigatório cairá 63,3% em 2019
Eletrobras: suspensão de leilão se estende a Amazonas Energia
BNDES voltará a subscrever ações de empresas
Juros do cheque e empréstimo pessoal em 2018 foram menores que em 2017
São Paulo fecha ano com 9,9 milhões de empregos formais no comércio

MAIS NOTICIAS

 

Mega-Sena sorteia hoje prêmio de R$ 36 milhões
 
 
Câmara aprova incentivos fiscais a Sudene, Sudam e Centro-Oeste
 
 
Governadores discutem hoje segurança pública; Moro deve participar
 
 
Doria diz a Moro que estados precisam de recursos para a segurança
 
 
João de Deus afirma estar à disposição da Justiça
 
 
CGU recupera R$ 7,23 bilhões para os cofres públicos este ano

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2019 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212