Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


10 de Dez de 2018 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Guardia manifesta otimismo em acordo para o preço do frete - Jornal Brasil em Folhas
Guardia manifesta otimismo em acordo para o preço do frete


O ministro da Fazenda, Eduardo Guardia, demonstrou otimismo em um acordo para os setores de transportes e produtivo no tocante ao preço mínimo do frete. Ao mesmo tempo, reconheceu que a forma como o governo definiu a tabela mínima de frete “talvez” não tenha sido a melhor solução para resolver a crise.

“Essa questão da tabela do frete foi uma solução discutida e apresentada no meio da crise, no meio de uma negociação difícil, complexa. E agora está se chegando à conclusão que talvez não seja a melhor solução para os caminhoneiros, transportadores e para a sociedade como um todo.Tenho convicção de que chegaremos a uma boa solução”, disse o ministro hoje (8) em entrevista à Rádio Bandeirantes.

Logo após o fim da greve dos caminhoneiros, a Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT) divulgou a primeira tabela com os preços mínimos do frete no último dia 30. Após críticas de representantes do agronegócio, a ANTT admitiu a possibilidade de ajustar alguns valores.

Na quinta-feira (7), no final da tarde, a agência divulgou uma tabela atualizada, prevendo preços para uma série de cargas e tipos diferentes de caminhões. Porém, mais tarde do mesmo dia, o governo sinalizou a revogação da tabela recém-publicada. Durante todo o dia de hoje caminhoneiros e a ANTT discutiram uma saída para o impasse.

A criação de uma tabela de preço mínimo para o frete foi uma das reivindicações dos caminhoneiros durante a paralisação da categoria, que durou dez dias e resultou em prejuízos em diversos setores da economia e em desabastecimento de combustíveis, alimentos, entre outros produtos.

Guardia destacou também que a redução de impostos no diesel, negociada pelo governo com os caminhoneiros, foi pensada de maneira que a população não seja prejudicada. “Sempre existe uma conta a ser paga. A pergunta é quem está pagando a conta. Fizemos uma redução de R$ 0,16 nos impostos federais, que não será pago pela população. O que fizemos foi reduzir benefícios fiscais para alguns setores específicos”. Ele acrescentou que os R$ 0,30 restantes do desconto no preço do diesel serão subvencionados pelo governo, retirados de reservas do Orçamento Geral da União.

Edição: Fernando Fraga

 

Últimas Notícias

Petrobras demite funcionários com prisão decretada na Lava Jato
Porto de Santos movimenta 110 milhões de toneladas de carga em 2018
Alimentos da cesta básica estão mais caros em 16 capitais brasileiras
Vendas internas de veículos novos têm melhor resultado desde 2015
BNDES lança programa para atender startups
Mercosul e UE retomam negociação com expectativa de acordo até março
Poupança tem menor captação para meses de novembro em três anos
Toma posse diretoria da nova Agência Reguladora de Mineração

MAIS NOTICIAS

 

Moro reafirma “confiança pessoal” em Onyx
 
 
Após discussão, votação do Escola sem Partido em comissão é suspensa
 
 
Senado aprova projeto que congela distribuição de recursos do FPM
 
 
Crediário e cartão são os maiores responsáveis pela inadimplência
 
 
Balança comercial tem segundo melhor superávit para meses de novembro
 
 
Enel anuncia R$ 3,1 bi em distribuição de energia em São Paulo

 


 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2019 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212